EVIDENCIAÇÃO DO CAPITAL INTELECTUAL NOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE DO SETOR ALIMENTÍCIO

Autores

  • Leonardo Fabris Lugoboni Professor do mestrado em administração da Universidade Ibirapuera Professor do mestrado em administração do Centro Universitário Alves Faria
  • CLíUDIO LÚCIO DE CASTRO JÚNIOR Especialista em Controladoria - FECAP
  • Misleide De Melo Oliveira Especialista em Controladoria - FECAP
  • GABRIEL DE AGUIAR KLEIN Graduado em Ciências Contábeis - FECAP

Palavras-chave:

Capital Intelectual, Relatórios de Sustentabilidade, Bolsa de Valores,

Resumo

Esta tem como objetivo evidenciar o Capital Intelectual nos Relatórios de Sustentabilidade das empresas do setor alimentí­cio listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). Por meio de pesquisa documental, foram utilizadas técnicas de análise de conteúdo nos relatórios de Sustentabilidade com base em uma amostra de 11 empresas dos subsetores da agropecuária, alimentos processados e bebidas. Com relação ao volume de evidenciações, os itens mais evidenciados foram "Educação/Treinamento" no capital humano, "Clientes" no capital relacional, "Cultura Coorporativa" no capital estrutural. Referente aos menos evidenciados foram "Colaboração e Estabilidade / Baixa Rotatividade" no capital humano, "Acordos/Alianças" no capital relacional, "Filosofia Gerencial" no capital estrutural. Como contribuição teórica, o trabalho complementa os artigos acerca do tema Capital Intelectual, demonstrando que os relatórios de sustentabilidade aparentam ser uma ferramenta poderosa de evidenciação dos elementos do CI, além de evidenciar transparência, compromisso, geração de valor e valorização de marca para as empresas que o elaboram.

Biografia do Autor

Leonardo Fabris Lugoboni, Professor do mestrado em administração da Universidade Ibirapuera Professor do mestrado em administração do Centro Universitário Alves Faria

Doutor em Administração pela Universidade de São Paulo

Referências

Almeida, V.R & Jordão, R.V; 2017. Análise dos efeitos do capital intelectual na lucratividade das empresas brasileiras. Revista Universo Contábil, 13(4), 104-126.

Aramburu, N., & Sáenz, J. (2011). Structural capital, innovation capability, and size effect: an empirical study. Journal Of Management And Organization, 17(3), 307-325.

Aramburu, N., Sáenz, J., & Blanco, C. E. (2015). Capital estructural, capacidad de innovación, y rendimiento empresarial en empresas colombianas de base tecnológica. Management Letters/Cuadernos De Gestión, 15(1), 39-60.

Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (ABIA). ABIA divulga balanço do setor de alimentos e bebidas. Disponí­vel em: <https://www.abia.org.br/vsn/tmp_2.aspx?id=319> Acesso em 9/ abr. 2021.

Bacila, M. L., & Titu, M. A. (2018). Structural capital and organizational culture–an approach regarding the development of valuable intellectual capital. Review of General Management, 28(2), 66-74

Rojo, M. D. S. B., Peralta, V. P. P., & Romero, N. C. B. (2015). Capital estructural: análisis diagnóstico en grupos de investigación y desarrollo (i+ d) de Universidades Públicas de Colombia. Revista Universo Contábil, 11(3). 132-149.

Bratianu, C. (2018). Intellectual capital research and practice: 7 myths and one golden rule. Management & marketing, 13(2), 859-879.

Cisneros, I. M. A., Vela Reyna, J. B., & Rí­os Nequis, E. I. (2020). Capital intelectual, gestión del conocimiento y desempeño en universidades. Investigación administrativa, 49(126).

Da Silva Zanuzzi, C. M., Potrich, L. N., Mandelli, P. G. B., Selig, P. M., & Varvakis, G. (2020). Gestão do capital relacional na lógica dominante de serviço em empresas intensivas em conhecimento. Anais do Congresso Internacional de Conhecimento e Inovação–ciki, 1(1).

Eccles, R. G. & Krzus, M. P. (2011) Relatório Único: Divulgação integrada para uma estratégia sustentável. (1a ed.). São Paulo: Saint Paul.

Edvinsson, L. & Malone, M.S. (1998). Capital Intelectual. (1a ed.). São Paulo: Makron Books.

Fraga, B. D., Erpen, J. G., Varvakis, G., & Dos Santos, N. (2017). Business Intelligence: métodos e técnicas de gestão do conhecimento e as tendências para avanços do capital intelectual. Navus-revista de gestão e tecnologia, 7(1), 43-56.

