Influência dos níveis operacionais de governança corporativa no desempenho econômico-financeiro em empresas listadas na B3

Pedro Junior Oliveira Trocz, Juliana de Fátima Lenz, Gilmar Ribeiro de Mello, Clóvis Fiirst

Resumo


A governança corporativa se apresenta como um mecanismo que visa diminuir a assimetria informacional e elevar o potencial de valorização das ações. Desse modo, o objetivo deste artigo foi investigar a influência dos níveis operacionais de governança corporativa no desempenho econômico-financeiro em empresas listadas na B3. Foi adotada uma pesquisa descritiva com procedimento documental e com abordagem quantitativa. Para tanto, foi analisado empresas que divulgaram suas informações no sítio da B3 no período de 2013 a 2018. Os resultados demonstraram que na avaliação da métrica rentabilidade dos ativos, todos os níveis operacionais apresentaram uma influência negativa no desempenho econômico financeiro e que os níveis que exigem as melhores práticas de governança corporativa, não possuem o melhor retorno empresarial. Já nos resultados vindos da métrica giro do ativo, foi observado que também todos os níveis possuem uma influência positiva no desempenho econômico-financeiro, porém os níveis que exigem as melhores práticas de governança corporativa, não se efetivaram com o melhor retorno aos seus investidores. Conclui-se que, não existe uma linha evolutiva ou uma propensão de que empresas que aderem a níveis operacionais de governança corporativa que são estimados mais fortes propiciem aos seus investidores os melhores resultados.

Palavras-chave


Governança corporativa; Níveis operacionais; Desempenho econômico- financeiro.

Referências


Andrade, A.; Rossetti, J. P. (2004) Governança Corporativa: fundamentos e tendências. São Paulo: Atlas.

Bianchi, M. A. (2005) Controladoria como um mecanismo interno de governança corporativa e de redução dos conflitos de interesse entre principal e agente. São Leopoldo: UNISINOS. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis), Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Bortoluzzi, S. C., Ensslin, S. R., Lyrio, M. V. L., & Ensslin, L. (2011). Avaliação de desempenho econômico-financeiro: uma proposta de integração de indicadores contábeis tradicionais por meio da metodologia multicritério de apoio à decisão construtivista (MCDA-C). Revista Alcance, 18(2), 200-218.

Bussola do Investidor (2020). Níveis de governança corporativa na B3. Acesso em: 06 de agosto de 2020. Disponível em: https://www.bussoladoinvestidor.com.br/niveis-governanca-corporativa-bovespa/

Carvalho, A. G. de.(2002) Governança Corporativa no Brasil em Perspectiva. In: Revista de Administração. São Paulo. v. 37, n. 3, p. 19-32.

Catapan, A., & Colauto, R. D. (2014). Governança corporativa: uma análise de sua relação com o desempenho econômico-financeiro de empresas cotadas no Brasil nos anos de 2010–2012. Contaduría y Administración, 59(3), 137-164.

Chiappin, M. A. (2016). Relação entre governança corporativa e desempenho econômico-financeiro: uma análise em empresas listadas na BM&FBOVESPA. Dissertação de mestrado em administração. Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul. RS.

Corpataux, J., & Crevoisier, O. (2011). Gouvernance d'entreprise et mobilité/liquidité du capital: quel ancrage territorial dans une économie financiarisée?. Géographie, économie, société, 13(4), 387-411.

Costa, G. D. S. (2008). A Influência da governança corporativa no desempenho econômico em empresas de capital aberto no Brasil. Dissertação de mestrado em administração. Universidade. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. RG.

Damodaran, A.(2004) Finanças corporativas: teoria e prática. Porto Alegre: Bookman.

Eisenhardt, K.M. (1989) Agency Theory: an assessment and review. The Academy of Management Review, v.14, n. 1, p. 57-74.

Erfurth, A. E., & Bezerra, F. A. (2013). Gerenciamento de resultados nos diferentes níveis de governança corporativa. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, 10(1), 32-42.

Frezatti, F., Rocha, W., Nascimento, A. R., & Junqueira, E. (2009).

Controle gerencial: uma abordagem da contabilidade gerencial no contexto econômico, comportamental e sociológico. São Paulo: Atlas.

Hendriksen, E. S. & Breda, M. F. Van. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2020). Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 5. Ed. São Paulo, 2015. Recuperado dehttps://conhecimento.

ibgc.org.br/Paginas/Publicacao.aspx?PubId=21138. Acesso em: 05 nov. 2020.

Jensen, M. C., &Meckling, W. (1976).Teoria da empresa: comportamento gerencial, custos de agência e estrutura de propriedade. Jornal de Economia Financeira, 3 (4), 305-360.

Lambert, R. A., Leuz, C., & Verrecchia, R. E. (2011).Information asymmetry, information precision, and the cost of capital. ReviewofFinance, 16(1), 1-29.

Lopes, H. E. G., Bernardes, P., & de Carvalho Lara, L. (2009). Governança corporativa e desempenho: um estudo em empresas de capital aberto no Brasil. Revista Economia & Gestão, 9(19), 26-43.

Martinez, A. L., Lessa, R. C., & de Jesus Moraes, A. (2014). Remuneração dos auditores perante a agressividade tributária e governança corporativa no Brasil. Revista Contabilidade e Controladoria, 6(3).

Matarazzo, D.C. (2003). Análise financeira de balanços: Abordagem básica e gerencial. 6. Ed. São Paulo: Atlas.

Matarazzo, D.C. (2010). Análise financeira de balanços: Abordagem básica e gerencial. 6. Ed. São Paulo: Atlas.

Milgron, P. &Robets, J. (1992) Economics, Organizational & Management. New Jersey: Prentice-Hall.

Moura, G. D., & Beuren, I. M. (2011). Conselho de administração das empresas de governança corporativa listadas na BM&FBovespa: análise à luz da entropia da informação da atuação independente. Revista de Ciências da Administração, 13(29), 11-37.

Neto, A. A. (2006) Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico – financeiro. 8ª ed. SãoPaulo: Atlas.

Oliveira Lima, S. H., Oliveira, F. D., de Aquino Cabral, A. C., dos Santos, S. M., & Pessoa, M. N. M. (2015). Governança corporativa e desempenho econômico: uma análise dos indicadores de desempenho entre os três níveis do mercado diferenciado da BM&FBovespa. REGE-Revista de Gestão, 22(2), 187-204.

Padoveze, C.L & Benedicto, G. C. (2004) Análise de Demonstrações Financeiras. São Paulo: Pioneira Thomson Learrning.

Rappaport, A. (2001) Gerando valor para o acionista: um guia para administradores e investidores. Tradução de Alexandre L.G. Alcantara. São Paulo: Atlas.

Saghroun, J. & Eglem, JY (2008). Em busca do desempenho geral da empresa: a percepção dos analistas financeiros. Contabilidade-Controle-Auditoria , 14 (1), 93-118.

Shleifer, A.; Vishny, R.A.(1997) Survey of Corporate Governance. Journal of Finance, v. 52, n. 2, p. 737-783.

Silva Macedo, M. A., &Corrar, L. J. (2012). Análise comparativa do desempenho contábil-financeiro de empresas com boas práticas de governança corporativa no Brasil. Revista Contabilidade e Controladoria, 4(1).

Silva, E.C. (2006). Governança Corporativa nas Empresas: guia prático de orientação para acionistas. São Paulo: Atlas.

Silveira, A. M., Barros, L. A. B. C., &Famá, R. (2006). Atributos corporativos, qualidade da governança corporativa e valor das companhias abertas no Brasil. Revista Brasileira de Finanças, 4(1), 3-32.

Vieira, K. M., Velasquez, M. D. P., Losekann, V. L., & Ceretta, P. S. (2011). A influência da governança corporativa no desempenho e na estrutura de capital das empresas listadas na Bovespa. Revista Universo Contábil, 7(1), 49-67.

Zago, C. (2014). Governança corporativa eletrônica e desempenho econômico e financeiro das empresas listadas no índice Bovespa. Dissertação do programa de em gestão e desenvolvimento regional. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Francisco Beltrão. Pr.

Zittei, M. V. M., Kaveski, I. D. S., Carpes, A. M. D. S., & Scarpin, J. E. (2015). Remuneração do Conselho de Administração, Governança Corporativa e Desempenho Econômico-financeiro: Uma Análise em Empresas Brasileiras. In XV Congresso USP Controladoria e Contabilidade.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexadores:

   

Spell