BENS E SERVIÇOS: MUDANÇA NO ATENDIMENTO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS E FINANCEIROS

David Costa Monteiro, Fabio Ytoshi Shibao, Mario Roberto dos Santos

Resumo


O envelhecimento da população exige estudos, soluções e pesquisas específicas sobre os idosos, porque esse grupo apresenta características peculiares de saúde física e mental, e,  entre os problemas encontrados, têm-se a deficiência auditiva. O objetivo desta pesquisa foi verificar se a mudança da estratégia de atendimento dos clientes de uma empresa gerou benefícios para os usuários, para a empresa e para o meio ambiente. Avaliou-se os clientes idosos, da empresa, usuários de aparelhos auditivos residentes nos bairros do Grajaú e do Capão Redondo na periferia da cidade de São Paulo. A pesquisa foi realizada nos dois distritos, com a utilização de um questionário estruturado, contendo quarenta e oito questões, aplicado nas residências dos respondentes e foram obtidas 109 respostas. O resultado mostrou os benefícios: ambiental, pela não utilização de veículos, a empresa deixou de emitir, no período  2014-2017, 51 milhões g de monóxido de carbono (CO), 4,5 milhões g de hidrocarbonetos (HC) e 1,27 milhões g de óxidos de nitrogênio (NOx); econômico, a empresa obteve aumento de 86,1% no lucro, e acréscimo no número de clientes, passou de 1.811 em 2012 para 2.246 em 2017. Uma solução simples, adotada por uma pequena empresa, pode ser relevante no tripé da sustentabilidade (econômico, social, ambiental) em um processo contínuo de melhoria.


Palavras-chave


Deficiência auditiva; Empresa de pequeno porte; Meio ambiente; Mobilidade urbana; População idosa.

Referências


Antunes, E. M., & Simões, F. A. (2013). Utilização da psicometria para avaliar a qualidade do serviço de transporte: um estudo de caso. Revista Gestão Industrial, 9(2), 416-439. https://doi.org/10.3895/S1808-04482013000200007.

Barbieri, A. F. (2011). Mudanças climáticas, mobilidade populacional e cenários de vulnerabilidade para o Brasil. REMHU Revista Interdisciplinar da Mobilidade Urbana, 19(36), 95-112.

Bittar, A. V., Di Serio, L. C., Vasconcellos, M. A. (2018). Micro e pequenas empresas inovadoras: evidências em empresas paulistanas. REGEPE - Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 7(3), 85-109. https://doi.org/10.14211/regepe.v7i3.729.

Boni, V., & Quaresma, S. J. (2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Em Tese, 2(1), 68-80. https://doi.org/10.5007/%25x.

Bryman, A., & Cramer, D. (2005). Quantitative data analysis with SPSS 12 and 13: a guide for social scientists. Hove, Reino Unido: Psychology Press.

Cavalcanti, C. O, Limont, M., Dziedzic, M., & Fernandes, V. (2017). Sustainability of urban mobility projects in the Curitiba metropolitan region. Land Use Policy, 60, 395-402. https://doi.org/10.1016/j.landusepol.2016.11.015.

Childers, D. L., Pickett, S. T., Grove, J. M., Ogden, L., & Whitmer, A. (2014). Advancing urban sustainability theory and action: challenges and opportunities. Landscape and Urban Planning, 125, 320-328. https://doi.org/10.1016/j.landurbplan.2014.01.022.

Cônsoli, M. A., & Neves, M. F. (2008). A method for building new marketing channels. Direct Marketing: An International Journal, 2(3), 174-185. https://doi.org/10.1108/17505930810899320.

Cruz, M. S., Lima, M. C. P., Santos, J. L. F., Duarte, Y. A. D. O., Lebrão, M. L., & Ramos-Cerqueira, A. T. D. A. (2013). Uso de aparelho de amplificação sonora individual por idosos: estudo SABE-saúde, bem-estar e envelhecimento. Audiology-Communication Research, 18(2), 133-142. http://dx.doi.org/10.1590/S2317-64312013000200012.

Dawes, P., Emsley, R., Cruickshanks, K. J., Moore, D. R., Fortnum, H., Edmondson-Jones, M. & Munro, K. J. (2015). Hearing loss and cognition: the role of hearing AIDS, social isolation and depression. PloS One, 10(3), 1-9. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0119616.

Engert, S., Rauter, R., & Baumgartner, R. J. (2016). Exploring the integration of corporate sustainability into strategic management: a literature review. Journal of Cleaner Production, 112, 2833-2850. https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2015.08.031.

Elkington, J. (1998). Partnerships from cannibals with forks: The triple bottom line of 21st‐century business. Environmental Quality Management, 8(1), 37-51. https://doi.org/10.1002/tqem.3310080106.

Fabron, E. M. G., Garcia, Y. S., & Delgado-Pinheiro, E. M. C. (2017). A voz do deficiente auditivo: revisão bibliográfica. Distúrbios da Comunicação, 29(1): 55-67. https://doi.org/10.23925/2176-2724.2017v29i1p55-67.

Fialho, I. M., Bortoli, D., Mendonça, G. G., Pagnosim, D. F., & Scholze, A. S. (2009). Percepção de idosos sobre o uso de AASI concedido pelo Sistema Único de Saúde. Revista CEFAC. 11(2), 338-344. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462009000200020.

Gabriel, M. L. (2014). Métodos quantitativos em Ciências Sociais: sugestões para elaboração do relatório de pesquisa. Desenvolvimento em Questão, 12(28), 348-369. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2014.28.348-369.

Gates, G. A., Murphy, M., Rees, T. S., & Fraher, A. (2003). Screening for handicapping hearing loss in the enderly. The Journal of Family Practice, 52(1), 56-62.

Girão, R. S., Pereira, W. A. A., & Fernandes, P. J. F. (2017). Elaboração de índice de acessibilidade a partir da análise geoespacial em rede. Mercator, 16, 1-20. https://doi.org/10.4215/rm2017.e16011.

Greenblatt, S., Županov, I., Meyer-Kalkus, R., Paul, H., Nyíri, P., & Pannewick, F. (2009). Cultural mobility: A manifesto. Cambridge, United Kingdom: University Press.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2006). Multivariate data analysis. New Jersey, USA: Prentice hall.

Hine, J. (2009). Transport and social justice. In: Knowles, R; Shaw, J. E; Docherty, I. Transport Geographies – mobilities, flows and spaces. Oxford: Blackwell.

Ibama. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. (2011). Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores. Brasília: Proconve. Recuperado em 6 fevereiro, 2019, de http://www.ibama.gov.br/emissoes/veiculos-automotores/programa-de-controle-de-emissoes-veiculares-proconve.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015). Pesquisa Nacional de Saúde 2013 – Ciclos de vida, Brasil e grandes Regiões. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 6 fevereiro, 2019, de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94522.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Características dos Moradores e Domicílios. Recuperada em 6 fevereiro, 2019, de https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017.

Kotler, P. (1999). Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo: Futura.

Leong, C. M. L., Pan, S. L., Newell, S., & Cui, L. (2016). The emergence of self-organizing e-commerce ecosystems in remote villages of China: a tale of digital empowerment for rural development. Mis Quaterly, 40(2)475-484.

Melo, M. F. S., Yaryd, R. T., Castro Souza, R. C., & Campos-Silva, W. L. (2017). Responsabilidade social corporativa e competividade: uma análise bibliométrica da evolução do tema. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, 7(2), 115-133.

Miranda, G. M. D., Mendes, A. D. C. G., & da Silva, A. L. A. (2016). O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 19(3), 507-519. http://dx.doi.org/10.1590/1809-98232016019.150140.

Miyata, H., Suzuki, J. C. (2013). Venda direta na Região Metropolitana de São Paulo: precarização do trabalho e reprodução ampliada do capital. Meridiano - Revista de Geografia, 2(2), 159-180.

Monteiro, D. C., Shibao, F. Y., & Souza, N. F. D. (2017). Estudo de operações city logistics para aumento da competitividade em uma empresa de aparelhos auditivos na cidade de Campinas-SP. Revista Produção e Desenvolvimento, 3(2), 65-78. http://dx.doi.org/10.32358/rpd.2017.v3.221

OMS. Organização Mundial de saúde. (2015). Relatório mundial de envelhecimento e saúde. Recuperado em 13 fevereiro, 2019, de https://sbgg.org.br/wp-content/uploads/2015/10/OMS-ENVELHECIMENTO-2015-port.pdf.

Ormel, J., Bastiaansen, A., Riese, H., Bos, E. H., Servaas, M., Ellenbogen, M., Rosmalen J. G., & Aleman, A. (2013). The biological and psychological basis of neuroticism: current status and future directions. Neuroscience & Biobehavioral Reviews, 37(1), 59-72. http://dx.doi.org/10.1016/j.neubiorev.2012.09.004.

Paes-Machado, E., & Levenstein, C. (2002). Assaltantes a bordo: violência, insegurança e saúde no trabalho em transporte coletivo de Salvador, Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 18(5), 1215-1227. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2002000500014.

Parahyba, M. I., Veras, R., & Melzer, D. (2005). Incapacidade funcional entre as mulheres idosas no Brasil. Revista de Saúde Pública, 39(3), 383-391. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000300008.

Peteraf, M., Gamble, J., & Thompson Jr, A. (2014). Essentials of strategic management: The quest for competitive advantage. McGraw-Hill Education.

Pimentel, R. (2019). Cultura de Inovação em uma Escola de Negócios: um estudo inspirado pela teoria da prática. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 18(1), 63-84. https://doi.org/10.21529/RECADM.2019003.

Sá-Silva, J. R., de Almeida, C. D., & Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista brasileira de história & ciências sociais, 1(1), 1-15.

Saldanha, A. L. (2014). Saúde do idoso, a arte de cuidar. Rio de Janeiro: Interciência.

Sanches, A. C., Kalb, N. D., & Figueiredo, L. F., Neto. (2018). Percepção dos consumidores sobre práticas sustentáveis no varejo: uma análise fatorial dos clientes do Supermercado Walmart em Campo Grande/MS. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, 8(3), 24-37.

Santana, A. P. (2007). Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolinguísticas. São Paulo: Plexus.

Silva, I. R., Kauchakje, S., & Gesueli, Z. M. (2003). Cidadania, surdez e linguagem. São Paulo: Plexus.

Souza, G. A. D. (2015). Produção do espaço e mobilidade urbana: na contramão da sustentabilidade. Revista Produção e Desenvolvimento, 1(3), 42-51. http://dx.doi.org/10.32358/rpd.2015.v1.109.

STM. Secretaria dos Transportes Metropolitanos. (2012). Cenários de desenvolvimento urbano. São Paulo: STM. Retirado em 20 fevereiro, 2019, de http://www.stm.sp.gov.br/transparencia/informacoes?pagina=5.

Wagner, L. C., Lindemayer, C. K., Pacheco, A., & Silva, L. D. A. (2010). Acessibilidade de pessoas com deficiência: o olhar de uma comunidade da periferia de Porto Alegre. Ciência em Movimento, 12(23), 55-68. http://dx.doi.org/10.15602/1983-9480/cmrs.v12n23p55-67.

Zhang, Q., Jiang, X., Tong, D., Davis, S. J., Zhao, H., Geng, G., & Ni, R. (2017). Transboundary health impacts of transported global air pollution and international trade. Nature, 543(7647), 705-709. https://doi.org/10.1038/nature21712.

Zhao, H. Y., Zhang, Q., Guan, D. B., Davis, S. J., Liu, Z., Huo, H., Lin, J. T., Liu, W. D., & He, K. B. (2015). Assessment of China's virtual air pollution transport embodied in trade by using a consumption-based emission inventory. Atmospheric Chemistry and Physics, 15(10), 5443-5456. https://doi.org/10.5194/acp-15-5443-2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015