A DIMENSÃO AMBIENTAL DA SUSTENTABILIDADE EM PAUTA NO SETOR DE BOVINOCULTURA DE CORTE: ANÁLISE DOS DIÁLOGOS ENTRE STAKEHOLDERS SUL-MATO-GROSSENSES

Dario de Oliveira Lima-Filho, Denise de Barros Azevedo, Maisa Gomide Teixeira, Eronildo Barbosa da Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar os diálogos entre stakeholders da cadeia produtiva de bovinocultura de corte em torno do tema sustentabilidade. Busca-se perceber quais questões a este respeito estão surgindo nos diálogos e, mais especificamente, objetiva analisar como o tópico de mudanças climáticas se apresenta. Justifica-se o estudo pela contribuição que os diálogos entre estes stakeholders podem ofertar para a definição de novos caminhos para lidar com os dilemas que se apresentam com a necessidade de se reportar às mudanças climáticas na pecuária bovina de corte. O tema é analisado baseando-se nas teorias de Stakeholders, mais especificamente de diálogos entre stakeholders e no conhecimento sobre Sustentabilidade e Mudanças Climáticas. Foi realizada uma pesquisa de campo, por meio de entrevistas com representantes das organizações do Sistema Agroindustrial da Carne Bovina do Mato Grosso do Sul, um dos Estados brasileiros mais importantes deste setor. Realizaram-se análise documental de relatórios, artigos, livros e portais na web, e análise de conteúdo com o material das entrevistas. Como resultado, percebe-se que os diálogos se efetivam muito mais no campo produtivo técnico, envolvendo temas como genética industrial, leis ambientais, financiamentos, sanidade animal, preço da carne, entre outros assuntos, do que em torno das mudanças climáticas. Verificou-se baixa frequência de diálogos e a existência de assimetria, o que indica ausência de sinalização sistemática voltada para informar e formar os elos entre os agentes em toda a extensão da cadeia.


Palavras-chave


Sustentabilidade; Diálogos entre stakeholders; Sistema Agroindustrial; Bovinocultura de corte; mudanças climáticas

Texto completo:

PDF

Referências


Alves Neto, J. L. (2012). Debate sobre o monopólio dos frigoríficos: JBS se defende. Rural Centro. Recuperado em 11 novembro 2003, de http://ruralcentro.uol.com.br/noticias/debate-sobre-monopolio-dos-frigorificos-jbs-defende-se-de-acusacoes-57250#y=241.

Azevedo, D. B. de. (2010). Diálogos entre stakeholders em redes sociais de organizações de agronegócios na cadeia da mitigação dos efeitos da mudança climática: o caso do instituto do agronegócio responsável- Ares. Tese de doutorado, Programa de Pós-graduação em Agronegócios da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, Brasil.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70 (Obra original publicada em 1977).

Barreto, P., Pereira, R., & Arima, E. (2008). A pecuária e o desmatamento na Amazônia na era das mudanças climáticas. Belém: IMAZON.

Batalha, M. O. (Coord.). (2001). Gestão agroindustrial (Vol. 1, 2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Berndt, A. (2010). Impacto da pecuária de corte brasileira sobre os gases do efeito estufa. Anais do Simpósio Internacional da Bovinocultura de Corte, Viçosa, Brasil, 3.

Berndt, A., & Tomkins, N. W. (2013). Measurement and mitigation of methane emissions from beef cattle in tropical grazing systems: a perspective from Australia and Brazil. Animal, 7(2), 363-372.

Braga, M. J. (2010). Redes, alianças estratégicas e intercooperação: o caso da cadeia produtiva de carne bovina. Revista Brasileira de Zootecnia, 39, 11-16.

Brandão, F. S., Ceolin, A. C., Ruviaro, C. F., Gianezini, M., & Dias, E. A. (2012). O papel do agronegócio brasileiro na redução de emissão de gases de efeito estufa (GEES). Agro@mbiente On-line, 6, 84-90.

Buainain, A. M. (2013). Palestra sobre a produção pecuária em 2020 em 25 de nov., de 2013. Sindicato Rural de Campo Grande. Campo Grande, MS, Brasil.

Buainain, A. M., & Batalha, M. O. (Coords.). (2007). Cadeia produtiva da carne bovina (Vol. 8). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Secretaria de Política Agrícola (SPA), Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Brasília, Brasil.

Campos, T. C. C. (2010). A importância do diálogo na gestão de pessoas. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em Gestão de Recursos Humanos, Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Ceolin, A. C. (2011). Assimetria de informação e sinalização na cadeia da carne bovina. Tese de doutorado, Programa de Pós-graduação em Agronegócios, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Davis, J. H., & Goldberg, R. A. (1957). A concept of agribusiness. Boston: Harvard University.

Escobar, L. F., & Vredenburg, H. (2011). Multinational oil companies and the adoption of sustainable development: a resource-based and institutional theory interpretation of adoption heterogeneity. Journal of Business Ethics, 98, 39-65.

Ferreira, T., & Antônio Filho, V. (2010). Teoria de redes: uma abordagem social. Revista Conteúdo, 1(3), 1-19.

Figueiredo, A. (1994). A propósito do boi. Cuiabá-MT: Editora da Universidade Federal do Mato Grosso - UFMT.

Franco, G. L., & Ribeiro, S. da S. (2008). Produção de bovinos de corte e o meio ambiente: impactos potenciais e alternativas de manejo para reduzi-los. In R. A. A. de Lemos (Org.). Carbúnculos sintomático, controle integrado do carrapato, diarreia viral bovina, bovino de corte e meio ambiente. (pp. 481-509). Campo Grande-MS: Editora UFMS.