Filho, J. B. O., Lopes, J. E. F., & Oliveira, M. F. (2014). O efeito da gestão do capital intelectual na vantagem competitiva: o caso de um grupo empresarial com atuação predominante em tecnologia. Revista gestão organizacional, 7(2), 89-101.

Faccin, K., Macke, J., & Genari, D. (2013). Mensuração do capital social nas redes colaborativas vitiviní­colas da serra gaúcha. Organizações & sociedade, 20(65), 303-325.

Gil. A. C. (2020) Metodologia do Ensino Superior. (5. ed.). São Paulo: Atlas

GRI Sustainability reporting standards. About sustainability reporting. Disponí­vel em: <https://www.globalreporting.org/information/sustainability-reporting/Pages/default.aspx> Acesso em 09/ abr. 2021.

Gutiérrez, S. O. (2020). Management of Organizational Structural Capital in Educational Institutions: Case of CUValles, Jalisco. RIDE. Revista Iberoamericana para la Investigación y el Desarrollo Educativo, 10(20).

Hussinki, H., Ritala, P., Vanhala, M., & Kianto, A. (2017). Intellectual capital, knowledge management practices and firm performance. Journal of intellectual capital. 18(4), 904-922.

Lugoboni, L. F., De Andrade, F. S., Zittei, M. V. M., & Pereira, R. X. (2017). Evidenciação do capital intelectual nos relatórios de sustentabilidade em empresas do setor bancário. Revista RAUNP, 10(1), 27-40.

De Macedo, í. F. P., Oliveira, A. M., Nobre, L. H. N., Brito, S. G., & Quandt, C. O. (2015). Governança corporativa e evidenciação de capital intelectual em empresas brasileiras. Revista evidenciação contábil & finanças, 3(1), 18-33.

Mazzioni, S., Di Domenico, D., & Zanin, A. (2010). A evidenciação da prática corporativa de ações de responsabilidade social com o uso do balanço social. Revista catarinense da ciência contábil, 9(27), 43-59.

Moura. G. D.; Fank, O. L. & Rausch. R. B. (2014) Evidenciação do capital intelectual pelas empresas do setor de telefonia fixa listadas na bolsa de valores, mercadorias e futuros – Bm&FBovespa. Revista de Administração da UNIMEP, 12(2), 4-19.

MUNCK. L. (2013) Gestão da sustentabilidade nas organizações: um novo agir frente í lógica. São Paulo: Cengage Learning.

Munck. L. & Souza, R. B. (2009). A relevância do ser humano no contexto de institucionalização e legitimação do paradigma da sustentabilidade. Revista de Gestão USP, 16(3), 1-14.

Navarro, J. L.A, López-Ruiz, V. R., & Peña, D. N. (2017). A new sustainability city index based on intellectual capital approach. Sustainability, 9(5), 860-873.

Nagano, M. S., Matheus, L. F., & Merlo, E. M. (2005). Análise da identificação e da gestão do capital intelectual nas usinas sucroalcooleiras. Read-revista eletrônica de administração, 11(4), 1-25.

Nikolovska, M. A., & Serafimovska, H. (2020). Protecting human capital in the covid era: review of educational sector in macedonia. Journal Of Sustainable Development, 10(25), 3-11.

Oliveira, L., Rodrigues, L. L., & Craig, R. (2010). Intellectual capital reporting in sustainability reports. Journal of intellectual capital. 11(4), 575-594.

Onofrei, G., Nguyen, H. M., Zhang, M., & Fynes, B. (2020). Building Supply Chain Relational Capital: The Impact Of Supplier And Customer Leveraging On Innovation Performance. Business Strategy And The Environment, 29(8), 3422-3434.

Ozdemir, O. (2020). Distributional effects of human capital in advanced economies: dynamics of economic globalization. Business and Economics Research Journal, 11(3), 591-607.

Papula. J; & Volná. J. (2012). A Content Analysis of Intellectual Capital Reporting within Slovak Companies. 4ª European Conference on Intellectual Capital, 363-370.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do Trabalho Cientifico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. (2a. ed.). Rio Grande do Sul: Feeval.

Gil. A. C.; (2020) Metodologia do Ensino Superior. (5. ed.). São Paulo: Atlas

Purohit, H., & Tandon, K. (2017). Intellectual capital efficiency of indian firms: an empirical analysis. Iup journal of knowledge management, 15(3), 44-65.

