GESTÃO E SUSTENTABILIDADE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL

Autores

  • Bruna de Vargas Bianchim Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Vânia Medianeira Flores Costa Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Rita de Cássia Trindade dos Santos
  • Damiana Machado de Almeida

Palavras-chave:

Terceiro Setor, Gestão, Sustentabilidade.

Resumo

O objetivo do presente estudo consiste em analisar as práticas de gestão de uma organização não governamental de assistência social a partir dos enfoques gerencial e sistêmico da sustentabilidade. A organização objeto deste estudo não possui fins lucrativos e, portanto, apresenta caracterí­sticas de gestão diferenciadas. Entendendo a complexidade da gestão neste cenário, optou-se por elaborar um diagnóstico que englobasse questões especificas do seu gerenciamento. Os resultados obtidos permitiram a identificação dos pontos fortes, das oportunidades de melhoria e dos pontos fracos relativos à gestão do caso estudado. As principais limitações da ONG encontram-se nas dimensões: gestão estratégica, de pessoas, de impactos, capacidade de accountability e sistema legal.

Biografia do Autor

Bruna de Vargas Bianchim, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Santa Maria (PPGA/UFSM). Bacharela em Administração (UFSM).

Vânia Medianeira Flores Costa, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Doutora em Administração (UFBA). Professora Associada do Departamento de Ciências Administrativas da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Rita de Cássia Trindade dos Santos

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federalem Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Bacharela e Licenciada em Administração pela UFSM.

Damiana Machado de Almeida

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Especialista (MBA) em Gestão de Negócios e em Educação Infantil pela UNIFRA, graduada em Educação Especial pela UFSM e Bacharela em Administração pela Faculdade Metodista de Santa Maria (FAMES).

Referências

Albuquerque, A. C. (2006). Terceiro setor: história e gestão de organizações. São Paulo: Summus.

Alcântara, L.C.S.; Sandim, M.; Lima, T. H. S. (2012). Diagnóstico das organizações - elaboração de projetos e processos de intervenção administrativa. Anais do Congresso Virtual Brasileiro de Administração - CONVIBRA, SP, Brasil, 9.

Alves Júnior, M. D. (2008). Sustentabilidade na gestão de organizações do terceiro setor – um estudo dos empreendimentos sociais apoiados pela Ashoka. Dissertação de mestrado, Universidade de Fortaleza – Unifor, Fundação Edson Queiroz, Fortaleza, CE, Brasil.

Armani, D. (2001). O desenvolvimento Institucional como condição de sustentabilidade das ONG no Brasil. In: Câmara, C. (Org.) Aids e Sustentabilidade: sobre as ações das Organizações da Sociedade Civil. Brasí­lia: Ministério da Saúde, p.17-34.

Bardin, L. (1994). Análise de conteúdo. 3ª ed. Lisboa: edições 70.

Bissell, B. L.; Keim, J. (2008). Organizational diagnosis: the role of contagion groups. International Jornal of Organizational Analysis. v. 16, n. 1, p. 7-17.

Carneiro, A. F.; Oliveira, D. L.; Torres, L.C. (2011). Accountability e prestação de contas das organizações do terceiro setor: uma abordagem í relevância da contabilidade. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, jul/dez.

Carvalho, D. N. (2006). Gestão e sustentabilidade: um estudo multicasos em ONGs ambientalistas em Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Cazzolato, N. K. As dificuldades de gestão das organizações não governamentais. (2009). Revista da Faculdade de Administração Economia. v. 1, n.1, p. 66-81.

Cruz, R. N. (2009). Análise da motivação dos empreendedores no novo paradigma do século 21: um estudo de caso com empreendedores do primeiro, segundo e terceiro setor de Brasí­lia. Dissertação de Mestrado, São Paulo, Brasil.

Dees, J. G. (2008). Philanthropy and enterprise: Harnessing the power of business and social entrepreneurship for development - Innovations: Technology, Governance,Globalization. MIT Press, v.11, n.5.

Drucker, P. (2002). Administração de organizações sem fins lucrativos: princí­pios e práticas. 5. ed. São Paulo: Pioneira.

Elkington, J. (2012). Sustentabilidade, canibais com garfo e faca. São Paulo: M. Books do Brasil Ltda.

Falconer, A. P. (1999). A promessa do terceiro setor: um estudo sobre a construção do papel das organizações sem fins lucrativos e do seu campo de gestão, 1999. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, Faculdade Economia, Administração e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil.

Fernandes, R. C. (1997). O que é o terceiro setor. In: 3º Setor - desenvolvimento social sustentado. Rio de Janeiro: GIFE, Paz e Terra.

Fischer, R. M. (2004). Gestão de pessoas nas organizações do terceiro setor. In: Voltolini, R. (org). Terceiro setor: planejamento e gestão. p.77-101. São Paulo: SENAC.

