SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM EMPRESAS DA CIDADE DE GARIBALDI – RS

Diego Erthal, Juliana Matte, Cassiane Chais, Daniel Hank Miri, Paula Patricia Ganzer, Pelayo Munhoz Olea

Resumo


O sistema de gestão ambiental é o controle dos impactos ambientais das atividades de uma empresa. As mudanças comportamentais da sociedade, novas tecnologias e a preocupação com o meio ambiente são algumas das explicações para a implantação ou implementação de sistemas de gestão ambiental, que, inicialmente, visavam apenas boas práticas operacionais das empresas. Portanto, o objetivo do artigo foi identificar as dificuldades e oportunidades que as empresas do segmento da indústria, comércio e serviços da cidade de Garibaldi, localizada na Serra Gaúcha, percebem em relação à habilitação de um sistema de gestão ambiental. Por isso, a pesquisa possui uma abordagem quantitativa, por meio da aplicação de um questionário direcionado a 215 empresas associadas à Câmara de Indústria e Comércio de Garibaldi (CIC), sendo 65 indústrias, 63 comércios e 87 serviços. Para a análise dos dados, utilizou-se a técnica da estatística descritiva. Entre os principais resultados obtidos, observou-se que 188 empresas possuem licença ambiental, ou seja, estas atuam com algum sistema ou modelo de gestão que indica e monitora os impactos ambientais causados por seus processos, produtos ou serviços. Constatou-se que os empreendedores procuram unir a conservação do meio ambiente com o crescimento econômico das suas organizações. E por fim, identificou-se que existem aquelas empresas que atendem o cumprimento dos parâmetros e requisitos exigidos, procurando focar-se em ações preventivas, e outras que, sem alterar o seu padrão tecnológico, procuram prevenir e reduzir os danos ambientais, bem como otimizar seus processos.


Palavras-chave


Sistema de Gestão ambiental. Sustentabilidade. Norma ambiental.

Referências


Anwar, S., Elagroudy, S., Razik, M. A., Gaber, A., Bong, C. P. C., & Ho, W. S. (2018). Optimization of solid waste management in rural villages of developing countries. Clean Technologies and Environmental Policy, 20(3), 489-502.

Basso, D., Patuzzi, F., Castello, D., Baratieri, M., Rada, E. C., Weiss-Hortala, E., & Fiori, L. (2016). Agro-industrial waste to solid biofuel through hydrothermal carbonization. Waste Management, 47, 114-121.

Beltramo, R., Duglio, S., & Cantore, P. (2016). SCATOL8®: A Remote Sensing Network for Risk Assessment in the Environmental Management System. Calitatea, 17(153), 64.

Biscotti, A. M., D’Amico, E., & Monge, F. (2018). Do environmental management systems affect the knowledge management process? The impact on the learning evolution and the relevance of organisational context. Journal of Knowledge Management, 22(3), 603-620.

Garibaldi. Prefeitura Municipal. Garibaldi, RS: 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2018.

Guo, Q., Wang, E., Nie, Y., & Shen, J. (2018). Profit or environment? A system dynamic model analysis of waste electrical and electronic equipment management system in China. Journal of Cleaner Production, 194, 34-42.

Instituto Ethos. Pesquisas sobre o instituto e indicadores. 2013. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2017.

Jain, V., & Khan, S. A. (2017). Application of AHP in reverse logistics service provider selection: a case study. International Journal of Business Innovation and Research, 12(1), 94-119.

Luchezzi, C. (2014). Logística reversa na construção civil. 160 f. 2014. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Materiais) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Materiais, Universidade Presbiteriana Mackenzie, Florianópolis.

Mahindroo, A., Samalia, H. V., & Verma, P. (2018). Moderated influence of return frequency and resource commitment on information systems and reverse logistics strategic performance. International Journal of Productivity and Performance Management, 67(3), 550-570.

Pacana, Andrzej; Lew, Grzegorz; Kulpa, Wincenty. Rating the quality of implementation of environmental management systems. Journal of Business and Retail Management Research, v. 11, n. 2, 2017.

Pacheco, E. D., Kubota, F. I., Yamakawa, E. K., Paladini, E. P., Campos, L. M., & Cauchick-Miguel, P. A. (2018). Reverse logistics: Improvements and benefits when shifting parts exchanging process in a household appliance organization. Benchmarking: An International Journal, (just-accepted), 00-00.

Panigrahi, S. K., Kar, F. W., Fen, T. A., Hoe, L. K., & Wong, M. (2018). A Strategic Initiative for Successful Reverse Logistics Management in Retail Industry. Global Business Review, 19(3_suppl), S151-S175.

Peršič, A., Markič, M., & Peršič, M. (2018). The impact of socially responsible management standards on the business success of an organisation. Total Quality Management & Business Excellence, 29(1-2), 225-237.

Richardson, Roberto Jarry. (2017). Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 4 ed. Editora ATLAS: São Paulo.

Rio Grande Do Sul. Conselho Estadual de Meio Ambiente – CONSEMA. Resolução nº 005, de 19 de Agosto de 1998. Dispõe sobre os critérios para o exercício da Competência do Licenciamento Ambiental Municipal, no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS.

Rio Grande Do Sul. Conselho Estadual de Meio Ambiente – CONSEMA. Resolução nº 372, de 02 de Março de 2018. Atualiza e define as tipologias, que causam ou que possam causar impacto de âmbito local, para o exercício da competência Municipal para o licenciamento ambiental, no Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS.

Rodrigues, S. E. (2016). Análise contextualizada da percepção do empreendedor industrial sobre o licenciamento ambiental em Minas Gerais. 79 f. 2016. Dissertação (Mestrado em Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental – Área de Concentração: Ambientometria) – Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lúcio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa. 3.ed. São Paulo: Mcgraw-hill.

Santos, G., Rebelo, M., Lopes, N., Alves, M. R., & Silva, R. (2016). Implementing and certifying ISO 14001 in Portugal: motives, difficulties and benefits after ISO 9001 certification. Total Quality Management & Business Excellence, 27(11-12), 1211-1223.

Sharma, V. K., Chandna, P., & Bhardwaj, A. (2017). Green supply chain management related performance indicators in agro industry: A review. Journal of cleaner production, 141, 1194-1208.

Souza, D. F. M. D. (2017). Avaliação econômica e ambiental do coprocessamento em fornos de clínquer.

Turcu, V. A. (2017). The Opportunity to evaluate Performance Indicators when implementing the Quality Management System within Reverse Logistics Organizational Activities. Quality-Access to Success, 18(158).

Valle, C. E. (2012). Qualidade ambiental: ISO 14000. 12.ed. São Paulo: Senac São Paulo.

Yang, F., & Zhang, X. (2017). Analysis of the barriers in implementing environmental management system by interpretive structural modeling approach. Management Research Review, 40(12), 1316-1335.

Zerboni, E. F. V. (2016). Logística reversa: uma ferramenta estratégica de sustentabilidade econômica. 92 f. 2016. Dissertação (Mestrado em Gestão e Desenvolvimento Regional) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade de Taubaté, Taubaté, 2016.

Zhang, Jing; Shen, Mengru; Liu, Xiao-Ping. (2018). Optimization of Reverse Logistics System Based on Perception Perspective. Journal Of Advanced Oxidation Technologies, 21 (2).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015