DESENVOLVIMENTO DE UM JOGO DE TABULEIRO COMO FERRAMENTA DE ENSINO POR INVESTIGAÇÃO EM PARASITOLOGIA PARA O ENSINO SUPERIOR

Priscila Correia Pinheiro de Matos, Thais Alves de Santana, Taise Cristina Santa Bárbara Silva Queiroz, Bruna Souza Santos Oliveira, Mateus Lima Nogueira, Laiana Arlego Barbosa, Girlaine Café Santos, Clarissa Cunha Santana

Resumo


As metodologias ativas incentivam os estudantes a não se aterem apenas ao conteúdo disponibilizado durante as aulas, estimulando-os assim, a buscarem as informações necessárias para construção do conhecimento sobre um dado tema.  A Parasitologia demonstra ser uma disciplina em que os estudantes apresentam dificuldades durante a aprendizagem, principalmente no que se refere ao ciclo dos parasitas. Sendo assim, o objetivo do trabalho foi desenvolver uma atividade que pudesse auxiliar os discentes a compreenderem e fixarem os conteúdos dessa disciplina de forma mais didática. A atividade compreende uma aula expositiva para definição de conceitos gerais, um jogo lúdico para testar o conhecimento dos estudantes e uma discussão ao final para estimular a argumentação e o senso crítico dos discentes. Após essa atividade de ensino por investigação, esperamos que os alunos consigam assimilar e compreender mais facilmente os conteúdos da Parasitologia, além de desenvolverem sua argumentação e crítica.      


Palavras-chave


Metodologias Ativas; Parasitologia; Jogo; Argumentação.

Texto completo:

PDF

Referências


BERBEL, N.A.N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas. 2011; 32: 25–40.

CAPRA, F. O ponto da mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. Cultrix: São Paulo; 2006.

CARVALHEIRO, J.R. Epidemias em escala mundial e no Brasil. Estudos avançados. 2008; 22: 7-17.

CHAGAS, W.E.C, et al. Renovando as aulas práticas de parasitologia. X Encontro de Iniciação à Docência. 2007.

CHINN, C.A. & MALHOTRA, B.A. Epistemologically Authentic Inquiry in Schools : A Theoretical Framework for Evaluating Inquiry Tasks. Science Education. 2002; 86: 175-218.

DA SILVA, A.M. Proposta para tornar o ensino de química mais atraente. Revista de química industrial. 2011; 731: 2.

DIAS, E.C., et al. Evasão no ensino superior: estudo dos fatores causadores da evasão no curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Montes Claros–Unimontes–MG. In CONGRESSO USP DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE, São Paulo, SP. 2010; 7.

FALKEMBACH, G.A.M. O lúdico e os jogos educacionais. CINTED-Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação, UFRGS. 2006.

FARIAS, P.A.M.; MARTIN, A.L.D.A.R. & CRISTO, C.S. Aprendizagem Ativa na Educação em Saúde: Percurso Histórico e Aplicações. Revista Brasileira de Educação Médica. 2014; 39: 143–150.

FORMIGLI, V.L., et al. Projeto Político-Pedagógico do curso de graduação em medicina da FMB/UFBA. Gazeta Médica da Bahia. 2010; 79: 3-47.

FREEMAN, S. et al. Active learning increases student performance in science, engineering, and mathematics. Proceedings of the National Academy of Sciences. 2014; 111 (23): 8410-8415.

GRÜBEL, J.M. & BEZ, M.R. Jogos educativos. Renote, 2006; 4.

GUISASOLA, J., et al. Propuesta de enseñanza en cursos introductorios de física en la universidad, basada en la investigación didáctica: siete años de experiencia y resultados. Enseñanza de las Ciencias. 2007; 25: 091-106.

HARGREAVES, A. O ensino na sociedade do conhecimento: a educação na era da insegurança. Porto: Porto Editora, 2003.

HOAT, L.N., et al. Perceptions of graduating students from eight medical schools in Vietnam on acquisition of key skills identified by teachers. BMC Medical Education. 2008; 8: 5.

HOTEZ, P.J. & FUJIWARA, R.T. Brazil's neglected tropical diseases: an overview and a report card. Microbes and infection. 2014; 16: 601-606.

KRATHWOHL, D.R. A revision of Bloom's taxonomy: An overview. Theory into practice. 2002; 41: 212-218.

LEÃO, D.M.M. Paradigmas contemporâneos de educação: escola tradicional e escola construtivista. Cadernos de pesquisa. 1999; 107: 187-206.

MIZUKAMI, M.D.G.N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária. 1986.

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. 2015; 2: 15-33.

MORATORI, P.B. Por que utilizar jogos educativos no processo de ensino aprendizagem. UFRJ. Rio de Janeiro. 2003.

ONOFRE, N.S.C. & ALBUQUERQUE, K.M. de. As metodologias ativas como estratégia de promoção de saúde no trabalho interdisciplinar com mulheres na atenção básica. Cientefico. Fortaleza. 2016; 16: 121-145.

PINTO, A.S.S., et al. O laboratório de metodologias inovadoras e sua pesquisa sobre o uso de metodologias ativas pelos cursos de licenciatura do UNISAL, Lorena: estendendo o conhecimento para além da sala de aula. Revista de Ciências da Educação. 2013; 2: 67-79.

PRAIA, J., et al. A hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para uma reorientação epistemológica. Ciência & Educação. 2002; 8: 253-262.

REMPEL, C. & DE SOUZA, C.D. O docente biólogo e a (des) organização das matrizes curriculares em cursos da área da saúde. Revista Caderno Pedagógico. 2013; 10: 61-78.

ROITMAN, I. Educação Científica. Brasília: RITLA. 2007; 27.

SASSERON, L.H. & DE CARVALHO, A.M.P. Construindo argumentação na sala de aula: a presença do ciclo argumentativo, os indicadores de alfabetização científica e o padrão de Toulmin. Ciência & Educação. 2011; 17: 97-114.

SMITH, K.A. Experimentação nas Aulas de Ciências. (1975). In: CARVALHO, A.M.P.; VANNUCCHI, A. I.; BARROS, M.A.; GONÇALVES, M. E. R. & REY, R.C. Ciências no Ensino Fundamental: O conhecimento físico.1. ed. São Paulo: Editora Scipione. 1998; 22-23.

SOLINO, A.P.; FERRAZ, A.T. & SASSERON, L.H. Ensino por investigação como abordagem didática: desenvolvimento de práticas científicas escolares. XXI Simpósio Nacional de Ensino de Física. 2015; 1-6.

TOSCANI, N.V. et al. Development and analysis of an educational game for children aiming prevention of parasitological diseases. Interface-Comunicação, Saúde, Educação. 2017; 11 (22): 281-294.

TRIVELATO, S.L.F. & TONIDANDEL, S.M.R. Ensino por investigação: eixos organizadores para sequências de ensino de biologia. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências. 2015; 17: 97-114.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Priscila Correia Pinheiro de Matos, Thais Alves de Santana, Taise Cristina Santa Bárbara Silva Queiroz, Bruna Souza Santos Oliveira, Mateus Lima Nogueira, Laiana Arlego Barbosa, Girlaine Café Santos, Clarissa Cunha Santana

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexadores: Sumários.org | Diadorim | REDIB | LATINDEX