DESENVOLVIMENTO E MODERNIDADE: UMA ANÁLISE TEÓRICA DO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NA AMAZÔNIA

Fabricio Quadros Borges

Resumo


Discute de forma sistemática as principais contribuições teóricas do debate sobre Desenvolvimento a partir do universo das Ciências Sociais e da Economia. A interpretação dos autores relacionados procura compreender a construção da sociedade capitalista, do desenvolvimento da racionalidade e as questões que surgem com a modernidade. Seus propósitos são o de condicionar a reflexão sobre os dilemas da sociedade atual, no que tange a compreensão das relações entre sociedade, economia e natureza na medida em que colabora a um melhor entendimento das estratégias das políticas públicas no setor energético amazônico à luz do debate sobre desenvolvimento. O estudo verifica que o discurso do desenvolvimento através da hidroeletricidade, reconhecidos os benefícios verificados junto ao perfil socioeconômico da região, está comprometido muito mais com uma visão limitada e em curto prazo de geração de PIB em curto prazo para o país, do que com a melhoria da qualidade de vida da população.


Palavras-chave


Desenvolvimento; Modernidade; Políticas Públicas; Regulação; Setor elétrico.

Referências


Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) (2020). Resolução Nº 456 de 29/11/2000 Condições gerais de fornecimento de energia elétrica.

Borges, F. Q.; Alão, A. A. A. (2019). Estratégias na geração de energia elétrica no Pará e a promoção de estruturas tecnológicas e mecanismos competitivos (2017-2017). Desenvolvimento em Questão, v. 17, p. 291-308.

Castells, M. (2000). A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra. p. 87-161.

Banerjee, S. B. (2013). Quem sustenta o desenvolvimento de quem? O desenvolvimento sustentável e a reinvenção da natureza. In: Fernandes, M. e Guerra, L. (org) Contra-discurso do desenvolvimento sustentável. Belém: Unamaz, p. 75-130

Bermann, C. (2003). Energia no Brasil: para quê? Para quem? São Paulo: Livraria da Física.

Borenstein, C.R.; Camargo, C. C. B. (1997). O setor elétrico no Brasil: dos desafios do passado às alternativas do futuro. Porto Alegre: Sagra Luzzato.

Boschi, R. R.; Lima, M. R. S. de. (2017). O Executivo e a Construção do Estado no Brasil: do desmonte da Era Vargas ao novo intervencionismo regulatório. Rio de Janeiro: UFPA/IUPERJ, fevereiro.

Bourdieu et al. (1999). Preliminares Epistemológicos. Petrópolis: Vozes. p.9 a 86

Brum, A. J. (1999). Desenvolvimento econômico brasileiro. Petrópolis: Vozes.

Buslik, S. A. de. (1994). Energia Elétrica: setor emergencial. Rio de Janeiro: IPEA.

Cardoso, F. H. (1993). As ideias e seu lugar. Petrópolis: Vozes.

Centrais Elétricas do Pará (Celpa). (1980). Do amanhecer ao amanhecer, a criança é a esperança. Belém: Celpa.

___________ . (1999). Histórico do Mercado da CELPA de 1987 a 1997. Belém: CELPA,

Coimbra, M. C. (2018). O Estado Regulador. Teresina: Jus Navigandi.

Eden, R. et al (1981). Energy economics, growth, resources and policies Cambridge University Press.

Fenzl, N. (1999). Estudo de parâmetros capazes de dimensionar a sustentabilidade de um processo de desenvolvimento. In: Tereza Ximenes (org) Belém: UFPa / NAEA, p. 1 a 31

Fenzl, N. Canto, A. E Vinícius, M. (2000). A evolução do setor energético e o desenvolvimento socioeconômico da Região Norte e no estado do Pará. In: Fenzl, N. Coelho, M. C. N. e Simoniam L. (org) Belém: CESUPa/UFPa/NAEA.

Fiani, R. (1998). Teoria da regulação estado atual e perspectivas futuras, IE/UFRJ.

Filellini, A. (2002). Economia do Setor público. São Paulo: Atlas.

Furtado, C. (1964). Dialética do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de cultura.