Garay, S. M. (2011). A gestão de pessoas em organizações sem fins lucrativos: principais dilemas e desafios. Anais do Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 8.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisas. 4ª Ed. São Paulo: atlas.

Gimenes, H. C. (2012). Modelo de gestão estratégica em ONG de pequeno porte: caso da ONG hospitalhaços. Dissertação de mestrado, Faculdade Campo Limpo Paulista, Faccamp, SP, Brasil.

Gomes, J. F. (2004). A terceira competência: um convite í revisão do seu modelo de gestão. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Gressler, L. A. (2004). Introdução í pesquisa: projetos e relatórios. 2ª ed., São Paulo: Loyola.

Guimarães, I. P.; Pinho, L. de A.; Leal, R. S. (2010). Profissionalização da gestão organizacional no terceiro setor: um estudo de caso na Fundação Instituto Feminino da Bahia. Contabilidade, Gestão e Governança. Brasí­lia. v. 13, n. 3, p. 132-148.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatí­stica. (2010). Fundações privadas e as associações sem fins lucrativos no Brasil.. Recuperado em 11 de set., 2016, de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/fasfil.

Iizuka, E. S.; Sano, H. (2004). O Terceiro Setor e a Produção Acadêmica. Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 28.

Masulo, D. G. (2004). Condicionantes da divulgação de informações sobre responsabilidade ambiental nas grandes empresas brasileiras de capital aberto: internacionalização e setor de atuação. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto COPPEAD de Administração, RJ, Brasil.

Moreno Junior, O. L. (2014). Gestão do voluntariado em organizações não governamentais uma aplicação do método de estudo de caso na ONG amigos do bem. Dissertação de mestrado, Faculdade Campo Limpo Paulista- FACCAMP, Campo Limpo, SP, Brasil.

Muraro, P.; Lima, J. E. S. (2003). Terceiro setor, qualidade ética e riqueza das organizações. FAE, Curitiba, v.6, n.1, p.79-88.

Puente-Palacios, K.; Peixoto, A. L. A. (2015). Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho: um olhar a partir da psicologia. In: PUENTE-PALACIOS, K.; PEIXOTO, A. de L. A. (Orgs.), Uso de ferramentas de diagnóstico de gestão. Porto Alegre: Artmed.

Rodrigues, M. C. P. (1998). Demandas sociais versus crise de financiamento: o papeldo terceiro setor no Brasil. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, FGV, v. 32, n. 5, p. 25-67, Set./Out.

Salamon, L. (2012). The state of mon profit america. New York, Bookingsinstitute.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio, M. P. B. (2013). Metodologia de pesquisa.5 ed. Porto Alegre: Penso.

Silva, C. G. (2010). Management, legislation and funding sources in the Brazilian third sector: a historical perspective.São Paulo. Ilus..

Silva, F.M. (2008). O terceiro setor e o desafio da sustentabilidade: aspectos polí­ticos, técnicos econômicos e sociais. 2008. Dissertação de mestrado, Universidade federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Silva, M. E.; Costa, A. C. V.; Gómez, C. R. P. (2011). Sustentabilidade no terceiro setor: o desafio de harmonizar as dimensões da sustentabilidade em uma ONG. Reuna, Belo Horizonte, v.16, n.3, p. 75- 92, Jul./Set.

Souza, F. A. de.; Souza, B. C. (2011). Análise de desempenho em ONGs: propondo um modelo adaptado. RESAC- Revista de Administração e Contemporaneidade. v.1, n.1, p. 21-32, set.

Tachizawa, T. (2014). Organizações não governamentais e terceiro setor: criação de

ONGs e estratégias de atuação. 6 ed. São Paulo: Atlas.

Teixeira, R. F. (2004). Discutindo o terceiro setor sob o enfoque de concepções tradicionais e inovadoras de administração. Cadernos de Pesquisa em Administração, v.11, n.1, p.1-15. São Paulo: EAD, FEAUSP. jan/mar.

Tenório, F. (2002). Gestão de ONGs- principais funções gerenciais. 6ª ed. Rio de Janeiro: FGV.

Tondolo, R. Da R. P. (2014). Desenvolvimento de capital social organizacional em um projeto interorganizacional no terceiro setor. Tese de doutorado. Universidade do Vale do rio dos sinos, São Leopoldo, RS, Brasil.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

2024-05-18

Como Citar

BIANCHIM, B. de V.; FLORES COSTA, V. M.; TRINDADE DOS SANTOS, R. de C.; MACHADO DE ALMEIDA, D. GESTÃO E SUSTENTABILIDADE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE UMA ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL. Revista Metropolitana de Sustentabilidade (ISSN 2318-3233), São Paulo, v. 11, n. 3, 2024. Disponível em: https://revistaseletronicas.fmu.br/index.php/rms/article/view/1841. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos