COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE MEXILHÕES NO MUNICÍPIO DE BELÉM, ESTADO DO PARÁ

Weverton John Pinheiro dos Santos, Elideth Pacheco Monteiro, Déborah Camilla dos Santos Costa, Cláudia Antonia Campos Rodrigues de Oliveira, Marcos Antônio Souza dos Santos

Resumo


No estado do Pará, os manguezais formam uma área de aproximadamente 390 mil hectares, apresentando uma grande diversidade de espécies, entre as quais encontram-se os mexilhões, que são extraídos de forma artesanal pelos moradores locais e possuem valor comercial. O trabalho objetivou caracterizar o perfil do consumidor de mexilhão em feiras livres do município de Belém. Para isso, foram realizadas entrevistas de forma direta com 240 pessoas através de questionários. Os dados foram tabulados em planilha eletrônica e gerados gráficos. Do total de entrevistados, apenas 38,33% consomem mexilhão, dos quais a maioria consome esse alimento poucas vezes ao ano. Os fatores mais expressivos na decisão de compra foram preço, qualidade e higiene do produto comercializado. Quanto a preferência no momento da compra, os consumidores preferem adquirir o mexilhão na concha (76,09%). Além disso, foi possível verificar que a quantidade consumida por mês é inferior a 01 kg (73,91%), e que a mesma vem diminuindo nos últimos cinco anos (53,26%). Os consumidores desse alimento se mostraram pouco presentes nas feiras visitadas e o seu baixo consumo deve-se a preferência por outros tipos de carne, como bovina, aves e peixes.

Palavras-chave


Economia pesqueira; Comportamento do consumidor; Análise de mercado; Amazônia

Texto completo:

PDF

Referências


Alves JRP. Manguezais: educar para proteger. Rio de Janeiro: FEMAR: SEMADS, 2001.96 p.

Antoniolli MA. Vida útil do mexilhão Perna perna (L.) processado e mantido sob refrigeração. 1999. 99f. Dissertação (Mestrado em Ciência dos Alimentos) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 1999.

Caglak E, Cakli S, Kilinc B. Microbiological, chemical and sensory assessment of mussels (Mytilus galloprovincialis) stored under modified atmosphere packaging. Eur Food Res Technol, v. 226, p. 1293-1299, 2008.

Costa AD, Almeida IC, Oliveira JS. Mercado e perfil do consumidor de peixe no Estado do Pará. Pôster comercialização, mercados e preços. Pará, 2009.

De Souza RV, Novaes ALT, Dos Santos AA, Rupp GS, Silva FM. Controle Higiênico-Sanitário de Moluscos Bivalves no Litoral de Santa Catarina. Panorama da Aqüicultura, p. 54-59, 2009.

FAO. The State of World Fisheries and Aquaculture 2012. Food and Agriculture Organization of the United Nations, Rome, Italy. 2012. 209 p.

Ferreira MS, Mársico ET, Conter-Junior CA, Marques-Júnior AN, Mano SB, Clemente SCS. Contaminação por metais traços em mexilhões Perna perna da costa brasileira. Ciencia Rural, Santa Maria, 2013.

Figueiro RCM, Sousa JM, Castro EM. Fatores que Influenciam na Decisão de Compra de Pescado no Mercado de Peixe de Bragança – PA. Rev. Bras. Eng. Pesca 7(1): 60-72, 2014.

Garvin DA. A qualidade como diferencial competitivo. Disponível em: . Acessado em: 03 de dez. 2018.

Gerling C, Ranieri C, Fernandes L, Gouveia MTJ, Rocha, V. Manual de Ecossistemas Marinhos e Costeiros para Educadores. Santos, SP: Editora Comunicar, 2016. 64p.

Hanazaki N, Begossi A. Catfish and mullets: the food preferences and taboos of caiçaras (Southern Atlantic forest coast, Brazil). Interciencia. 31(2): 1-2. 2006.

IBAMA, INSTRUÇÃO NORMATIVA n° 105, de 20 de julho de 2006. Estabelece regras de ordenamento pesqueiro para a extração de mexilhões Perna perna de estoques naturais e os procedimentos para instalação de empreendimentos de malacocultura em Águas de Domínio da União no Litoral Sudeste-Sul do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 24 de julho de 2006, Seção 1, p.69.

ICMBio–Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Atlas dos Manguezais do Brasil–Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2018. 176 p.: il ISBN 978-85-61842-75-8.

Mansur MCD, Valer RM. Moluscos bivalves do rio Uraricoera e rio Branco, Roraima, Brasil. Amazoniana 1(12): 85- 100, 1992.

Marques HLA. Criação Comercial de Mexilhões. São Paulo: Nobel, 1998, 109 p.

Minozzo MG, Haracemiv SMC, Waszczynskyi N. Perfil dos consumidores de pescado de São Paulo (SP), Toledo (PR) e Curitiba (PR) no Brasil. Revista Alimentação Humana, v. 14, n. 3, p. 133-140, 2008.

MMA – Ministério do Meio Ambiente. Atlas do Mangue do Brasil. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2018.176p.

Monteiro SM, El-Robrini M, Alves ICC. Dinâmica Sazonal de Nutrientes em Estuário Amazônico. Mercator, Fortaleza, v. 14, n. 1, p.151-162, 2015.

Neto APR. Fatores que influenciam na decisão de compra de pescado nas feiras livres de Macapá - AP. 2010. 38 f.

Nishida AK. Catadores de moluscos do litoral Paraibano. Estratégias de subsistência e formas de percepção da natureza. 2000. 143 p. Tese (Doutorado em Ecologia e Recursos Naturais) – Universidade Federal de São Carlos. São Carlos-SP, 2000.

Oliveira MCRM. Moluscos Bivalves em Portugal: Composição Química e Metais Contaminantes. 2012. 85f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Segurança Alimentar) – Universidade Nova de Lisboa, 2012.

Paixão RB, Bruni AL, Ladeira R. Preço versus qualidade: um estudo com consumidores soteropolitanos. 2008. Disponível em: >. Acesso em: 12 de dez. 2018.

Pimpão DM, Rocha MS, Fettuccia DC. Freshwater mussels of Catalão, confluence of Solimões and Negro rivers, state of Amazonas, Brazil. Check List 4(4): 395-400, 2008.

Rodríguez-Jérez JJ, Hernández-Herrero MM, Roig-Sagués AX. New methods to determine fish freshness in research and industry. Global quality assessment in Mediterranean aquaculture. Zaragoza: CIHEAM, Cahiers Options Méditerranéennes; n. 51p. 63-69, 2000.

Rosa RCC, Ferreira JF, Pereira A, Magalhaes ARM, Oliveira Neto FM, GUZENSKI J, et al. Biologia e cultivo de mexilhões. Florianópolis: EPAGRI/UFSC, 1998. 106 p

Santos-Filho JI, Schlindwein MM, Scheuermann JN. Fatores determinantes do consumo de ovos no Brasil. R. Econ. Agríc. 56(2):37-46, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________