Evidenciação e caracterização de bens ambientais no Estado do Ceará: uma proposta de inventário ambiental

Samya Vasconcelos Carneiro, Jackeline Lucas Souza, Ivaneide Ferreira Farias, Clayton Robson Moreira da Silva, Francisco Ivander Amado Borges Alves

Resumo


Antes de escolher o método de valoração, faz-se necessário caracterizar o ativo ambiental, para assim identificar-se a metodologia mais adequada. Pretende-se responder a seguinte questão-problema: quais são os bens ambientais e suas características necessárias para a proposição de um inventário ambiental no Estado do Ceará? Objetiva-se evidenciar e caracterizar os bens ambientais do Estado do Ceará, propondo um inventário ambiental. Consultou-se no sítio da SEMACE as unidades de conservação (2018), categorizando-as conforme atributos. Os achados destacam 55 unidades, concentradas na RMF. Maioria são Áreas de Proteção Ambiental (21). Quanto às atividades econômicas de subsistência, predominam pesca e agricultura; e quanto às atividades de exploração, destacam-se atividades turísticas. A inventariação ambiental no Estado do Ceará subsidia ações que visam à proteção, preservação e conservação da natureza, permitindo a exploração do meio ambiente, de forma consciente e responsável.

Palavras-chave


Bens ambientais; Inventário ambiental; Evidenciação ambiental; Valoração ambiental.

Referências


Azevedo, F. R., Moura, E. S., Azevedo, R., Santos, C. M. & Nere, D. R. (2015). Inventário da entomofauna de ecossistemas da Área de Proteção Ambiental do Araripe com bandejas d’água amarelas. HOLOS, 3, 121-134.

Bardy, R. (2018). public goods, sustainable development and business accountability: connecting corporate performance and preservation of the commons. Journal of Political Sciences & Public Affairs, 6(4), 1-16.

Barreto, M. E. (2016). A valoração econômica como instrumento de gestão ambiental aplicável à compensação ambiental. Recuperado em 10 julho, 2020, de https://bit.ly/3g0iIDl.

Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. (2002). Institui o Código Civil. Brasília, DF. Recuperado em 10 julho, 2020, de https://bit.ly/30MHYGK.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Brasília, DF. Recuperado em 10 julho, 2020, de https://bit.ly/2ZZJwhM.

Lei nº 6.938 de 31 de Agosto de 1981 (1981). Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 21 junho, 2018, de https://bit.ly/30MfRYm.

Lei nº 9.985 de 18 de Julho de 2000 (2000). Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado em 20 abril, 2019, de https://bit.ly/3hxZIwp.

Ministério do Meio Ambiente. Unidades de Conservação: categorias. 2020. Brasília, DF. Recuperado em 13 julho, 2018, de https://bit.ly/30Yvso3.

Costa, T. B., Laranjeiras, D. O., Caldas, F. L. S., Santana, D. O., Silva, C. F. da, Alcântara, E. P. de, Brito, S. V., Galdino, J. Y., Mesquita, D. O., Faria, R. G., França, F. G. R., Ávila, R. W. & Garda, A. A. (2018). Herpetofauna of protected areas in the caatinga Vii: Aiuaba Ecological Station (Ceará, Brazil). Herpetology Notes, 11, 929-941.

Eduardo, A. S., Maldonado, A. D. R. 7& Ribeiro, J. S. (2017). Valoração econômica ambiental como instrumento do planejamento ambiental. Anais do Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação, Naviraí, MS, Brasil, 1.

Ferreira, A. C. S. (2011) Contabilidade ambiental: uma informação para o desenvolvimento sustentável (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Fiorillo, C. A. P. (2006). Curso de direito ambiental brasileiro (7ª ed.). São Paulo: Saraiva.

Hendges, A. S. (2013). O que é ativo ambiental. Recuperado em 13 março, 2018, de https://bit.ly/3jtcHQy.

International Union For Conservation Of Nature (2008). Protected area categories. Recuperado em 7 julho, 2018, de https://bit.ly/30Our1s.

Lima, M. C. (2008). Pesca artesanal, carcinicultura e geração de energia eólica na zona costeira do Ceará. Revista Terra Livre, 2(31), 203-213.

Lira, A. H. C. de, Silveira, J. A. R. da, Ribeiro, E. L., Silva, M. D. da & Passos, L A. dos. (2017). Avaliação da qualidade de vida urbana nos condomínios horizontais da cidade de João Pessoa, PB. Ambiente Construído, 17( 4), 285-304.

Maia, D. A. C, Saraiva, L. G. M., Ferreira, A. M. C., Oliveira, T. E. & Costa, P. L. de O. (2019). Contabilidade da gestão ambiental como ferramenta fundamental para certificação e sustentabilidade. Revista Diálogos Acadêmicos, 8(1), 18-30.

Maia, A. G. (2002). Valoração de recursos ambientais. Dissertação de mestrado em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Marinho, A. S., Fernandes, L. M. M., Silva, E. V. da & Rabelo, F. D. B. (2019). Paisagem e turismo: qualidade visual da Praia do Cumbuco - Caucaia/CE. Planeta Amazônia: Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, (11), 139-150.

Millennium Ecosystem Assessment (2005). Ecosystems and human well-being: global assessment reports. Washington, DC: Island Press.

Monteiro, J. V., Norões, A. K. M. & Araújo, R. C. P. (2018). Análise da preferência do pescador artesanal do município de Pentecoste (CE) por programas de peixamento. Revista de Economia e Sociologia Rural, 56(3), 483-500.

Motta, R. S. (1997). Manual para valoração econômica de recursos ambientais [manual] Rio de Janeiro: IPEA/MMA/PNUD/CNPq.

Ortiz, R. A. (2003). Valoração econômica ambiental.

Paris, M. M., CIVIT, B. & CORICA, L. (2020). Valoración económica de los impactos ambientales por el uso del suelo con enfoque de ciclo de vida: estado del arte. Ambiente Construído, 20(.2), 367-383.

Pinto, M. R. & Batinga, G. L. (2016). O consumo consciente no contexto do consumismo moderno: algumas reflexões. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 14(Especial), 30-43.

Plens, C. R. & Francisco, G. S. (2016). Patrimônio e inventário: a escolha do objeto. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, (26), 10-26.

Prodanov, C. C & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2ª ed.). Novo Hamburgo: Universidade Feevale.

Ramalho, B. L. & Núñez, I. B. (2014) Formação, representações e saberes docente: elementos para se pensar a profissionalização dos professores. Campinas: Mercado de Letras.

Ribeiro, M. de S. (2010). Contabilidade ambiental (2ª ed.). São Paulo: Editora Saraiva.

Rodrigues, M. (2016). Inventário de bens culturais: conhecer e compreender. Revista CPC, 21, 31-48.

Rodriguez, S. G., Campoy, M. D., Cantu, E. C. & Orihuela, E. L. (2015). Propuesta de modelo integral de evaluación sostenible de la vivienda social en México. Ambiente Construído, 15(4), 7-17.

Severo E. A., E. A., Barbosa, A. S. F., Mota, S. M. & Oliveira, M. de B. (2020). A influência do marketing verde no consumo sustentável: uma survey no Rio Grande do Norte. Desenvolvimento em Questão, 18(51), 268-280.

Silva, C. R. M., Lima, D. S. V. R., Farias, I. F., Oliveira, L. V. C. & Fontenele, R. E. S., (2020). Are visitors willing to pay for a green park? a study in a brazilian ecological park. International Journal of Social Ecology and Sustainable Development, 11 (3), 1-15.

Silva, M. G., Araújo, N. M. S. &, Santos, J. S. (2012). "Consumo Consciente": O ecocapitalismo como ideologia. Revista Katálysis, 15(1), 95-111.

Torres, V. S., Pereira, K. C., Silva, C., C. O. de A. & Neckel, A., (2016). Valoração econômica do Parque Chico Mendes: I. caracterização da área de estudo. Anais do Seminário Internacional de Construções Sustentáveis, Passo Fundo, RS, Brasil, 5.


Apontamentos





Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015