O USO DE STOCK OPTIONS COMO MECANISMO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

Autores

Palavras-chave:

Stock Options, Remuneração de Executivos, Desempenho, Teoria da Agência.

Resumo

Em especial nas empresas de capital aberto, a relação entre propriedade e gestão tende a ser distinta, ou seja, o agente é o gestor tomador de decisões e de outro lado, o que possui a propriedade o principal. Entre eles existe o conflito de interesses que é identificado na literatura como problema de agência. Alguns autores indicam que a governança corporativa sugere mecanismos para aprimorar a gestão das empresas dentre os quais a remuneração executiva. No alinhamento de interesses no longo prazo, uma ferramenta de remuneração variável tenta cumprir este papel: as Stock Options. O objetivo do estudo foi de verificar a influência de indicadores de desempenho financeiro sobre a remuneração de executivos pagos através de Stock Options em companhias abertas brasileiras. Para tal, o trabalho está ancorado do ponto de vista teórico na teoria da agência. A pesquisa investigou 78 companhias abertas não financeiras do Brasil presentes no IBRX100 para o perí­odo de 2010 a 2019. A técnica estatí­stica aplicada foi a regressão através de dados em painel, com efeitos fixos. Identificou-se relação positiva entre a remuneração por Stock Options, a Margem Operacional, Margem EBITDA e Margem Lí­quida. Os achados contribuem para a literatura demonstrando que o pagamento por Stock Options pode ser um mecanismo de redução do problema de agência.

      

Biografia do Autor

Almir Machado Silva Filho, Universidade Ibirapuera

Mestrando em Administração, na linha de pesquisa de gestão financeira, com experiência como professor universitário nos cursos de administração e de ciências contábeis, possuindo formação pela Universidade Nove de Julho nas seguintes áreas: Bacharel em Administração (2011) e em Ciências Contábeis (2017), Especializações nas seguintes áreas: Controladoria (2013), Docência Para o Ensino Profissionalizante (PFFP) - (2013) e em Planejamento Tributário (2014).

    

Juliano Augusto Orsi Araujo, Universidade Ibirapuera

Professor at Master Degree in Administration at Ibirapuera University. PhD in Accounting by Faculty of Economics , Business and Accounting of Ribeirão Preto ( FEA -RP ), University of São Paulo ( USP). Winner Olivio Koliver Award - Best article published in the Brazilian Journal of Accounting (2014). Master Degree in Accounting from the Fundação Escola de Comércio ílvares Penteado - FECAP (2012). Specialist in Strategic Controlling the Universidade São Judas Tadeu (2004). Graduated in Accounting from the Universidade of São Francisco (2002). He is an accoutant at Express Contábil EIRELI. He has experience in Administration with emphasis in Accounting.       

Referências

B3. (2020). índice Brasil 100 (IBrX 100). http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/indices/indices-amplos/indice-brasil-100-ibrx-100.htm

Breusch, T. S., & Pagan, A. R. (1980). The Lagrange Multiplier Test and its Applications to Model Specification in Econometrics. The Review of Economic Studies, 47(1), 239. https://doi.org/10.2307/2297111

Coase, R. H. (1937). The nature of the firm. Economica, 4, 386–405.

CPC 10 (R1). (2010). 10, 1–37.

Ermel, M. D. A., & Medeiros, V. (2020). Plano de remuneração baseado em ações: Uma análise dos determinantes da sua utilizacÄ…õ. Revista Contabilidade e Financas, 31(82), 84–98. https://doi.org/10.1590/1808-057x201907620

Florou, C., & Chalevas, C. (2010). Key accounting value drivers that affect stock returns: evidence from Greece. Managerial Finance, 36(11), 921–930. https://doi.org/10.1108/03074351011081240

Gitman, L. J. (2010). Princí­pios de administração financeira (12th ed.). Pearson.

Iudí­cibus, S. de. (2014). Análise de balanços (10th ed.). Atlas.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). THEORY OF THE FIRM: MANAGERIAL BEHAVIOR, AGENCY COSTS AND OWNERSHIP STRUCTURE. Journal of Finacial Economics, 3, 305–360.

Jensen, M. C., & Murphy, K. J. (1990). Performance Pay and Top-Management Incentives. Journal of Political Economy, 98(2), 225–264. https://doi.org/10.1086/261677

Lei 6404 (pp. 1–91). (1976). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6404consol.htm

Nascimento, E. M., & Veneroso, J. (2013). Teoria da agência e remuneração de executivos: influência do uso de. RICG, XI, 1–16.

Oliveira, J. F. da R., Viana Junior, D. B. C., & Ponte, V. M. R. (2017). Indicadores de desempenho e valor de mercado: Uma análise nas empresas listadas na bm&fbovespa. Revista Ambiente Contábil, 9(2), 240–258.

Peixoto, F. M., Amaral, H. F., Correia, L. F., & Das Neves, J. C. C. (2014). Governança Corporativa e Crises: mecanismos importantes durante ciclos econômicos distintos. Revista de Ciências Da Administração, 0(0), 119. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n39p119

Schafer, J. D., Larini, A. M., Da Rosa, P. A., & Ferreira, L. F. (2015). Remuneração Variável Baseada No Pagamento De Ações: Um Estudo De Evidenciação Das Informações Requeridas Pelo Cpc 10 (R1) Aplicado Em Empresas Brasileiras. RACE - Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 14(2), 737. https://doi.org/10.18593/race.v14i2.5896

Silva, F. L. da, Costa, M. R. S. M. da, Loureiro, S., Savoia, J. R. F., & Bergmann, D. R. (2018). Determinantes da Remuneração em Stock Options pelas Companhias Brasileiras Listadas no IBOVESPA. XXV Congresso Brasileiro de Custos.

Silveira, A. D. M. da. (2010). GOVERMANÇA CORPORATIVA no Brasil e no Mundo.

Publicado

2021-05-22

Como Citar

SILVA FILHO, A. M.; ARAUJO, J. A. O. O USO DE STOCK OPTIONS COMO MECANISMO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Revista Metropolitana de Governança Corporativa (ISSN 2447-8024), [S. l.], v. 1, n. 1, 2021. Disponível em: https://revistaseletronicas.fmu.br/index.php/RMGC/article/view/2463. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS