ANÁLISE DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS EM UMA CONCESSIONÁRIA AUTOMOBILÍSTICA NO MUNICÍPIO DE PELOTAS – RIO GRANDE DO SUL

Liciane da Oliveira da Rosa, Tatiana Porto Souza, Maiara Moraes Costa, Andréa Souza Castro, Luciara Bilhalva Corrêa, Érico Kunde Corrêa

Resumo


O objetivo do trabalho foi realizar um diagnóstico ambiental em uma concessionária automotiva situada no município de Pelotas -RS, em relação gestão dos resíduos sólidos gerados na empresa, com o intuito de verificar o comprometimento da concessionária quanto às questões ambientais. Trata-se de uma pesquisa descritiva e de caráter qualitativo, no qual foi utilizado um questionário como instrumento de coleta de dados, com perguntas fechadas sobre a gestão dos resíduos sólidos a partir dos tópicos gerenciamento, tratamento, destinação dos resíduos sólidos e disposição final dos rejeitos. Assim, percebeu-se através da pesquisa, que a concessionária automobilística em questão demonstra preocupação com as questões ambientais, principalmente em relação aos resíduos sólidos gerados na empresa.  Essa tomada de decisão pode contribuir, dentro e fora da empresa, de maneira a conscientizar funcionários e clientes. Além disso, a possibilidade de atrair novos clientes, devido suas ações positivas, torna a empresa mais produtiva e lucrativa em relação ao mercado, podendo gerar renda e empregos.

 


Palavras-chave


Resíduos Sólidos; Sistema de Gestão Ambiental; Concessionária de automóveis

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT (2004). ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – . NBR 10007: Amostragem de resíduos sólidos. Associação Brasileira de Normas Técnicas.

ABNT (2004). ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10006: Procedimento para obtenção de extrato solubilizado de resíduos sólidos.

ABNT (2004). ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 14001. Sistemas da gestão ambiental – Requisitos com orientações para uso.

ABNT (2004). ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉC¬NICA. NBR ISO 10004. Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

ANFAVEA – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores. Disponível em < www.anfavea.com.br >. Acessado em 06/03/2019.

BRASIL, CONAMA -Resolução nº 275, de 25 de abril de 2001. Conselho Nacional Do Meio Ambiente.. Acesso em: 20 de março de 2019.

BRASIL, Lei N. 12.305/2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências. Brasília: 2010.

BESEN, G. R. (2011). Coleta seletiva com inclusão de catadores: construção participativa de indicadores e índices de sustentabilidade. Tese de doutorado, Universidade de Saúde Pública de São Paulo, São Paulo, Brasil.

CRUZ, E.F.; FERREIRA, V. (2018). Gestão de resíduos sólidos em um supermercado de pequeno porte. Revista Latino-americana de Inovação e Engenharia de Produção, v. 6, n. 10, p.46-64.

DIAS, D. M.; MARTINEZ, C.B.; BARROS, R.T. V. (2014). Estimativa da geração de resíduos sólidos urbanos como subsídio para ações voltadas à sustentabilidade ambiental. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n. 33, p.13-20.

DINIZ. A.S. (2011). A problemática dos resíduos sólidos urbanos em São Sebastião de Lagoa de Roça – PB. Revista Brasileira de Informações Científicas, v. 2, n. 3.

FENABRAVE – Federação Nacional dos Concessionários e Distribuidores de Veículos. Disponível em< www.fenabrave.org.br >. Acessado em 06/03/2019.

GARCIA, L. P.; ZANETTI-RAMOS, B. G. (2004). Gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde: uma questão de biossegurança. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 3, n. 20, p.744-752.

GARCIA, M. S. et al. Resíduos sólidos: responsabilidade compartilhada. (2016)Semioses, [s.l.], v. 9, n. 2, p.77-91.

GERHARDT, A. E.; DRUMM, F.C.; GRASSI, P.; FLORES, B.A.; PASSINI, A.C.F.; BORBA, W.F.; KEMERICH, P.D.C. (2010). Diagnóstico para o gerenciamento dos resíduos sólidos em oficina mecânica: estudo de caso em concessionária do município de Frederico Westphalen – RS. Revista Monografias Ambientais - Remoa, Santa Maria, v. 14, n. 1, p.2899-2908.

GOUVEIA, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & Saúde Coletiva, São Paulo, v. 6, n. 17, p.1503-1510.

HOFF, G.G. (2008). Estudo sobre a gestão de resíduos sólidos em fornecedores de peças usinadas para a dana albarus. Dissertação de Mestrado, Curso de Programa de Pós-graduação em Gestão Tecnológica. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, Rio Grande Do Sul, Brasil.

LA ROVERE, E. L. ; D’AVIGNOM, A.; PIERRE, C.V.; KLIGERMAN, D.C.; SILVA, H.V.O.; BARATA, M.M.L.; MALHEIROS, T. M. M. (2011). Manual de Auditoria Ambiental. 3. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora.

MASSUKADO, L. M. (2016). Compostagem: nada se cria, nada se perde; tudo se transforma. Brasília: Edit. Ifb, 86 p.

MAZZER, C.; CAVALCANTI, O.A. (2004). Introdução à gestão ambiental de resíduos. Infarma, v.16, nº 11-12.

MEDEIROS, F. S. B.; BOLSSON, D.; FREITAS, M.M.M; WEISE, A.D. (2012). Gestão ambiental: um estudo sobre o impacto das ações sustentáveis na decisão de compra do cliente. Revista Ciências Sociais em Perspectiva, v.11, n. 21.

MENDONÇA, F.L.(2018). CARACTERIZAÇÃO DAS CINZAS DE INCINERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA INSERÇÃO EM CICLOS PRODUTIVOS E AMBIENTAIS. Trabalho de conclusão de curso, Curso de Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia, Natal, Rio Grande Do Norte, Brasil.

RICK, E. F.; IBDAIWI, T.K.R.; ALMEIDA, D.M.; CORRÊA, J.S.; LOPES, L.F.D (2015). A Responsabilidade Socioambiental e a Gestão de Resíduos do Aço: um estudo de caso em uma empresa em Santa Maria – RS. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n. 2, p.595-608.

ROCHA, M.; SARFATI, G. (2018). Cenários prospectivos para a competitividade do varejo de veículos no brasil em 2040. Future Studies Research Journal. V.10, N.2, P. 238 – 269.

SANLISOY, A.; CARPINLIOGLU, M.O. (2017). A review on plasma gasification for solid waste disposal. International Journal Of Hydrogen Energy, [s.l.], v. 42, n. 2, p.1361-1365.

SILVA, l. M. S; LUKA A. P; ISMAR, P. J. (2017). Análise crítica política nacional de resíduos sólidos: principais pontos e aplicabilidade. Ciências exatas e tecnológicas Alagoas v. 4,| n. 2 , p. 37-48.

SOLTANI, A.; SADIQ, R.; HEWAGE, K. (2017). The impacts of decision uncertainty on municipal solid waste management. Journal Of Environmental Management, v. 197, p.305-315.

SOUSA, A. I.; SILVA, P.H.; OLIVEIRA, Y.R.; FRANCISCHINI, P.D.D.; PACHECO, A.C.L.; ABREU, M.C. (2017). Compostagem como ferramenta de educação no campo. Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, [s.l.], v. 10, n. 1, p.30-46, 23

YADAV, V.; KARMAKAR, S.; BHURJEE, A.K.; DIKSHIT, A. K. (2017). A facility location model for municipal solid waste management system under uncertain environment. Science Of The Total Environment, [s.l.], v. 603-604, p.760-771.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015