A CRENÇA NO DISCURSO DA SUSTENTABILIDADE EM UMA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALIZADA

Henrique Letrari, Jacques Haruo Fukushigue Jan-Chiba, Rodrigo Maia Marinello, Rafael Borim-de-Souza

Resumo


O presente artigo foi desenvolvido com o objetivo de analisar a crença no discurso da sustentabilidade em uma organização internacionalizada, a partir de uma análise criteriosa das narrativas dos agentes inseridos no contexto de uma organização e dos documentos que declaram publicamente um compromisso da mesma com a sustentabilidade, além de identificar os instrumentos simbólicos e as ferramentas simbólicas de dominação utilizados para legitimar a sustentabilidade como uma crença em organizações internacionalizadas. Utilizou-se a sociologia bourdieusiana como a principal lente teórica que fundamentou a análise desta pesquisa. A pesquisa é considerada de natureza aplicada e possui uma abordagem qualitativa e exploratória. Adotou-se duas estratégias para o desenvolvimento da pesquisa: o levantamento bibliográfico e o estudo de caso. A partir da análise, constatou-se que a organização internacionalizada enuncia um discurso dominante sobre sustentabilidade que legitimam-se como uma crença aos funcionários por meio de instrumentos formais e simbólicos.

Palavras-chave: Crença; Discurso; Organização Internacionalizada; Pierre Bourdieu; Sustentabilidade.


Palavras-chave


Crença; Discurso; Organização Internacionalizada; Pierre Bourdieu; Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Bourdieu, P. (1983). Questões de sociologia (p. 89). Rio de Janeiro: Marco Zero.

Bourdieu, P. (1996). Razões práticas: sobre a teoria da ação. Papirus Editora.

Bourdieu, P. (2003). Usos sociais da ciência. Unesp.

Bourdieu, P. (2004). Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 49-73.

Bourdieu, P. (2009). O Senso Prático. Petrópolis, Rio de Janeiro: Ed. Vozes.

Bourdieu, P. (2012). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2015). A Produção da Crença. 3. ed. Porto Alegre: Zouk.

Bourdieu, P., & Wacquant, L. J. (1992). An invitation to reflexive sociology. University of Chicago press.

Borim-de-Souza, R., Woitas, N. M. A., Zanoni, B. L., & Chiba, J. H. F. (2018). Internationalisation and sustainability as a field: a contingent view of comparative management via Bourdieusian sociology. International Journal of Comparative Management, 1(1), 26-44.

Chaves, M. D. P. S. R., & Rodrigues, D. C. B. (2016). Desenvolvimento sustentável: limites e perspectivas no debate contemporâneo. Interações (Campo Grande), 8(13).

Daly, H. E. (2005). Economics in a full world. Scientific american, 293(3), 100-107.

Fairclough, N. (2003). Analysing discourse: Textual analysis for social research. Psychology Press.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA.

GRI - Global Reporting Initiative. Princípios para relato e conteúdos padrão - 2015. Recuperado de: Acesso em: 02 de junho de 2018.

Hawken, P., Lovins, A. B., & Lovins, L. H. (2013). Natural capitalism: The next industrial revolution. Routledge.

Husted, B. W. (2005). Culture and ecology: A cross-national study of the determinants of environmental sustainability. MIR: Management International Review, 349-371.

Jan-chiba, J. H. F., Tadeo, L. L. & Borim-de-Souza, R. (2017). A criatividade como um habitus regionalizado no campo artístico bourdieusiano. Ciências Sociais Unisinos, 53(3), 478-488.

Jiménez-Herrero, L. M. (2000). Desarrollo sostenible: transición hacia la coevolución global. Madrid: Pirámide.

Lélé, S. M. (1991). Sustainable development: a critical review. World development, 19(6), 607-621.

Munck, L., & de Souza, R. B. (2009). Responsabilidade social empresarial e sustentabilidade organizacional: a hierarquização de caminhos estratégicos para o desenvolvimento sustentável. REBRAE, 2(2), 185-202.

O'Connor, J. (2002). ¿ Es posible el capitalismo sostenible?. Papeles de población, 6(24), 9-35.

Schmidheiny, S. (1992). Changing course: A global perspective on development and the environment. Massachusetts Istitute of Technology.

Schweickart, D. (2010). Is sustainable capitalism possible?. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 2(5), 6739-6752.

Tulloch, L., & Neilson, D. (2014). The neoliberalisation of sustainability. Citizenship, Social and Economics Education, 13(1), 26-38.

Vachon, S. (2010). International operations and sustainable development: Should national culture matter?. Sustainable Development, 18(6), 350-361.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015