Giddens, A. (1991). As conseqüências da Modernidade. São Paulo: UNESP, p. 151-177.

Godard, O. (1997). O desenvolvimento sustentável: paisagem intelectual, In: Castro, E. e Pinton, F. (orgs) Faces do trópico úmido. Belém: CEJUP/UFPA/NAEA.

Goldemberg, J. et al. (1988). Energy for a Sustainable World. New Delhi: Wiley Eastern Limited, 1988.

Guimarães, R. (2018). Modernidad, meio ambiente y ética: um nuevo paradigma de desarrollo. In: Revista Ambiente de Sociedade, Ano 1, nº 2 Madrid: s/e, 1998, p. 5-24

Habermas, J. (1987). Teoria de la acción comunicativa II. Madrid: Taurus, p. 15-69.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (1995). Anuário Estatístico. [s.l.]: IBGE.

Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social do Pará (IDESP). (1984). Diagnóstico do setor energético do Estado do Pará. In: Estudos Paraenses. Nº 44. Belém: IDESP, 1974.

Mantega, G. A economia política brasileira. Petrópolis: Vozes.

Marin, R. E. A. (1996). Amazônia: o custo ecológico das hidrelétricas. In: Magalhães, S. B.; Britto, R. C. e Castro, E. R. (Org.) Energia na Amazônia. Belém. UPEG/UFPA/Unamaz, v. II

Morin, E. (1990). Introdução ao Pensamento Complexo. Lisboa: Instituto Piaget., 1990, p. 137 a 174.

Moura, M. C. de. (2002). Agências Reguladoras no Brasil: os casos dos setores de telecomunicações, eletricidade e petróleo/gás natural. I Congresso Latino Americano de Ciência Política, Salamanca, Espanha, de 9 a 11 de julho.

North, D. (1981). Structure and Change in Economic History. Washington: s/e.

Oliveira, S. F. (1999). O preço do wp e o custo do kwh fornecido por sistemas interligados à rede elétrica. In: Anais do VIII congresso brasileiro de energia Vol. II Rio de Janeiro: IE/SBPE/COPPE, p. 743-748.

Pádua, J. A. (2015). Um sopro de Destruição. Rio de Janeiro: Zahar. p. 9-32

Parsons, T. (1964). Evolutionary Universals in Society, in from modernization to globalization. s/l. s/e.

Passos, R. C. M.; Nogami, O. (1998). Princípios de economia. São Paulo: Thomson Laerning.

Poole, D. A. et al. (1990). Energia para o desenvolvimento da Amazônia. São Paulo: Pnud/Sudam/Suframa/Basa.

Redclift, M. (2003). Os novos discursos da Sustentabilidade. In: Fernandes, M. e Guerra, L. (org) Contra-discurso do desenvolvimento sustentável. Belém: UNAMAZ. p. 47-74.

Reis, L. B., Fadigas, E. A. A., & Carvalho, C. E. (2012). Energia, recursos naturais e a prática do desenvolvimento sustentável. Barueri-SP: Manole.

Ribeiro, N. de F. (1990). Políticas Públicas para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia. Belém: Governo do Estado do Pará / SEICOM, 1990.

Rigolon, F. J. Z. (2003). Regulação da Infraestrutura: a experiência recente no Brasil.Disponível em: www.finame.com.br/conhecimento/revista/rev705. Acesso em: 22 ago. 2020.

Rossetti, J. P. (1998). Contabilidade social. São Paulo: Atlas.

Rostow, W. (1961). Etapas do desenvolvimento econômico, um manifesto não comunista. Rio de Janeiro: Zahar.

Sachs, I. (1994). Estratégias de transição para o século XXI, In: Bursztyn, m. (org): Para pensar o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Brasiliense.

Santos, B. de S. (2014). Globalização: fatalidade ou utopia? São Paulo: s/e.

Souza, N. de. (1996). Desenvolvimento econômico. São Paulo: Atlas.

Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM) (1994). Plano integrado para o atendimento às necessidades de energia elétrica no do Pará – 1985/94. Belém: Sudam.

Touraine, A. (2007). La parole et le sang: politique et societé en Amérique Latine. Paris: Odile Jacob.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015