AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE E COMPLIANCE DO ESTADO DO PARANÁ: Biênio 2019/2020

Autores

  • Ricardo Gambini Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE
  • Edison Luiz Leismann Professor titular na Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Palavras-chave:

Governança, Compliance, Programa de Integridade e Compliance, Estado do Paraná.

Resumo

 Esta pesquisa objetiva a análise das avaliações dos gestores, servidores públicos e cidadãos sobre as ações e o desenvolvimento do Programa de Integridade e Compliance do Estado do Paraná em sua fase inicial de implantação, além de apresentar um modelo simplificado de acompanhamento para tal programa. A metodologia utilizada pode ser caracterizada como descritiva, documental, bibliográfica, exploratória e, ao se analisar a abordagem, entende-se como um estudo de cunho qualitativo, na primeira etapa, e quantitativo, na segunda etapa, ou etapa de análise, pois foram utilizadas técnicas para cruzamento e comparação de dados, a fim de atender aos objetivos propostos. Para a realização dos procedimentos de análise de dados foi utilizado o programa computacional estatí­stico SPSS e, em sequência, foi realizada a análise descritiva dos dados e, em seguida, a análise cross-section com cruzamento de dados, objetivando a compreensão das percepções do público-alvo, evidenciando as suas caracterí­sticas. A partir do tratamento e da análise das informações, tem-se caracterizado como resultados esperados, a evidenciação de que o Programa de Integridade e Compliance do Estado do Paraná tem uma boa ou excelente avaliação da população-alvo, além de se obter a comprovação de caracterí­sticas semelhantes do Programa Estadual com as de outros programas e/ou ações de outros órgãos ou entidades, sejam públicas ou privadas, internacionais ou nacionais, que tiveram um bom e relevante desempenho nas localidades em que foram aplicados.  

Biografia do Autor

Ricardo Gambini, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Mestrando na Universidade Estadual do Oeste do Paraná  

Edison Luiz Leismann, Professor titular na Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Professor titular na Universidade Estadual do Oeste do Paraná

 

Referências

Aires, M. T.; Sato, C. Y. Responsabilidade Objetiva das Pessoas Jurí­dicas na Lei Nº 12.846/13: o interesse como critério normativo e o conflito de interesses como objeto de Compliance. Revista Brasileira De Direito Empresarial, v. 4, n. 1, p. 39-55, ago. 2018.

Araújo, J. P. S. Acordos de colaboração premiada e de leniência em ações de improbidade administrativa. Atuação: Revista Jurí­dica do Ministério Público Catarinense, 14(31), 1-24, 2019.

Babbie, E. Métodos de Pesquisas de Survey. Tradução: Guilherme Cezarino. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999, 519 p.

Batisti, B. M.; Kempfer, M. Parâmetros de Compliance por Meio da Metodologia de Análise de Risco para a Mitigação da Responsabilidade Objetiva Diante da Lei Anticorrupção (12.846/2013) em Face de Negócios Públicos. Revista Brasileira De Direito Empresarial, v. 2, n. 1, 184-200, jan./jul. 2016.

Becker, J.; Delfmann, P.; Eggert, M.; Schwittay, S. Generalizability and Applicability of Model-Based Business Process Compliance-Checking Approaches "” A State-of-the-Art Analysis and Research Roadmap. Business Research, v. 5, n. 2, 221-247, nov. 2012.

Bezzina, F.; Grima, S.; Mamo, J. 2014. Risk Management Practices Adopted By ï¬nancial ï¬rms In Malta. Managerial Finance, v. 40, n. 6, p. 587-612, jan. 2014.

Brasil, A.; Bauer, M. M.; Coletti, L. A Importância da Governança Corporativa e do Controle Interno na írea Contábil. Revista Gestão e Desenvolvimento, v. 17, n. 1, p. 148-174, jan./abr. 2020.

CAMBRIDGE DICTIONARY, 2020.

Carlei, V.; Marra, A.; Pozzi, C. Public Governance, Human Capital and Environmental Outcomes: An Analysis Based on Self"Organizing Maps. Environmental Policy and Governance, v. 22, n. 2, p. 116-126, mar. 2012.

Cole, W. M. Institutionalizing a Global Anti-Corruption Regime: Perverse Effects on Country Outcomes, 1984–2012. International Journal of Comparative Sociology, v. 56, n. 1, p. 53-80, mar. 2015.

Cooper, D. R.; Schindler, P. S. Métodos de Pesquisa em Administração. 7. Ed. Porto Alegre, Rio Grande do Sul: Ed. Bookman, 2008.

De Mello, G. R. Estudo das Práticas de Governança Eletrônica: instrumento de controladoria para a tomada de decisões na gestão dos estados brasileiros. 2009. 187 f. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade: Contabilidade) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

De Melo, H. P. A.; De Lima, A. C. Da Formalidade Prescrita í Cultura de Integridade: escala de intensidade Compliance como resposta í s fraudes e riscos regulatórios no Brasil. Revista Ambiente Contábil, v. 11, n. 1, p. 280-304, jul. 2019.

Fellmann, M.; Zasada, A. State-of-The-Art of Business Process Compliance Approaches, 2014.

Ferreira, D.; Bertoncini, M. E. S. N. A Importância do Controle Cidadão nos Programas de Integridade (Compliance) das Empresas Estatais com Vistas ao Desenvolvimento Nacional. Revista Jurí­dica, v. 4, n. 45, p. 115-134, 2016.

Da Fonseca, J. J. S. Apostila de metodologia da pesquisa cientí­fica. Fortaleza: Ed. UECE, 2002.

Fortini, C.; Sherman, A. Governança Pública e Combate í Corrupção: Novas Perspectivas para o Controle da Administração Pública Brasileira. Interesse Público, Ano, 19, n. 102, p. 27-44, mar./abr. 2017.

Gerhardt, T. E.; Silveira, D. T. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2019.

Gil, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2008.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Compliance í luz da governança corporativa, 2017 [documento na internet]. Disponí­vel em: <https://conhecimento.ibgc.org.br/Lists/Publicacoes/Attachments/23486/PublicacaoIBGCOrienta-ComplianceSobaLuzDaGC-2017.pdf>. Acesso em: 14/07/2019.

Janssen, M.; Van Der Voort, H. Adaptive Governance: Towards a stable, accountable and responsive government. Government Information Quarterly, v. 33, n. 1, p. 1–5, jan. 2016.

Kang, V.; Groetelaers, D. A. Regional Governance and Public Accountability in Planning for New Housing: a new approach in South Holland, The Netherlands.

Environment and Planning C: Politics and Space, v. 36, n. 6, p. 1027-1045, set. 2018.

Kim, H. J., & Sharman, J. C. Accounts and Accountability: Corruption, Human Rights, and Individual Accountability Norms. International Organization, v. 68, n. 2, p. 417-448, abr. 2014.

Lopes, A. V., & Farias, J. S. How Can Governance Support Collaborative Innovation In The Public Sector? A Systematic Review of the Literature. International Review of Administrative Sciences, fev. 2000.

Lynn Jr, L. E.; Malinowska, A. How Are Patterns of Public Governance Changing in the US and The EU? It"™s Complicated. Journal of Comparative Policy Analysis: Research and Practice, v. 20, n. 1, p. 36-55, mai. 2018.

Lynn Jr, L. E. The Many Faces of Governance. In D. Levi-Faur (Ed.), Oxford Handbook Of Governance. Oxford: Oxford University Press, 2012.

Martins, G. D. Governança Pública: Análise Exploratória da Disclosure dos Municí­pios da Região Sul do Brasil. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Contabilidade) – Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Sociais Aplicadas, Curitiba, 2020.

Matias-Pereira, J. A Governança Corporativa Aplicada no Setor Público Brasileiro. Administração Pública e Gestão Social, v. 2, n. 1, p. 109-134, jan./mar. 2010.

Mazzi, F.; Aandré, P.; Dionysiou, D.; Tsalavoutas, I. Compliance with Goodwill-Related Mandatory Disclosure Requirements and the Cost of Equity Capital. Accounting and Business Research, v. 47, n. 3, p. 268-312, dez. 2017.

Minayo, M. C. S. Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 18. Ed., Petrópolis, Rio De Janeiro: Ed. Vozes, 2001.

Miranda, L. F. Escândalos de Corrupção e a Proteção dos Governos em CPIs Federais no Brasil. 2014. Tese (Doutorado) - Curso de Ciência Polí­tica, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014.

Mnif, Y.; Znazen, O. Corporate Governance and Compliance with IFRS 7. Managerial Auditing Journal, v. 35, n. 3, p. 448-474, 2020.

Morano, C. B. L. Uma Breve Análise das Disposições da Lei N° 12.846/13 (Lei Anticorrupção). Revista de Direito Brasileira, v. 11, n. 5, p. 176-215, ago. 2015.

