Fatores Desencadeantes da Intolerância á Lactose: Metabolismo Enzimático, Diagnóstico e Tratamento

Bianca Cestari Zychar, Beatriz Araújo Oliveira

Resumo


O leite é um líquido rico em proteínas secretado pelas glândulas mamárias de fêmeas com grande importância, sobretudo para crianças. O Ministério da Saúde recomenda sua ingestão diária, já que, os laticínios são considerados fonte primária de cálcio, fundamental para manutenção das funções do organismo. O principal carboidrato presente no leite é a lactose, metabolizada no intestino através da enzima lactase em indivíduos saudáveis; em contrapartida a deficiência enzimática da lactase acarreta uma reação adversa chamada Intolerância á Lactose (IL), ocasionando dores abdominais, diarréia, vômitos, entre outros sintomas. A IL não é considerada uma alergia, pois não há ação do sistema imunológico. Desta forma o trabalho teve como objetivo descrever os fatores desencadeantes da IL, visto que se trata de uma reação adversa que atinge 70% da população mundial, bem como diagnóstico e tratamento. Para tanto foi realizada revisão da literatura a partir dos bancos de dados científicos, como Scielo, Lilacs, Google Acadêmico, Pubmed entre o período de 2004 até o momento. De acordo com os autores, a IL se manifesta por ineficiência metabólica na produção da lactase, por alteração na expressão gênica, especificamente à inibição do gene LCT, investigações sobre este mecanismo de alteração gênica e da prevalência de polimorfismos devem ser estudados, a fim de maiores esclarecimentos sobre esta patologia, para melhor diagnóstico e aplicação do tratamento adequado.


Palavras-chave


gene LCT; intolerância; lactase; lactose; leite.

Texto completo:

PDF

Referências


Coultrate TP. Alimentos: A química de seus componentes. 3 ed. Porto Alegre: Artmed; 2004. 368 p.

Gonçalves ECBDA. Análise de alimentos: Uma visão química da nutrição. 3 ed. São Paulo: Livraria Varela; 2006. 324 p.

Beneo Orafti. As Proteínas Lácteas [Internet]. São Paulo; [acesso em 2016 mar 26]. Disponível em: http://docentes.esalq.usp.br/luagallo/proteinas2.pdf.

Guyton AC, Hall JE. Tratado de Fisiologia Médica. 11 ed. Rio de Janeiro. Elsevier Editora Ltda: 2006. 1115 p.

Silva GL, Toloni MHA, Menezes RCE, Oliveira MAA, Taddei JAAC. Introdução De Refrigerantes E Sucos Industrializados Na Dieta De Lactentes Que Frequentam Creches Públicas. Revista Paulista de Pediatria. 2015; 33 (n. 1): 34-41.

Ministério da saúde. Ministério da Agricultura quer fomentar o consumo de leite [Internet]. São Paulo; 2015. [acesso em 2016 mar 26]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2015/03/ministerio-da-agricultura-quer-fomentar-o-consumo-de-leite.

Tombini H, Dallacosta MC, Bleil RAT, Roman JA. Consumo de leite de vaca e derivados entre agricultores da região oeste do Paraná [monografia]. Cáscavel: Faculdade de Assis Gurgacz; 2012.

Speridião PDGL, Morais MBD. Intolerância á lactose e alergia alimentar. In: Cuppari L. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar da EPM UNIFESP: Nutrição, 3 ed. Manole Ltda; 2014. 471-77.

Pereira MCS, Brumano LP, Kamiyama CM, Pereira JPF, Rodarte MP, Pinto MAO. Lácteos com baixo teor de lactose: Uma Necessidade Para Portadores De Má Digestão Da Lactose Em Um Nicho De Mercado. Rev Inst Latic “Cândido Tostes”. 2012; (n 389): 57-65.

Trevisan AP. Influência de diferentes concentrações de enzimas lactase e temperaturas sobre a hidrólise da lactose em leite pasteurizado. [dissertação]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2008.

Ferreira CP. Bioquímica Básica 2008. 8 ed. MNP Ltda: 2008. 469 p.

Gava AJ, Silva CAB, Frias JRG. Tecnologia de alimentos: Princípios e aplicações. Brasil Franchising Participações S.A: 2008. 511 p.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Perguntas e respostas sobre rotulagem de alimentos alergênicos: Gerência de avaliação de risco e eficácia para alegações. Gerência geral de alimentos [Internet]. Brasília; 2015. [acesso em 2016 mar 26]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/315044804917e391aef9bf05df47c43c/Perguntas+e+Respostas+sobre+Rotulagem+de+Alerg%C3%AAnicos.pdf?MOD=AJPERES

Gasparin FSR, Carvalho JMT, Araujo SC. Alergia A Proteína Do Leite De Vaca Versus A Intolerância Á Lactose: As diferenças e semelhanças. Revista Saúde e Pesquisa. 2010; 3 (n. 1): 107-114.

Medscape. Lactose Intolerance [Internet]. 2015. [acesso em 2016 mar 26]. Disponível em: http://emedicine.medscape.com/article/187249-overview#a5.

Mattar R, Mazo DFC. Intolerância Á Lactose: mudança de paradigmas com a biologia molecular. Revista da Associação Médica Brasileira. 2010; 56 (n. 2): 230-236.

Shils ME, Caballero B, Cousins RJ, Shike M, Ross AC. Nutrição Moderna: Na saúde e Na doença, 10 ed. São Paulo: Manole; 2009. 2222 p.

Friedrich DC. A diversidade do gene LCT e a persistência da intolerância á lactose na população brasileira. [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2013.

Arroyo MAS. Perspectivas para triagem genética da intolerância á lactose: Rastreamento do polimorfismo – 13910 C/T, no gene MCM6, em neonatos. [tese]. São José do Rio Preto: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto; 2010.

Fleury. Investigação e diagnóstico de intolerância á lactose [Internet]. 2013. [25/11/2014; acesso em 2016 jun 01]. Disponível em: http://www.fleury.com.br/medicos/educacao-medica/artigos/Pages/investigacao-e-diagnostico-de-intolerancia-a-lactose.aspx

Wolff CH, Segal F, Wolff F. Intolerância á Lactose [Internet]. 2016. [acesso em 2016 ago 25]. Disponível em: https://www.abcdasaude.com.br/gastroenterologia/intolerancia-a-lactose

Alka Tecnologia. Intolerância Lactose: Teste Rápido [Internet]. São Paulo; [acesso em 2016 ago 25] Disponível em: http://www.alka.com.br/site/hotsite/biohit/pdf/IntoleranciaLac.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Bianca Cestari Zychar

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 

Indexadores: Sumários.org | Diadorim | REDIB