SUSTENTABILIDADE NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA

Autores

  • Rafael Felix da Silva Universidade Federal do Paraná

Palavras-chave:

Desenvolvimento sustentável. Gestão organizacional. Produção acadêmica.

Resumo

A sustentabilidade empresarial suportada pelos pilares- econômico, social e ambiental- representa a evolução de um processo de quebra de paradigmas em que o foco da gestão organizacional se desloca de uma visão unidimensional pautada, exclusivamente, na obtenção de lucro, para uma perspectiva que também contemple, nos processos decisórios, aspectos sociais e ecológicos. Esta concepção se firmou como uma abordagem estratégica e uma forma inovadora de promover o desenvolvimento sustentável. Portanto, o objetivo deste artigo consiste em investigar como as publicações em periódicos nacionais e internacionais abordam o relacionamento entre sustentabilidade empresarial e processo de tomada de decisão no perí­odo compreendido entre 2008 e 2017. Para tanto, foi empreendido um estudo exploratório apoiado em Revisão Bibliográfica Sistemática (RBS) cujo procedimento de busca e análise ocorreu em quatro bases de dados (Portal Capes Periódicos, Scopus, Science Direct e Scielo), utilizando-se como referência o roteiro RBS Roadmap. Assim, este estudo procura esclarecer aspectos relativos à forma com que a temática tem sido pesquisada, bem como fornecer análises que contribuam para o atingimento dos objetivos propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU) no documento "Transformando o nosso mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável". É possí­vel concluir que há trabalhos cientí­ficos que relacionam sustentabilidade empresarial à tomada de decisão. E que essa temática vem ganhando maior visibilidade no campo acadêmico nos últimos anos. O conceito de desenvolvimento sustentável proposto pelas Nações Unidas preconiza três dimensões de sustentabilidade, mas, nos estudos investigados, predominou-se a dimensão ambiental.

Biografia do Autor

Rafael Felix da Silva, Universidade Federal do Paraná

Mestrando na Universidade Federal do Paraná no Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação. Graduado em Ciências Contábeis e especialista em Administração Pública pela Universidade Estadual do Norte do Paraná.

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; ed. 70, LDA, 2009.

BERETON et al. Lessons from Applying the Sistematic Literature Review Process with in the

Software Engineering Domain. The Journal of System and Software. v. 80, p.571-583, 2007.

CHRISTEN, M.; SCHMIDT, S. A formal framework for conceptions of Sustainability: Atheoretical contribution to the discourse in sustainable development. Sustain. Dev. v. 20, p. 400–410. 2011.

CIEGIS, R.; RAMANAUSKIENE, J.MARTINKUS, B. The concept of sustainable development and it suse for sustainability scenarios. Inzinerine Ekonomika-Engineering Economics, 2009.

CINTRA, Y. C.; CARTER, D. Internalising sustainability: reflections on management control in Brazil. Int. J. Strat. Manag. n. 12, v. 2, p. 108-125. 2012.

CLIFTON, D.; AMRAN, A. The stakeholder approach: A sustainability perspective. Journal

Of Business Ethics, v. 98, p. 121–136. 2011.

COMISSíO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1988.

CONFORTO, E. C.; AMARAL, D. C.; DA SILVA,S. L. Roteiro para revisão bibliográï¬ca sistemática: aplicação no desenvolvimento de produtos e gerenciamento de projetos. VIII Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produto. Porto Alegre, 2011.

ELKINGTON, J. Canibais com Garfo e Faca. 1. ed. São Paulo: Makron Books, 2001.

FEIL, A. A.; STRASBURG, V. J.; NAIME, R. H. Análise sobre as normas e dos indicadores de sustentabilidade e a sua integração para gestão corporativa. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 3, n. 2, p. 21-36, 2013.

FOLKE, C.et al. Resilience and sustainable development: Building adaptive capacity in a world of transformations. Ambio. n. 3, v. 5, p. 437–440. 2002.

GOLDMAN, B. R. L. et al. Water funds and payments for ecosystem services: Practice learns from theory and theory can learn from practice. Oryx, v. 46, n. 1, p. 55–63, 2012.

GUERRY et al. Natural capital informing decisions: from promise to practice. PNAS. v. 112, n. 24, p. 7348-7355, jun. 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA (IBGC). Código das melhores práticas de governança corporativa. 5. ed. São Paulo, 2018.

INTERGOVERNMETAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Climate Change, 2014: Impacts, Adaptation, and Vulnerability. Working Group II Contribution to the IPCC 5th Assessment Report (IPCC). 2014. Disponí­vel em: <http://www.ipcc.ch/report/ar5/wg2/>. Acesso12. Nov. 2018.