Oliveira, M. M. Como Fazer Projetos, Relatórios, Monografias, Dissertações e Teses. 5. Ed. Rio De Janeiro, Rio De Janeiro: Elsevier, 2011.

Padilha, A.; Oliveira, D. C.; Alves, T. A.; Campos, G. W. D. S. (2019). Crise no Brasil e Impactos na Frágil Governança Regional e Federativa da Polí­tica de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 12, p. 4509-4518, dez. 2019.

Pereira, G. F. Estrutura de Compliance em hospitais privados no Brasil. (Programa de Pós-Graduação em Gestão para a Competitividade) - Fundação Getúlio Vargas, Setor de Ciências Aplicadas, São Paulo, 2019.

Pimenta, J. A.; Batisti, N. E. M. A Aplicabilidade da Lei de Improbidade Administrativa aos Agentes Polí­ticos. Revista do Direito Público, v. 10, n. 3, p. 119-140, set./dez. 2015.

Pinheiro, C. R.; Da Silva Lucena, V. E.; De Carvalho, C. T. Compliance: os mecanismos de controle interno e a organização das pessoas jurí­dicas no combate í corrupção. Revista da JOPIC, v. 1, n. 3, 2018.

Rabelo, L. C. A. M. Compliance nas Empresas Estatais: Aplicação da Lei 13.303/2016-Compliance in State Companies: Application of Law 13.303/2016. Revista de Direito da Administração Pública, v. 1, n. 2, jul./dez. 2019.

Rampazzo, L. Metodologia Cientí­fica: para alunos do curso de graduação e pós-graduação. 3. Ed. São Paulo: Ed. Loyola, 2005.

Schilling, F. Corrupção Intolerável? As Comissões Parlamentares de Inquérito e a Luta Contra a Corrupção no Brasil (1980-1992). 1997. Tese (Doutorado)–Curso De Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1997.

Scupola, A. Zanfei, A. Governance and Innovation in Public Sector Services: The Case of the Digital Library. Government Information Quarterly, v. 33, n. 2, p. 237–249, abr. 2016.

Sharma, A. K. Governance: the concept and its dimensions. Indian Journal of Public Administration, n. 64, n. 1, p. 1-14, fev. 2018.

Silveira, A. D. M. D. Governança Corporativa no Brasil e no Mundo: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

Souza Matos, G. A.; Amaral, H. F.; Iquiapaza, R. A. Intensidade e Incidência de Governança: avaliando a governança financeira em ní­vel estadual no Brasil. Administração Pública e Gestão Social, v. 10, n. 4, p. 316-326, out./dez. 2018.

Stevens, A. Configurations of Corruption: A Cross-National Qualitative Comparative Analysis of Levels of Perceived Corruption. International Journal of Comparative Sociology, n. 57, n. 4, p. 183-206, out. 2016.

Tinoco, J. E. P.; Escuder, S. A. L.; Yoshitake, M. O Conselho Fiscal e a Governança Corporativa: transparência e gestão e conflitos. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 8, n. 16, p. 175-202, jul./dez. 2011.

Triviños, A. N. S. Pesquisa qualitativa. Introdução í pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Ed. Atlas, 1987.

Velez, S.; Neubert, M.; Halkias, D. Banking Finance Experts Consensus on Compliance in Us Bank Holding Companies: An E-Delphi Study. Journal of Risk and Financial Management, v. 13, n. 2, p. 1-14, fev. 2010.

Vergara, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 16. Ed., São Paulo, São Paulo: Ed. Atlas, 2016.

Villanueva, P. A. G. Why Civil Society Cannot Battle it All Alone: the roles of civil society environment, transparent laws and quality of public administration in political corruption mitigation. International Journal of Public Administration, p. 1-10, jul. 2019.

Xavier, C. P. G. Programas de Compliance anticorrupção no contexto da lei 12.846/13: elementos e estudo de caso. Fundação Getúlio Vargas, 2015. Tese de Doutorado.

Publicado

2021-05-22

Como Citar

GAMBINI, R.; LEISMANN, E. L. AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE INTEGRIDADE E COMPLIANCE DO ESTADO DO PARANÁ: Biênio 2019/2020. Revista Metropolitana de Governança Corporativa (ISSN 2447-8024), [S. l.], v. 1, n. 1, 2021. Disponível em: https://revistaseletronicas.fmu.br/index.php/RMGC/article/view/2472. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS