A Gestão Ambiental Domiciliar praticada pelas gerações Baby Boomers, X e Y

Cynthia Faviero, Monique Raupp

Resumo


O presente artigo busca investigar quais são as práticas de Gestão Ambiental Domiciliar (GAD) tomadas pelas gerações comportamentais Baby Boomers, X e Y. Com este fim, discorreu-se à respeito de conceitos-chave para contextualizar o tema, abordando-se assuntos tais como desenvolvimento sustentável, a gestão ambiental e seus desdobramentos, sua relação com as diferentes gerações escolhidas pelas autoras e os conceitos específicos dos últimos. Para tanto, as autoras aplicaram uma pesquisa exploratória de vertente qualitativa, através da unidade de estudo composta por consumidores dessas três gerações. A coleta dos dados dá-se através de pesquisas bibliográficas e documentais e da aplicação de grupos focais. Para análise dos dados emprega-se a análise de conteúdo. A partir das suas respostas, notaram-se claras diferenças comportamentais que, se relacionadas às práticas de GAD, podem estabelecer padrões referentes a adoções de hábitos domiciliares individuais sustentáveis. Como evidências deste estudo, destaca-se: as gerações, quanto mais informadas a respeito da sustentabilidade, mostram-se mais individualistas e com menor propensão a ter práticas condizentes com a GAD, o que deve-se a fatores e características geracionais. 


Palavras-chave


Gestão Ambiental; Gestão Ambiental Domiciliar; Sustentabilidade; Gerações Comportamentais

Texto completo:

PDF

Referências


Brandão, A. C., & Duarte, M. F. (2004). Movimentos culturais de juventude. São Paulo: Moderna.

Buarque, S. C. (2006). Construindo o desenvolvimento local sustentável: Metodologia de planejamento. 3. ed. Rio de Janeiro: Garamond.

Carmo, P. S. (2003). Cultura da Rebeldia: a juventude em questão. São Paulo: Senac.

Cooper, D., & Schindler, P. (2003). Métodos de Pesquisa em Administração. 7 ed. Porto Alegre: Bookman.

Dowbor, L. (2007). Inovação Social e Sustentabilidade. Revista Urbe, 1-23.

Erickson, T. (2011). E agora, geração X? Rio de Janeiro: Campus.

Giddens, A. (2005). Mundo em descontrole. Rio de Janeiro: Record.

Janotti Jr., J. (2003). Aumenta isso aí que é Rock and Roll – mídia, gênero musical e identidade. Rio de Janeiro: E-Papers.

Kehl, M. R. (2004). A juventude como sintoma de cultura. Revista Outrolhar, 5(6), 42-54.

Kotler, P., & Keller, K. (2006). Administração de Marketing. São Paulo: Pearson.

Marconi, M. A, & Lakatos, E. M. (2008). Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas.

Nascimento, L. F. (2011). Gestão ambiental e sustentabilidade. Florianópolis: Miolo Gráfica.

Novais, V. M. S. (2011). Desafios para uma efetiva gestão ambiental no Brasil. Anais do Encontro Baiano de Geografia, Vitória da Conquista, BA, Brasil, 8.

Oliveira, S. (2011). Geração Y: ser potencial ou ser talento? São Paulo: Integrare.

Portilho, F. (2005). Consumo Sustentável: limites e possibilidades de ambientalização e politização das práticas de consumo. Caderno EBAPE.BR, 3(3), 1-12.

Portilho, F. (2005). Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania. São Paulo: Cortez.

Priest, S. H. (2011). Pesquisa de mídia – Introdução. Porto Alegre: Penso.

Richardson, R. J. (2008). Pesquisa Social – Métodos e Técnicas. São Paulo: Atlas.

Rio + 10 Brasil (2002). Saiba mais sobre o vocabulário da Rio+10. Recuperado em 09 Junho, 2016, de http://tinyurl.com/y8aqfgm.

Santos, C. F., Ariante, M., Diniz, M., & Dovigo, A. (2011). O processo evolutivo entre as gerações X, Y e Baby Boomers. Anais do SEMEAD, São Paulo, SP, Brasil, 14.

Silva, R. C. (2013). A abordagem geracional como proposta à gestão de pessoas. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Souza, T. C., & Silva, E. V. (2010). Planejamento E Gestão Ambiental: Análise Integrada da Praia de Canoa Quebrada. Anais do Seminário Latino Americano de Geografia Física, Coimbra, Portugal, 6.

Vergara, S. (2010). Métodos de Pesquisa em Administração. 4 ed. São Paulo: Atlas.

Viana, M. A. (2012). Comprometimento Organizacional: estudo comparativo dos grupos geracionais em uma universidade federal. Dissertação de mestrado, Fundação Pedro Leopoldo, Pedro Leopoldo, MG, Brasil. 2012.

Victorino, C. J. A. (2007). Planeta água morrendo de sede: Uma visão analítica na metodologia do uso e abuso dos recursos hídricos. Porto Alegre: Edipucrs.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015