Pereira. N. S. P.; Pereira, C. A.; Monteiro, R. P. & Paixão Filho, J. M. P.(2015). Relatórios de sustentabilidade: ferramenta de interface no desempenho social, econômico e ambiental das organizações. Revista de Auditoria, Governança e Contabilidade, 3 (5), 55-70.

Reina, D., Miguel, J. J., Tasca, T. A., & Reina, D. R. M. (2011). Evidenciação do capital intelectual em empresas do setor de tecnologia da informação e do setor de telecomunicações listadas na BM&FBovespa nos anos de 2007 a 2009. Revista Enfoque: Reflexão Contábil, 30(1), 63-82.

Silva , M. L. R., Cabrita, M., Rodrigues, A. M.G., & Dueñas, M. P. M. (2018). Online disclosure of intellectual capital: an analysis of the iberian banks?. European accounting and management review, 4(2), 111-128.

Soebyakto, B. B., Agustina, M., & Mukhtaruddin, M. (2015). Analysis of Intellectual Capital Diclosure Practises: Empirical Study on Services Companies Listed on Indonesia Stock Exchange. Journal on Business Review, 4(1), 80-96.

Stewart, T.A. (1999). Capital Intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. (10a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Eccles, R. G. & Krzus, M. P. (2011) Relatório Único: Divulgação integrada para uma estratégia sustentável. (1a ed.). São Paulo: Saint Paul.

Stefano, N. M., Casarotto Filho, N., Freitas, M. D. C. D., & Martinez, M. A. T. (2014). Gestão de ativos intangí­veis: implicações e relações da gestão do conhecimento e capital intelectual. Perspectivas em gestão & conhecimento, 4(1), 22-37.

Szudrowicz, I. (2020). Research on the connection between relational capital and company performance. Prace Naukowe Uniwersytetu Ekonomicznego we Wrocławiu, 64(12), 124-143.

Verma, T., & Dhar, S. (2016). The impact of intellectual capital on organizational effectiveness: a comparative study of public and private sectors in India. Iup journal of knowledge management, 14(3), 7- 27.

Teixeira, M. L. M., & Popadiuk, S. (2003). Confiança e desenvolvimento de capital intelectual: o que os empregados esperam de seus lí­deres?. Revista de administração contemporânea, 7(2), 73-92.

Tinoco, J. E. P., Sell, I., De Lima, M. L. H., & Da Silva, T. P. (2007). Strategic accountancy of human resources: in the context of management of knowledge. Revista de negócios, 12(2), 34-55.

Wang, T., & Zatzick, C. D. (2019). Human capital acquisition and organizational innovation: A temporal perspective. Academy of Management Journal, 62(1), 99-116.

Xu, J., & Liu, F. (2021). Nexus between intellectual capital and financial performance: an investigation of Chinese manufacturing industry. Journal of Business Economics and Management, 22(1), 217-235.

Yang, Y. (2018). Do aggressive pro forma earnings-reporting firms have difficulty disclosing intellectual capital? Australian evidence. Journal of intellectual capital. 9(5), 875-896.

Vaz, C. R., Inomata, D. O., Viegas, C. V., Selig, P. M., & Rados, G. J. V. (2015). Capital intelectual: classificação, formas de mensuração e questionamento sobre usos futuros. Navus: revista de gestão e tecnologia, 5(2), 73-92.

Velayutham, A., & Rahman, A. R. (2018). The value of human capital within Canadian business schools. Journal of intellectual capital. 4(19), 836-855 .

Venson, A. B. S., FiateS, G. G. S., Dutra, A., Carneiro, M. L., & Martins, C. (2013). O recurso mais importante para as organizações são mesmo as pessoas? Uma análise da produção cientí­fica sobre qualidade de vida no trabalho (qvt). Revista de administração da universidade federal de santa maria, 6(1), 139-156.

Zonatto, V. C. D. S., Dallabona, L. F., Moura, G. D. D., Domingues, M. J. C. D. S., & Rausch, R. B. (2013). Evidências da relação entre qualificação docente e desempenho acadêmico: uma análise í luz da teoria do capital humano. Sociedade, contabilidade e gestão, 8(1), 6-25.

Downloads

Publicado

2024-05-18

Como Citar

LUGOBONI, L. F.; CASTRO JÚNIOR, C. L. D.; OLIVEIRA, M. D. M.; KLEIN, G. D. A. EVIDENCIAÇÃO DO CAPITAL INTELECTUAL NOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE DO SETOR ALIMENTÍCIO. Revista Metropolitana de Sustentabilidade (ISSN 2318-3233), São Paulo, v. 11, n. 3, 2024. Disponível em: https://revistaseletronicas.fmu.br/index.php/rms/article/view/2507. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos