METODOLOGIA DA PESQUISA-AÇÃO: POSSIBILIDADES DE APLICAÇÃO NA SAÚDE ANIMAL E SAÚDE PÚBLICA VETERINÁRIA

Arnaldo Rocha, Julia Rosas Hochheim, Osleny Viaro, Fabio Gregori

Resumo


Pesquisa-ação é uma metodologia pouco utilizada em medicina veterinária, surgida na segunda metade do século XX e que valoriza a aproximação, participação e imersão dos pesquisadores nos trabalhos de campo, objetivando transformações da realidade e paralelamente um maior impacto social da pesquisa na comunidade. Inicia-se com o reconhecimento de problemas ou demandas, seguido da construção de soluções coletivas, mediadas pelo pesquisador, no ambiente de ocorrência do tema investigado, propondo medidas adaptáveis às condições locais, em busca de transformações e construções de significados. É composta por ciclos de planejamentos, ações, reflexões e ressignificações que vão se repetindo até o fim dos trabalhos. Os dados são obtidos e analisados dentro de uma abordagem qualitativa, ainda que possa estar aliada a quantitativa. Tem se revelado uma opção para trabalhos interativos, socialmente críticos, estratégicos, técnicos, práticos e colaborativos em saúde única.    


Palavras-chave


abordagens participativas; epidemiologia participativa; pesquisa-participante

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Bach M, Jordan S, Hartung S, Santos-hovenes C, Wright MT. Participatory epidemiology: the contribution of participatory research to epidemiology. Emerge Themes of Epidemiol. 2017;14(2):1-15.

Backes DS, Colomé JS, Erdmann RH, Lunardi VL. Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. O mundo da saúde. 2011;35(4):438-442.

Christopher S, Watts V, Mccomick AKH, Young S. Building and Maintaining Trust in a Community-Based Participatory Research Partnership. American Journal of Public Health [internet]. 2008 [acesso em 2018 jan 31]; 98(8):1398-1406. Disponível em: 98:1398-1406; doi:10.2105/AJPH.2007.125757

Engel GI. Pesquisa-ação. Educar. 2000; 16:181-191.

Franco MAS. Pedagogia da pesquisa ação. Educação e Pesquisa. 2005; 31(3), 483-502.

Glaser BG, Strauss AL. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. New York: Aldine de Gruyter; 2006. 271p

Huang HB. What is good action research?. Action Research. 2010;8(1):93-109.

Leonard P, Mclaren P. Paulo Freire a Critical Encounter. London: Routledge;1992. 212p

Lefevre F, Lefevre AMC. O sujeito coletivo que fala. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. 2006;10(20):517-524.

Marti J. Measuring in action research: Four ways of integrating quantitative methods in participatory dynamics. Action Research. 2016;14 (2):168–183.

Melo ASE, Maia Filho ON, CHAVES HV. Lewin e a pesquisa-ação: gênese, aplicação e finalidade. Fractal: Revista de Psicologia. 2016; 28(1):153-159.

Minayo MCS, Assis SG, Souza ER. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais, Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012. 244p.

Miranda MG, Resende ACA. Sobre a pesquisa-ação na educação e as armadilhas do praticismo. Revista Brasileira de Educação. 2006;11(33):511-518.

Moscovici F. Energia no Grupo: Tensão e Conflito Interpessoal. In: Desenvolvimento interpessoal: Treinamento em grupo. 17 ed. José Olympio; 2008. 400p.

Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Recomendaciones de la OIE sobre las competencias mínimas que se esperan de los veterinarios recién licenciados para garantizar Servicios Veterinarios Nacionales de calidad [internet]. 2012 [acesso em 2018 fev 04]; 1-16p. Disponível em: http://www.oie.int/fileadmin/Home/esp/Support_to_OIE_Members/Edu_Vet_AHG/day_1/DAYONE-B-esp-VC.pdf

Paula JA. A extensão universitária: história, conceito e propostas. Interfaces - Revista de Extensão. 2013;1(1):05-23.

Pfuetzenreiter MR, Silva Junior DV, Savaris T, Basen KP. Pesquisa-ação: a ampliação do debate envolvendo os direitos sociais da comunidade a partir de reflexões sobre ética e bem-estar animal. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia. 2012;5(3):219-241.

Pinheiro DRC, Borges RCO. A importância da liderança comunitária no processo de desenvolvimento local. Revista GeoUECE [internet]. 2012 [acesso em 2018 fev 04];1(1): 78-94. Disponível em: http://seer.uece.br/geouece

Thiollent MJ. Metodologia da pesquisa-Ação. 18.ed. São Paulo: Cortez; 2011;136p.

Thiollent MJ, Toledo RF. Participatory Methodology and Action Research in the Area of Health. International Journal of Action Research. 2012; 8(2):142-158.

Toledo RF, Giatti LL. Perspectives – Challenges to participation in action research. Health Promotion International. 2015;30(1):162-173.

Toledo RF, Jacobi PR. Pesquisa-ação e educação: compartilhando princípios na construção de conhecimentos e fortalecimento comunitário para o enfrentamento de problemas. Educação e Sociedade. 2013; 34:155-173.

Tripp D. Action research: a methodological introduction. Educação e Pesquisa, 2005; 31(3), 443-466.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Atas de Saúde Ambiental - ASA, ISSN 2357-7614