MICROBIOLOGIA NO COTIDIANO: PROPOSTA DE ENSINO POR INVESTIGAÇÃO DE BAIXO CUSTO

Kercia Pinheiro Cruz, Gustavo Lima Nery, Amanda do Amor Divino Rebouças, Paula Rocha Dantas-Silva, Jaqueline Silva Cruz, Camila Gomes de Souza Andrade, Rifkath Marie Laurence Rahimy

Resumo


A microbiologia é o ramo da biologia responsável pelo estudo dos microrganismos, sendo a escola um espaço privilegiado para abordar o tema saúde e suas interfaces. O ensino das ciências nas escolas é um desafio decorrente da dificuldade em engajar os alunos e da ausência ou insuficiência de infraestrutura para realização de aulas práticas. As metodologias tradicionais, caracterizadas por serem centradas no professor, têm sido modificadas no que diz respeito à sua dinâmica, sendo substituídas por metodologias ativas de ensino, incluindo o ensino por investigação, que se destaca em pôr o aluno na função de construtor do conhecimento científico. O contato do estudante com metodologias ativas possibilita sua ação como agente comunicador na sociedade, podendo promover estratégias de prevenção de problemas em saúde pública. Assim, o presente trabalho propõe um modelo didático de ensino por investigação em microbiologia de baixo custo para estudantes de ensino médio.


Palavras-chave


Ensino por investigação; Microbiologia; Experimentos de baixo custo; Interdisciplinaridade.

Texto completo:

PDF

Referências


Althaus, M. T. M., & Bagio, V. A. (2017). As metodologias ativas e as aproximações entre o ensino e a aprendizagem na prática pedagógica universitária. Revista Docência Do Ensino Superior, 7(2), 79–96.

Arango, N., Chaves, M. E., & Feinsinger, P. (2009). Principios y práctica de la enseñanza de ecología en el patio de la escuela. Santiago: Instituto de Ecología y Biodiversidad–Fundación Senda Darwin.

Baptista, M. L. M. (2010). Concepção e implementação de actividades de investigação:um estudo com professores de física e química do ensino básico. Universidade de Lisbôa. Retrieved from http://hdl.handle.net/10451/1854

Bezerra, A. C., Magalhães, A. da S., Bordoni, C. V., Michiles, D. E. F., Aires, R. de S., Souza, P. R. B. de, & Santos, V. M. dos. (2015). Trabalhando com microbiologia no ambiente escolar. Anais Programa Ciência Na Escola, 3(1).

Bezerra, Z. F., Sena, F. A., & Dantas, O. M. dos S. (2010). Comunidade e escola: reflexões sobre uma integração necessária. Educar.

Borges, R. M. R., & Lima, V. M. do R. (2007). Tendências contemporâneas do ensino de Biologia no Brasil. Revista Electrónica de Enseñanza de Las Ciências, 6(1), 165–175.

Brasil. (2009). Saúde na escola. Retrieved from http://www.saude.gov.br/bvs

Brasil.(2007). Ministério da saúde. Decreto Nº6.286. 5 de dezembro, 2007.

Brasil, R. F. do. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio. Ministério da Educação Brasília.

Brito, L. S. de, Ribeiro, L. D. S., Oliveira Ulisses, L., Ortiz, M. F. A., & Whitaker, M. C. O. (2017). Experiência De Discentes De Enfermagem Em Metodologias Ativas Na Atividade De Ensino Docente. Revista Baiana de Enfermagem‏, 31(3), 1–8. https://doi.org/10.18471/rbe.v31i3.21715

Brock, T., Madigan, M., Martinho, J., & Parker, J. (2010). Microbiologia de Brock (12th ed.). Porto Alegre: Artmed.

Buss, P. M., & Pellegrini Filho, A. (2007). A saúde e seus determinantes sociais. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 17, 77–93.

Campos, G. W. de S. (2000). Saúde pública e saúde coletiva: campo e núcleo de saberes e práticas. Ciência & Saúde Coletiva, 5(2), 219–230. https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000200002

Carmo, B. B. T. do, Barroso, S. H. de A., & Albertin, M. R. (2010). Aprendizagem discente e estratégia docente: metodologias para maximizar o aprendizado no curso de engenharia de produção. Revista Produção Online, 10(4), 779–817. Retrieved from www.producaoonline.org.br

Ferreira, V. E. M., Bierhalz, C. D. K., Oliveira, L. E., & Bastos, A. L. (2017). Contribuições para a prática pedagógica da feira de ciências na perspectiva docente. Anais Do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 8(2).

Fourez, G. (2003). Crise no ensino de ciências? Investigações Em Ensino de Ciências, 8(2), 109–123.

Freire, P. (2014). Educação como prática da liberdade (26th ed.). Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Geraldi, A. M., & Scarpa, D. L. (2017). Análise da qualidade dos argumentos escritos construídos por estudantes do ensino fundamental em atividades investigativas de diferentes graus de abertura. Encontro de Ensino de Ciências Por Investigação.

Gois, D. V., & Bezerra, J. B. (2018). Metodologias ativas no ensino de geografia na educação básica. Anais Do I Colóquio Internacional de Educação Geográfica e Do IV Seminário Ensinar Geografia Na Contemporaneidade, 1(1), 151–163.

Goldschmidt, A. I., Júnior, J. L. G., Michelotti, A., Silva, V., & da Silva Loreto, E. L. (2013). Investigação das concepções sobre higiene e uso de metodologias alternativas. Amazônia: Revista de Educação Em Ciências e Matemáticas, 10(19), 94–105.

Gomes, M. P., Ribeiro, V. M., Monteiro, D. M., Leher, E. M. T., & Louzada, R. de C. R. (2010). O uso de metodologias ativas no ensino de graduação nas ciências sociais e da saúde: avaliação dos estudantes. Ciência & Educação (Bauru), 16(1), 181–198. https://doi.org/10.1590/S1516-73132010000100011

Guerra, A., Freitas, J., Cláudio, J., & Braga, M. A. (1998). A Interdisciplinaridade No Ensino Das Ciências a Partir De Uma Perspectiva Histórico-Filosófica. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 15(1), 32–46.

Herron, M. D. (1971). The nature of scientific enquiry. The School Review, 79(2), 171–212.

Krüger, L. M., & Ensslin, S. R. (2013). Método Tradicional e Método Construtivista de Ensino no Processo de Aprendizagem: uma investigação com os acadêmicos da disciplina Contabilidade III do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina. Organizações Em Contexto, 9(18), 219–270. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v9n18p219-270

Leitão, S., & Damianovic, M. C. (2011). Argumentação na escola: O conhecimento em construção. Campinas: Pontes.

Macedo, L. C. R., Santos, L. Q. dos, Ladeia, J. S., Carneiro, L. F., & Passos, K. F. (2012). Hipótese da higiene. Anais Da Mosrtra Científica Cultural, 1(3).

Manzoni-de-Almeida, D., & Trivelato, S. L. F. (2015). Elaboração de uma atividade de ensino por investigação sobre o desenvolvimento de linfócitos B. Atas X Encontro Nacional de Pesquisa Em Educação Em Ciências, 1–8.

Marin, M. J. S., Lima, E. F. G., Paviotti, A. B., Matsuyama, D. T., Silva, L. K. D. da, Gonzalez, C., … Ilias, M. (2010). Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das Metodologias Ativas de Aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, 34(1), 13–20. https://doi.org/10.1590/S0100-55022010000100003

Mitre, S. M., Siqueira-Batista, R., Girardi-de-Mendonça, J. M., Morais-Pinto, N. M. de, Meirelles, C. de A. B., Pinto-Porto, C., … Hoffmann, L. M. A. (2008). Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, 13(2), 2133–2144. Retrieved from https://scielosp.org/article/csc/2008.v13suppl2/2133-2144/pt/

Mizukami, M. da G. N. (1986). Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária São Paulo.

OMS. (2006). Constitution of the world health organization.

Paraná, S. D. E. D. E. Do. (2008). Diretrizes Curriculares da Educaçao Básica.

Santana, C. de A., Cunha, N. L., & Soares, A. K. A. (2012). Avaliação discente sobre a metodologia de ensino baseado em problemas na disciplina de Farmacologia. Revista Brasileira de Farmácia (RBF), 93(3), 337–340.

Santos, W. S. dos. (2011). Organização Curricular Baseada em Competência na Educação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, 35(1), 86–92. Retrieved from http://www.scielo.br/pdf/rbem/v35n1/a12v35n1.pdf

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio Pesquisa Em Educação Em Ciências (Belo Horizonte), 17(spe), 49–67.

Saviani, D. (2008). Escola e Democracia. Escola e Democracia (25th ed.). Cortez: Autores Associados. https://doi.org/10.1109/MWSYM.2010.5514695

Seixas, E. P. de A., Araújo, M. V. P. de, Brito, M. L. de A., & Fonseca, G. F. (2017). Dificuldades E Desafios Na Aplicação De Metodologias Ativas No Ensino De Turismo: Um Estudo Em Instituição De Ensino Superior. Turismo - Visão e Ação, 19(3), 566. https://doi.org/10.14210/rtva.v19n3.p566-588

Silva, C. M. da, Mertins, S., Santos, G. O. P. C. dos, Sorgetz, C. D., Robaina, J. V. L., Gallon, M. da S., & Montipó, A. M. (2013). A Importancia da Participação de Alunos do Ensino Fundamental em Feiras de Ciências. Encontro De Debates Sobre O Ensino De Química. Retrieved from https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/edeq/article/view/2591

Silva, F. S. S. da, Morais, L. J. O., & Cunha, I. P. R. (2011). Dificuldades dos professores de biologia em ministrar aulas práticas em escolas públicas e privadas do município de Imperatriz (MA). Revista UNI, Imperatriz, 1(1), 135–149.

Souza, L. E. P. F. de. (2014). Saúde pública ou Saúde Coletiva? Revista Espaço Para a Saúde, 15(4), 7–21.

Staink, D. R. (2013). A ciência da microbiologia. Santa Maria: Disciplina de Microbiologia Geral. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria.

Thiesen, J. da S. (2008). A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, 13(39), 545–554. https://doi.org/10.1590/S1413-24782008000300010

Tortora, G. J., Funke, B. R., & Case, C. L. (2012). Microbiologia (10th ed.). Porto Alegre: Artmed.

Zanon, S. R. T., & Pedrosa, A. T. (2014). Interdisciplinaridade e Educação. Cad. Do CNFL, 18(7), 134–145.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Kercia Pinheiro Cruz, Gustavo Lima Nery, Amanda do Amor Divino Rebouças, Paula Rocha Dantas-Silva, Jaqueline Silva Cruz, Camila Gomes de Souza Andrade, Rifkath Marie Laurence Rahimy

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexadores: Sumários.org | Diadorim | REDIB | LATINDEX