INTERGOVERNMENTAL PLATFORM ON BIODIVERSITY AND ECOSYSTEN SERVICES (IPBES). Catalogue of Assessments on Biodiversity and Ecosystem Services. 2012. Disponí­vel em <http://catalog.ipbes.net>. Acesso: 15/11/2018.

JAMALI, D. Insights into triple bottom line integration from a learning organizacion al pesrpective. Bus. Process Manag. v. 12, n. 6, p. 809-821. 2006.

KITCHENHAM, B. Procedures for performing systematic reviews. Keele University Technical Report Disponí­vel em: <http://people.ucalgary.ca/medlibr/kitchenham_2004.pdf>, Jul, 2004. Acesso em 25/11/2018.

LEMOS, I. S. Proposta de metodologia para classificação de destinos turí­sticos tí­picos segundo os princí­pios de sustentabilidade por meio de análise multicritério. Tese: Pontifí­cia Universidade Católica do Paraná, Curitiba. 2010.

MADDISON, A.Essays in Macro-Economic History. Contours of the World Economy.Oxford, p. 1–2030. 2007.

MAIA, A. G.; PIRES, P. S. Uma compreensão da sustentabilidade por meio dos ní­veis de complexidade das decisões organizacionais. RAM, REV. ADM. MACKENZIE. São Paulo, v. 12, n.3, p. 177-206, Mai/Jun. 2011.

MARTíNEZ, A. A. H.; BRINGAS, I. C. T. Sustentabilidad y economí­a: La controversia de la Valoración ambiental. Socieda y Territorio. Distrito Federal, México, v. 14, n. 46, p. 743-767, 2014.

MUNDA, G. Social multi-criteteria evaluation for urban sustainability policies. Land Use Policy. n.23, v. 1, p. 86-94, 2006.

NATIONAL CLIMATE ASSESSMENT. US Global Change Research Program. Washington, DC, 2014.

NATIONAL ECOSYSTEM ASSESSMENT. The UK National Ecosystem Assessment: Synthesis of the Key Findings. UNEP. Cambridge, 2011.

PASSETI, E.; CINQUINI, L.; MARELI, A., TENUCCI, A. Sustainability accounting in action: Lights and shadows in the Italian context. The British Accounting Review. P. 295-308, 2014.

PETERSON, J.; BLOMBERG, E. Decision-making in the European Union; Macmillan Press: Houndmills, UK, 1999.

PETRINI, M. Incorporando a gestão da sustentabilidade aos sistemas de inteligência de negócio. Tese (Escola de Administração de Empresas)- Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2006.

RAATZSCH, R. On the notion of sustainability.Inquiry: An Interdisciplinary Journal of Philosophy, v. 55, n. 4, p. 361–385, 2012.

RAYNARD, P.; FORSTARTER, M. Corporate Social Responsibility: Implications for Smalland Medium Enterprises in Developing Countries. United Nations Industrial Development Organization, Viena, 2002.

REVISTA DE ADIMITRAÇíO DA MACKENZIE: DISPONíVEL EM:http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/RAM>. Acesso em 28/11/2018.

RISK BUSINESS PROJERCT. The Economic Risks of Climate Change in the United States. Available at risky business. 2014. Disponí­vel em: .Acesso em 10 nov. 2018.

SCHALTEGGER, S.; BECKMANN, M.; HANSEN, E. G. Corporate sustainability meets transdisciplinarity. Bus. Strat. Environ. v. 22, p. 217-218, 2013.

SCHULTZ, L. FOLKE, C. ÖSTERBLOM, H, Olsson P. Adaptive governance, ecosystem management, and natural capital. Proc Natl Acad Sci. v.112, p. 7369–7374. 2015.

SEN, A.The ends and means of sustainability. Journal of Human Development and Capabilities: A Multi-Disciplinary Journal for People-Centered Development, v. 14,n.1, p. 6–20. 2011.

STEFFEN, W. et al. Sustainability. Planetary boundaries: Guiding human development on achanging planet. Science, n. 347, v. 6.223, 2015.

TRANFIELD, D.; DENYER, D.; SMART, P. Towards a methodology for developing evidence-informed management knowledge by means of systematic review. British Journal of Management, v. 14, n. 3, p. 207–222. Set, 2003.

WHITEMAN, G.; WALKER, B. PEREGO, P; Planetary boundaries: ecological foundationsfor corporate sustainability. Journal of Management Studies, v. 50, n. 2, p. 307-336. Malden, 2013.

Downloads

Publicado

2024-05-18

Como Citar

SILVA, R. F. da. SUSTENTABILIDADE NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA. Revista Metropolitana de Sustentabilidade (ISSN 2318-3233), São Paulo, v. 11, n. 3, 2024. Disponível em: https://revistaseletronicas.fmu.br/index.php/rms/article/view/2031. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos