ENSINO POR INVESTIGAÇÃO EM IMUNOLOGIA: AS CÉLULAS DE DEFESA E SEUS MECANISMOS EFETORES FRENTE A DOENÇAS ESPECÍFICAS

Larissa Mendes Bomfim, Renan Fernandes do Espírito Santo, Helenita Costa Quadros, Cibele Tereza Deolinda Machado Orge, Rita Terezinha de Oliveira Carneiro, Carla Pires Magalhães, Filipe Rocha Lima

Resumo


Introdução:  O tipo de metodologia de ensino amplia as possibilidades dos alunos em reter o conteúdo. As metodologias ativas surgem como alternativa para os alunos participarem ativamente da construção do seu conhecimento, assim como, estimular as funções mentais de pensar, raciocinar, combinar, refletir, entender e observar. Objetivo: O trabalho objetiva propor uma atividade de investigação para a disciplina de imunologia, para estudantes de graduação, com a finalidade de discutir as funções das células imunológicas em doenças. Metodologia: O trabalho foi consolidado com a proposta de uma atividade fundamentada no ensino por investigação com o tópico resposta imunológica aos patógenos e os mecanismos efetores das células imunes nas doenças. Resultados: A aplicação do conteúdo sobre funções das células do sistema imune e seus mecanismos de mediação e resposta foi melhor assimilado quando utilizamos ferramentas de metodologia ativa, que nesse contexto está configurada na elaboração e excursão do jogo “Perfil Imunológico”.


Palavras-chave


Imunologia; Ensino; Doenças; Investigação; Perfil Imunológico.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAS, ABUL K. Imunologia básica: funções e distúrbios do sistema imunológico. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

ABBAS, ABUL K.; LICHTMAN, Andrew H.; PILLAI, Shiv.. Imunologia celular e molecular. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

ALMEIDA, E. G. BATISTA, N. A. Desempenho docente no contexto PBL: essência para aprendizagem e formação médica. Rev. bras. educ. med. v. 37, n. 2, p. 192-201, 2013.

BASÍLIO, J. C.; OLIVEIRA, V. L. Metodologias Ativas para o aprendizado em Ciências Naturais no Ensino Básico. os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE, v. 1, 2016.

BRITO, L.; FIREMAN, E. Ensino de ciências por investigação: uma estratégia pedagógica para promoção da alfabetização científica nos primeiros anos do ensino fundamental. Ens. Pesqui. Educ. Ciênc., v. 18, n. 1, 2016.

CAMPOS, Hisbello S. et al. Etiopatogenia da tuberculose e formas clínicas. Pulmão RJ, v. 15, n. 1, p. 29-35, 2006.

CAPONE, Domenico et al. Diagnóstico por imagem da tuberculose pulmonar. Pulmão RJ, v. 15, n. 3, p. 166-74, 2006.

CARVALHO, D. P. S. R. P. et al. Teoria da aprendizagem significativa como proposta para inovação no ensino de enfermagem: experiência dos estudantes. Rev Enferm UFSM [Internet]. v. 5, n. 1. 2015.

DIESEL, A. et al. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema. v. 14, n. 1, p. 268-88, 2017.

FARIAS, P. A. M. et al. Aprendizagem Ativa na Educação em Saúde: Percurso Histórico e Aplicações. Revista brasileira de educação médica. v. 39, n. 1, p. 143-158, 2015.

JOBIM, Mariana; JOBIM, Luiz FJ. Natural killer cells and immune surveillance. Jornal de pediatria, v. 84, n. 4, p. S58-S67, 2008.

KRAU, S. D. Creating educational objectives for patient education using the new Bloom’s Taxonomy. Nurs Clin North Am. v. 46, n. 3, p. 299-312, 2011.

LIMBERGER, J. B. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem para educação farmacêutica: um relato de experiência. Interface (Botucatu), v. 17, n. 47, p. 969-75, 2013.

MACEDO, K. D. S. et al. Metodologias ativas de aprendizagem: caminhos possíveis para inovação no ensino em saúde. Esc Anna Nery. v. 22, n. 3, 2018.

MAIA, E. R. et al. Validação de metodologias ativas de ensino-aprendizagem na promoção da saúde alimentar infantil. Rev Nutr. v. 25, n. 1, p. 79-88, 2012.

MANZONI-DE-ALMEIDA, D. As práticas epistêmicas na construção de uma atividade investigativa de Biologia para o ensino superior. Rev. Comp. Docência, v. 1, p. 29–42, 2016.

MARIN M. J. S et al. Aspectos das fortalezas e fragilidades no uso das metodologias ativas de aprendizagem. Rev Bras Educ Méd. v. 34, n. 1, p. 13-20, 2010.

MIRANDA, E.; TORRES, F. Uso de aulas práticas investigativas na consolidação da aprendizagem e vivência do método científico - uma abordagem sobre grupos sanguíneos do sistema ABO. Experiências em Ensino de Ciências, v. 13, n. 4, p. 323–338, 2018.

MORIN J. Mudando a educação com metodologias ativas. Formato E-Book. In: Souza CA, Morales OET, organizadores. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens (Mídias Contemporâneas, 2). Ponta Grossa: UEPG/PROEX; p. 15-33, 2015.

PEDROSA, I. L. et al. Uso de metodologias ativas na formação técnica do agente comunitário de saúde. Trab Educ Saúde. v. 9, n. 2, p. 319-32, 2011.

POZO, Juan; CRESPO, Miguel. A aprendizagem e o ensino de Ciências. Do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Porto Alegre: Artemed, 2009

SEGURA, E.; KALHIL, J. A metodologia ativa como proposta para o ensino de ciências. Revista do Programa de Doutorado da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, n. 3, 2015.

TAVARES, J. Plantas medicinais: Uso, orientações e precauções. 3. ed. Rio de Janeiro: Thieme Revinter, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Larissa Mendes Bomfim, Renan Fernandes do Espírito Santo, Helenita Costa Quadros, Cibele Tereza Deolinda Machado Orge, Rita Terezinha de Oliveira Carneiro, Carla Pires Magalhães, Filipe Rocha Lima

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexadores: Sumários.org | Diadorim | REDIB | LATINDEX