Grainger, C., & Beauchemin, K. A. (2011). Can enteric methane emissions from ruminants be lowered without lowering their production? Animal Feed Science and Technology, 166-167, 308-320.

Hart, S. L., & Milstein, M. B. (2004). Creating sustainable value. Academy of Management Executive, 17(2), 56-69.

Jóia, L. A. (2006). Geração de modelos teóricos a partir de estudos de casos múltiplos: da teoria à prática. In M. M. F. Vieira, & D. M. Zouain (Orgs.). Pesquisa qualitativa em administração. (2ª ed., pp. 123-150). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Lima-Filho, D. O., Sprosser. R., & Novaes, A. (2003). Comportamento do consumidor e as implicações estratégicas para os agentes econômicos da cadeia produtiva de carne bovina de Mato Grosso do Sul. Anais do Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração - EnAnpad, Atibaia, SP, Brasil, 26.

Lourenço, J. C. (2009). Logística agroindustrial: desafios para o Brasil na primeira década do século XXI. João Pessoa/PB. Recuperado em 28 setembro 2011, de http://www.administradores.com.br/_resources/files/_modules/academics/academics_4329_2011081123595198ca.pdf.

Macedo, L. O. B. (2009). Perfil de governança e a coordenação de alianças estratégicas do sistema agroindustrial da carne bovina brasileira. Tese de doutorado, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, USP, Piracicaba, SP, Brasil.

Machado, R. T. (2000). Rastreabilidade, tecnologia de informação e coordenação de sistemas agroindustriais. Tese de doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, SP, Brasil.

Marteleto, R. M. (2010). Redes sociais, mediação e apropriação de informações: situando campos, objetos e conceitos na pesquisa em Ciência da Informação. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, 3(1), 27-43.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. MAPA/AGE. (2013). Assessoria de Gestão Estratégica. Projeções do agronegócio: Brasil 2012/2013 a 2022/2023. Brasília: Mapa/ACS, 2013. 96 p. Recuperado em 22 dezembro 2013, de http://www.agricultura.gov.br/portal/.

Monteiro, R. B. N. C. (2009). Desenvolvimento de um modelo para estimativas da produção de gases de efeito estufa em diferentes sistemas de produção de bovinos de corte. Dissertação de mestrado em Agronomia, Área de Concentração em Ciência Animal e Pastagens, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” Universidade de São Paulo, Piracicaba, SP, Brasil.

Nascimento, E. M., & Sayed, K. M. el. (2002). Administração de conflito. São Paulo: Editora Gazeta do Povo/FAE.

Neely, C., Bunning, S., & Wilkes, A. (Eds). (2009). Review of evidence on drylands pastoral systems and climate change. Implications and opportunities for mitigation and adaptation. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations - FAO. Recuperado em 28 março 2011, de http://ftp.fao.org/docrep/fao/012/i1135e/i1135e00.pdf.

Neves, M. F. (2012). Estratégias para a carne do Brasil. São Paulo: Atlas.

Nobre, C. A. (2012). Fundamentos científicos das mudanças climáticas. In C. A. Nobre, J. Reid, & A. P. S. Veiga (Orgs.). São José dos Campos, SP: Rede Clima/INPE. Recuperado em 20 abril 2014, de http://www.inpe.br/noticias/arquivos/pdf/fundamentos_cientificos_mc_web.pdf.

Novaes, A. L., Sproesser, R. L., Lima-Filho, D. O., & Figueiredo, J. C. (2005). Segmentação do mercado consumidor de carne bovina fresca no Brasil. Revista Eletrônica de Administração (REAd), 11(5), 1-22.

Paula, V. A. F., & Martinelli, D. P. (2005). Conflicts on the Brazilian telecommunications sector after privatization: a case study. Proceedings of the Annual Conference The International Society for the Systems Sciences, Cancun, Mexico, 49.

Plano Nacional de Logística e Transportes – Relatório Executivo. (2007). Brasília: Ministério da Defesa e Ministério dos Transportes. Recuperado em 02 março 2015, de http://www.tgl.ufrj.br/projetos/biblio/PNLT%20-%20Relat%F3rio%20Executivo.pdf.

Ramos Filho, F. S. V. (2006). Qualidade na cadeia da carne bovina: o caso da carne orgânica. Dissertação de mestrado, Curso de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Instituto de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Thorstensen, V., Ramos, D., Muller, C., & Baptista, N. A. (2013). Sistemas de regulação do comércio internacional em confronto: o marco dos estados e o marco das transnacionais. Revista Política Externa, 21(4), 75-94.

Vieira, M. M. F. (2006). Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In M. M. F. Vieira, & D. M. Zouain (Orgs.). Pesquisa qualitativa em administração. (2ª ed., pp. 13-28). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Wegner, D., Maciel, M., Malafaia, G., Camargo, M. E., & Maciel, J. M. C. (2011). Capital Social e a construção da confiança em redes de cooperação: mudando padrões de relacionamento na pecuária de corte. Revista de Administração IMED, 1(1), 72-96.

Welp, M., & Stoll-Kleemann, S. (2006). Integrative theory of reflexive dialogues. In S. Stoll-Kleemann, & M. Welp (Eds.). Stakeholder dialogues in natural resources management. (pp. 43-78). Heidelberg: Springer-Verlag.

Welp, M., Vega-Leinert, A. C. de la, Stoll-Kleemann, S., & Fürstenau, C. (2006). Science-based stakeholder dialogues in climate change research. In S. Stoll-Kleemann, & M. Welp (Eds.). Stakeholders dialogues in natural resources management. (pp.213-240). Heidelberg: Springer-Verlag.

Zollo, M., Cennamo, C., & Neumann, K. (2013). Beyond what and why: understanding organizational evolution towards sustainable enterprise models. Organization & Environment, 26(3), 241-259.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015