Publicações em governança corporativa no Brasil

Francisco Eduardo Aoyama Nogueira

Resumo


A prática da Governança Corporativa no Brasil, ao contrário da realidade internacional, é ainda recente. Em virtude de tal prática ser relativamente restrita à (algumas) grandes empresas que disponham de um conselho diretivo que desempenhe esta função, não é de se estranhar que a literatura na área reflita tal deficiência. Este artigo tem o objetivo de observar estritamente o corpo de publicações nacionais a fim de retratar como o quadro se apresenta. Para tal, é realizada uma busca na base EBSCO, na qual são coletados todos os artigos com palavra chave de “governança corporativa” até o ano de 2016. O resultou da busca gerou um contingente de 121 artigos de variados temas. A partir disso, estes temas são alocados em 24 subgrupos por temas em comum que refletem tópicos relevantes dentro da literatura de governança corporativa. Esta divisão é apresentada em forma de crescente apresentando por exemplo transparência como o sendo o tema mais recorrente dentro da literatura nacional em Governança Corporativa e, curiosamente, temas como o de internacionalização ou Tecnologia da Informação, como sendo os mais escassos. Desta maneira, este estudo apresenta o estado da arte na literatura nacional em Governança Corporativa.


Palavras-chave


Governança corporativa; Artigo científico; Publicações nacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


Acedo, F. J.; Barroso, C.; Galan, J. L. The resource-based theory: dissemination and main trends. Strategic Management Journal, v. 27, p. 621-636, 2006. __________.; casillas, j. C. Current paradigms in the international management field: an author co-citation analysis. International Business Review, v. 14, p. 619-639, 2005

Barros, Joaquim dos Santos; et al . A Auditoria Interna das Empresas Listadas no Novo Mercado e nos Níveis 1 e 2 de Governança Corporativa da BOVESPA: Rio de Janeiro: ENANPAD, 2008.

Berghe, Van Den; Levrau, A. Evaluating boards of directors: what constitutes a good corporate board? Corporate Governance, v. 12, n. 4, p. 461-478, out. 2004

Black, B. S., Carvalho, A. G, Gorga, E. “What matters and for which firms for corporative governance in emerging markets? Evidence from Brazil (and other BRIK countries)”. Journal of Corporate Finance 18 (2012) 934 – 952.

Black, B. S., Carvalho, A. G, Sampaio, J. O. “The evolution of Corporate Governance in Brazil”. Emerging Markets Review 20 (2014) 176 – 195.

Borges, L. F. X., Serrão, C. F. B. “Aspectos de Governança Corporativa Moderna no Brasil”. Revista do BNDES, RJ, V. 12, N. 24, P. 111-148. 2005.

Camargos, M. A., Helal, D. H. “Remuneração Executiva, Desempenho Econômico-Financeiro e a Estrutura de Governança Corporativa de Empresas Brasileiras”. XXXI Encontro da ANPAD / RJ (2007).

CVM – Comissão de Valores Mobiliários. Recomendações da CVM sobre Governança

Corporativa. Junho de 2002. Disponível em: . Acesso em: 01 de fevereiro de 2017.

Debicki, B. J.; Matherne Iii, C.F.; Kellermanns, F.W.; Chrisman, J.J. Family Business Research in the New Millennium: An Overview of the Who, the Where, the What, and the Why. Family Business Review, Thousand Oaks, v. 22, n.2, p.151-166, jun. 2009. Disponível em . Acesso em: 08 de fevereiro de 2017.

Egghe, L. Zipfian and lotkaian continuous concentration theory. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 56, n. 9, p. 935-945, 2005.

IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. IBGC. (2009). Código das melhores práticas de governança corporativa. (4 ed.). São Paulo: IBGC.

Jensen, M.; Meckling, W. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, 1976.

Jensen, M.C. and Meckling, W.H. Theory of Firm: Managerial Behavior, Agency Costs and Capital Structure. Journal of Financial Economics, 3, 11-25, 1976.

Kitagawa, C. H.; Ribeiro, M. S. “Governança corporativa na América Latina: a relevância dos princípios da OCDE na integridade dos conselhos e autonomia dos conselheiros”. Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, v. 20, n. 51, p. 61-76, setembro/dezembro 2009

Leite, R.C. As técnicas modernas de gestão de empresas familiares. In: GRZYBOVSKI, D.; Tedesco, J.C. (Org.). Empresa familiar: tendências e racionalidades em conflitos. 3.ed. Passo Fundo: UPF, 2002. p. 167-198.

Melhores Práticas de Governança Corporativa. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo, 2004.

Monks, R. A. G.; Minow, N. Corporate governance. 3 ed. Oxford: Blackwell, 2004. OCDE. - Organização para A Cooperação e desenvolvimento Econômico - OECD principles of corporate governance. Paris: OECD, 1999. Disponível em Acessado em 14 maio de 2009.

Rabelo, F. M. “Coporate Governance in Brazil”. Journal of Business Ethics 37: 321-335, 2002.

Ribeiro, H. C. M., Costa, B. K., Ferreira, M. P., Carmona, V. C. “Mapeando os Temas Estratégia e Governança Corporativa: Uma análise dos últimos 23 anos de estudo nos periódicos internacionais da área de administração”. VI Encontro de Estudos em estratégia. Bento Gonçalves/RS. 2013.

Saito, R., Silveira, A. M. “Governança Corporativa: Custos de Agência e Estrutura de Propriedade. RAE (2008) Vol. 48, N.2.

Silva, E. Cordeiro. Governança Corporativa nas Empresas: guia prático de orientação para acionistas e conselho de administração. São Paulo: Atlas, 2006.

Valadares, S.M.; Leal, R.P.C. Ownership and control structure of Brazilian Companies. Abante, v.3, n.1, p. 29-56, out. 1999/abr. 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexadores: