Composição dos Comitês de Auditoria das Empresas do Ibovespa

Autores

Palavras-chave:

Governança Corporativa, Comitê de Auditoria, Ibovespa

Resumo

Com os crescentes escândalos de corrupção em empresas, foi criada a Lei Sarbanes-Oxley com o intuito de elaborar mecanismos de governança corporativa nas empresas, sendo um deles a criação do Comitê de Auditoria. Desse modo, esse estudo teve como objetivo analisar a composição dos Comitês de Auditoria das empresas listadas no í­ndice Ibovespa, sendo os quesitos pesquisados a quantidade de membros, a expertise e a independência. Para isso, foi feito o levantamento dos dados nos sites das empresas e, também, de dados na Bolsa de Valores Brasileira (B3). Através da análise de 65 empresas, verificou-se um total de 252 membros, uma média de 3 em cada empresa; deste número, 35 são mulheres, representando apenas 13,89%. Foi observado também que o tamanho dos comitês independe do ní­vel de complexidade das empresas. Quanto à independência dos membros, 94% também faz parte de seus respectivos Conselhos de Administração de forma independente. No quesito expertise, ou seja, membros que possuem formação em contabilidade, auditoria ou finanças, identificou-se em 43% das empresas que pelo menos um membro possui expertise, enquanto que o número máximo de membros com algum dos conhecimentos foi de quatro pessoas no comitê, representando 6,15% das empresas.

Biografia do Autor

Bruno Rodrigues dos Reis, Universidade Federal Fluminense (UFF-VR)

Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Federal Fluminense (UFF-VR)

Mariana Pereira Bonfim, Universidade Federal Fluminense (UFF-VR)

Doutora em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasí­lia (UnB). Professora do departamento de Ciências Contábeis da Universidade Federal Fluminense (UFF-VR)

Referências

ADDARIO, M. V. L.; NUNES, R. V.; SALES, G. A. W. Avaliação de Calls Realizada por Analistas de Mercado Supera o Ibovespa em Perí­odos de Volatilidade?. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 11, p. 88894-88910, nov. 2020. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-346

ARAÚJO, C. E. B.; CABRAL, A. C. A.; SANTOS, S. M.; PESSOA, M. N. M.; ROLDAN, V. P. S. Grau de adesão de empresas familiares í s boas práticas de Governança Corporativa: proposição e teste de um instrumento-diagnóstico. Revista Alcance, Eletrônica, v. 20, n. 1, p. 117-138, jan./mar. 2013. DOI: https://doi.org/10.14210/alcance.v20n1.p117-138

B3 – BRASIL, BOLSA, BALCíO. B3 divulga estudo sobre os 2 milhões de investidores que entraram na bolsa entre 2019 e 2020. 2020. Disponí­vel em: http://www.b3.com.br/pt_br/noticias/investidores.htm. Acesso em: 23 abr. 2021.

B3 – BRASIL, BOLSA, BALCíO. Ibovespa B3. 2021a. Disponí­vel em: http://www.b3.com.br/pt_br/market-data-e-indices/indices/indices-amplos/ibovespa.htm. Acesso em: 27 jul. 2021.

B3 – BRASIL, BOLSA, BALCíO. Comparativo dos segmentos de listagem. 2021b. Disponí­vel em: http://www.b3.com.br/pt_br/produtos-e-servicos/solucoes-para-emissores/segmentos-de-listagem/sobre-segmentos-de-listagem/. Acesso em: 02 ago. 2021.

BAIOCO, V. G.; ALMEIDA, J. E. F. Efeitos do comitê de auditoria e do conselho fiscal na qualidade da informação contábil no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 28, n. 74, p. 229-248, mai./ago. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1808-057x201703250

BANGE, M. M.; MAZZEO, M. A. Board composition, board effectiveness, and the observed form of takeover bids. The Review of Financial Studies, v. 17, n. 4, p. 1185-1215, out. 2004. DOI: https://doi.org/10.1093/rfs/hhh001

BUSHMAN, R.; CHEN, Q.; ENGEL, E.; SMITH, A. Financial accounting information, organizational complexity and corporate governance systems. Journal of Accounting and Economics, v. 37, n. 2, p. 167-201, 2004. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2003.09.005

CARMONA, E.; PEREIRA, A. C.; SANTOS, M. R. A lei Sarbanes-Oxley e a percepção dos gestores sobre as competências do auditor interno. Gestão & Regionalidade, São Caetano do Sul, v. 26, n. 76, p. 63-74, jan./abr. 2010. DOI: https://doi.org/10.13037/gr.vol26n76.207

CHAN, A. M. Y.; LIU, G.; SUN, J. Independent audit committee members"™ board tenure and audit fees. Accounting & Finance, v. 53, n. 4, p. 1129-1147, dez. 2012. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-629x.2012.00490.x

COLARES, A. C. V.; ALVES, K. C.; MIRANDA, L. T. F. Relação entre as caracterí­sticas do comitê de auditoria e da auditoria independente das companhias abertas da B3. Revista Ambiente Contábil, Natal, v. 12, n. 1, p. 152-170, jan./jul. 2020. DOI: https://doi.org/10.21680/2176-9036.2020v12n1ID18325

COUTO, B.; MARINHO, R. Contabilidade Criativa x Lei Sarbanes-Oxley: um enfoque sobre a credibilidade da Auditoria. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasí­lia, v. 177, p. 65-75, jun. 2009.

ENGEL, E.; HAYES, R. M.; WANG, X. The Sarbanes–Oxley Act and firms"™ going-private decisions. Journal of Accounting and Economics, v. 44, n. 1-2, p. 116-145, 2007. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2006.07.002

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IBGC – INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Guia de orientação para melhores de comitês de auditoria. São Paulo: IBCG, 2009.

IBGC – INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Orientações sobre Comitê de Auditoria: melhores práticas no assessoramento ao Conselho de Administração. 2017. Disponí­vel em: http://www.ibracon.com.br/sib/gc/upload/1507212921.pdf. Acesso em: 23 abr. 2021.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, 1976. DOI: https://doi.org/10.1016/0304-405x(76)90026-x

JIRAPORN, P.; SINGH, M.; LEE, C. I. Ineffective corporate governance: Director busyness and board committee memberships. Journal of Banking & Finance, n. 33, p. 819-828, mai. 2009. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jbankfin.2008.09.020

KANG, H.; CHENG, M.; GRAY, S. J. Corporate governance and board composition: Diversity and independence of Australian boards. Corporate Governance: An International Review, v. 15, n. 2, p. 194-207, 2007. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-8683.2007.00554.x

KLAPPER, L. F.; LOVE, I. Corporate governance, investor protection, and performance in emerging markets. Journal of Corporate Finance, v. 10, n. 5, p. 703-728, nov. 2004. DOI: https://doi.org/10.1016/s0929-1199(03)00046-4

LAY, L. A.; GONÇALVES, M.; CUNHA, P. R. Relação entre gênero no conselho de administração e no comitê de auditoria com o audit delay. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 14, n. 33, p. 118-139, set./dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2017v14n33p118

MARTINS, G. A. Manual para Elaboração de Monografias e Dissertações. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

ONG TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL. 25 Corruption scandals that shook the world. 2019. Disponí­vel: https://www.transparency.org/en/news/25-corruption-scandals. Acesso em: 23 abr. 2021.

SANTOS, A. G. Comitê de Auditoria: uma análise baseada na divulgação das informações de empresas brasileiras. 2009. 175p. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) - Departamento de Contabilidade e Atuária, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

SANTOS, L. M. S.; SANTOS, M. I. C.; LEITE FILHO, P. A. M. A Influência da Diversidade de Gênero, no Comitê de Auditoria, na Evidenciação de Informações Ambientais das Empresas Listadas na B3. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 19., 2019, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: USP, 2019.

SILVA, E. C. Governança Corporativa nas Empresas: guia prático de orientação para acionistas. São Paulo: Atlas, 2006.

SILVA, A.; SOUZA, J. C. L.; HEIN, N. Determinantes da adoção do Comitê de Auditoria em empresas brasileiras listadas na B3. Revista Gestão Organizacional (RGO), Chapecó, v. 11, n. 2, mai./ago. 2018. DOI: https://doi.org/10.22277/rgo.v11i2.4046

SILVA, D. S. C.; VASCONCELOS, A. C.; DE LUCA, M. M. M. Comitê de auditoria e gerenciamento de resultados em empresas reguladas e empresas não reguladas. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, set./dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v12i3.14164

SILVEIRA, A. D. M. Governança Corporativa: desempenho e valor da empresa no Brasil. São Paulo: Saint Paul Editora, 2005.

SILVEIRA, A. D. M.; BARROS, L. A. B. C. Determinantes da qualidade da governança corporativa das companhias abertas brasileiras. REAd: Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 14, n. 3, set./dez. 2008.

SLOAN, R. G. Financial accounting and corporate governance: a discussion. Journal of Accounting and Economics, v. 32, n. 1-3, p. 335-347, dez. 2001. DOI: https://doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00039-8

Downloads

Publicado

2024-06-19

Como Citar

DOS REIS, B. R.; BONFIM, M. P. Composição dos Comitês de Auditoria das Empresas do Ibovespa. Revista Metropolitana de Governança Corporativa (ISSN 2447-8024), [S. l.], v. 6, n. 2, 2024. Disponível em: https://revistaseletronicas.fmu.br/index.php/RMGC/article/view/2567. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS