SANEAMENTO E SAÚDE PÚBLICA: ANÁLISE DAS RELAÇÕES ENTRE INDICADORES NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

José Ronaldo Oliveira Lima, Érica Luana Nunes dos Santos, Jássio Pereira de Medeiros

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo analisar a relação entre condições de saneamento (abastecimento de água, esgotamento sanitário e coleta de lixo) e indicadores de saúde pública (taxa de mortalidade infantil e óbitos por doença diarreica aguda em menores de 5 anos de idade) no Rio Grande do Norte, com base em dados disponibilizados pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) e pelo Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (Snis). Através de análises descritivas e de correlação pôde-se observar a afinidade entre as variáveis, de maneira que foi possível constatar que existe uma relação inversamente proporcional entre os indicadores de saneamento básico e os indicadores de mortalidade infantil, e que as melhorias dos indicadores de saneamento foram precedidas pela atualização, ou aprovação, de políticas públicas voltadas para a área.

Palavras-chave


Saneamento básico; Saúde Pública; Rio Grande do Norte.

Texto completo:

PDF

Referências


BRISCOE, J., FEACHEM, R. G., & RAHAMAN, M. M. (1986) EVALUATING HEALTH IMPACT, WATER SUPPLY, SANITATIONAND HYGIENE EDUCATION. OTTAWA: INTERNATIONAL DEVELOPMENT RESEARCH CENTER.

BRISCOE, J. (1987) ABASTECIMIENTO DE AGUA Y SERVICIOS DE SANEAMIENTO; SU FUNCION EN LA REVOLUCION DE LA SUPERVIVENCIA INFANTIL. BOLETIN DE LA OFICINA SANITARIA PANAMERICANA, 103 (4), 325-339.

CVJETANOVIC, B. (1986) HEALTH EFFECTS AND IMPACT OF WATER SUPPLY AND SANITATION. WORLD HEALTH STATISTICS QUARTERLY, 39,105-117.

DANIEL, L. A., BRANDÃO, C. S. S., GUIMARÃES, J. R., LIBÂNIO, M., & DE LUCA, S. (2001) PROCESSOS DE DESINFECÇÃO E DESINFETANTES ALTERNATIVOS NA PRODUÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL. RIO DE JANEIRO: RIMA, ABES.

FIGUEIREDO FILHO, D. B., & SILVA JUNIOR, J. A. (2010). DESVENDANDO OS MISTÉRIOS DO COEFICIENTE DE CORRELAÇÃO DE PEARSON (R). REVISTA POLÍTICA HOJE, 18(1).

FRIAS, P. G., PEREIRA, P. M. H., & GIUGLIANI, E. R. J. (2009) POLÍTICAS DE SAÚDE DIRECIONADAS ÀS CRIANÇAS BRASILEIRAS: BREVE HISTÓRICO COM ENFOQUE NA OFERTA DE SERVIÇOS A PARTIR DE TRAÇADORES. IN: BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SAÚDE BRASIL 2008. BRASÍLIA.

GIL, A. C. (1999). MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA SOCIAL: ED. ATLAS, SÃO PAULO.

HELLER, L. (1998) RELAÇÃO ENTRE SAÚDE E SANEAMENTO NA PERSPECTIVA DO DESENVOLVIMENTO. CIÊNCIA & SAÚDE COLETIVA, 3(2), 73-84.

HELLER, L., & CASTRO, J, E. (2007). POLÍTICA PÚBLICA DE SANEAMENTO: APONTAMENTOS TEÓRICOCONCEITUAIS. ARTIGO TÉCNICO, MINAS GERAIS, 12 (3), 284-295.

HELLER, L., COLOSIMO, E. A., & ANTUNES, C. M. DE F. (2003) EVIRONMENTAL SANITATION CONDITIONS AND HEALTH IMPACT: A CASE-CONTROL STUDY. REVISTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICAL, 36(1), 41-50.

HOLCMAN, M. M., LATORRE, M. R. D. O., & SANTOS, J. L. F. (2004) EVOLUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO, 1980-2000. REVISTA DE SAÚDE PÚBLICA, 38(2), 180-186.

LAKATOS, E. M., & MARCONI, M. A. (1991). FUNDAMENTOS DE METODOLOGIA CIENTÍFICA. SÃO PAULO: ATLAS.

LANSKY, S., FRICHE, A. A. L., SILVA, A. A. M., CAMPOS, D., BITTENCOURT, S. D. A., CARVALHO, M. L., FRIAS, P. G., CAVALCANTE, R. S., & CUNHA, A. J. L. A. (2014) PESQUISA NASCER NO BRASIL: PERFIL DA MORTALIDADE NEONATAL E AVALIAÇÃO DA ASSISTÊNCIA À GESTANTE E AO RECÉM-NASCIDO. CADERNOS DE SAÚDE PÚBLICA, 30(SUPPL.1), 192-207.

LEI N. 11.445, DE 5 DE JANEIRO DE 2007 (2007). DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES NACIONAIS PARA O SANEAMENTO BÁSICO E PARA A POLÍTICA FEDERAL DE SANEAMENTO BÁSICO. BRASÍLIA, DF. RECUPERADO EM 27 JUNHO, 2016, DE HTTP://WWW.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL_03/_ATO2007-2010/2007/LEI/11445.HTM.

LEI N. 9.433, DE 08 DE JANEIRO DE 1997 (1997). INSTITUI A POLÍTICA NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS, CRIA O SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS, REGULAMENTA O INCISO XIX DO ART. 21 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, E ALTERA O ART. 1º DA LEI Nº 8.001, DE 13 DE MARÇO DE 1990, QUE MODIFICOU A LEI Nº 7.990, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1989. BRASÍLIA, DF. RECUPERADO EM 27 JUNHO, 2016, DE HTTP://WWW.PLANALTO.GOV.BR/CCIVIL_03/LEIS/L9433.HTM

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2012). INDICADORES E DADOS BÁSICOS. RECUPERADO EM 11 DE DEZEMBRO, 2015, DE HTTP://TABNET.DATASUS.GOV.BR/CGI/IDB2012/MATRIZ.HTM

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2003). INDICADORES E DADOS BÁSICOS. RECUPERADO EM 11 DE DEZEMBRO, 2015, DE HTTP://TABNET.DATASUS.GOV.BR/CGI/IDB2003/MATRIZ.HTM

OPAS – ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. (2007). SAÚDE NAS AMÉRICAS: 2007. REGIONAL. WASHINGTON: OPAS.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. (2007) THE WORLD HEALTH REPORT 2007: A SAFER FUTURE: GLOBAL PUBLIC HEALTH SECURITY IN THE 21ST CENTURY. GENEBRA, SUÉCIA.

SECCHI, L. (2010). POLÍTICAS PÚBLICAS: CONCEITOS, ESQUEMA DE ANÁLISE, CASOS PRÁTICOS. SÃO PAULO: CENGAGE LEARNING.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. (2014) DIAGNÓSTICO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTOS – 2012. BRASÍLIA: SNSA/MCIDADES.

SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. (2014) DIAGNÓSTICO DO MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS – 2012. BRASÍLIA: MCIDADES.SNSA.

SOUZA, C. M. N., & FREITAS, C. M. (2010). A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE SANEAMENTO: UMA ANÁLISE NA PERSPECTIVA DA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA PREVENÇÃO DE DOENÇAS. ARTIGO TÉCNICO, 15(1), 65-74.

TEIXEIRA, J. C., & GUILHERMINO, R. L. (2006). ANÁLISE DA ASSOCIAÇÃO ENTRE SANEAMENTO E SAÚDE NOS ESTADOS BRASILEIROS, EMPREGANDO DADOS SECUNDÁRIOS DO BANCO DE DADOS INDICADORES E DADOS BÁSICOS PARA A SAÚDE – IDB 2003. REVISTA DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 11(3), 277-282.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015