VARIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO EM FILTRO LENTO CONVENCIONAL E COM CARVÃO ATIVADO

ARISTON SILVA MELO JÚNIOR

Resumo


A proteção e o uso adequado das fontes de água potável no planeta devem ser buscadas de forma exaustiva para a conservação da vida na terra. O processo de industrialização e crescimento demográfico acabam por tornar ainda mais preocupante a manutenção das reservas hídricas para garantir o desenvolvimento sustentável. Frente a esse desafio, cada vez mais os ramos da engenharia ligados à área ambiental vem desenvolvendo novos métodos de tratamento do esgoto de forma a alcançar a manutenção da água para as futuras gerações. Entre as novas tecnologias em estudo tem-se o sistema de filtração lenta que a partir da utilização de reservatórios com camadas de areia e pedra de tamanhos distintos possibilitam por processos físico-químicos a depuração do esgoto. A presente pesquisa buscou monitorar e avaliar a concentração de oxigênio dissolvido em um sistema de filtros lentos com e sem carvão ativado projetado e instalado na UNICAMP. Durante as nove semanas de estudo os resultados alcançados foram de eficiência no ganho de oxigênio dissolvido no filtro com e sem carvão ativo de 90,67% e 49,50%, respectivamente.


Palavras-chave


Filtro lento; Reuso; Sustentabilidade; Esgoto Doméstico.

Texto completo:

PDF

Referências


-AZEVEDO NETTO, J.M. & HESPANHOL, I. Técnicas de Abastecimento e Tratamento de Água. Cap. 23: Filtração Lenta, São Paulo: CETESB, 20 ed., vol 2, p.869-882., 1987.

-CONAMA Nº 357. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Data da legislação: 17/03/2005 - Publicação DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63.

-DI BERNARDO, L. - Tratamento de águas de Abastecimento por Filtração em Múltiplas Etapas. ABES/ PROSAB. Rio de Janeiro. 1999.

-DI BERNARDO , L. Filtração lenta e pré-filtração de águas de abastecimento. Apostila, Escola de Engenharia de São Carlos - USP,1989.

-DI BERNARDO , L. Métodos e técnicas de tratamento de água. Vol. 2 Rio de Janeiro: ABES, 1993.

-DI BERNARDO, L.; DANTAS, A. D. B. Métodos e técnicas de tratamento de água. 2. ed. São Carlos: Rima, 2005.

-EDZWALD, J. K., BECKER, W. C., WATTIER, K. L. Surrogate Parameters for Monitoring Organic Matter and THM Precursors, Journal American Water Works, april, p.122-132. 1985.

-FERRAZ, F.C., PATERNIANI, J.E.S., Redução da Espessura da Camada Suporte através da Substituição por Mantas Sintéticas Não Tecidas na Filtração Lenta de Água de Abastecimento Revista Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES, Vol 7, nº 6 e 7, pg 8 – 15, Jan/Jun 2002.

-FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE; Portaria no 518; Padrão de Potabilidade de Água para Consumo Humano – Ministério da Saúde, 2004.

-HERMANOWICZ, S.W. and ASANO, T. Abel Wolman´s The Metabolism of cities revisited: a case for water recycling anda reuse. Water Science and Technology, Vol. 40, No. 4-5, pp. 29-36, 1999.

-MARRARA D. A. Filtração lenta em areia, manta não tecida e carvão ativado como pós-tratamento de efluentes domésticos e reuso. Dissertação de Mestrado. UNICAMP. 117p. 2005.

-MACHADO, J. C. S. Reuso da água doce. Ambientebrasil. Disponível em:

http://www.ambientebrasil.com.br/composer.php3?base+./água/doce/index.html&conteu ... 5/1/2016. 2004.

-MABWETTE, T.S.A. & GRAHAM, N.J.D. Improving the efficiency of slow sand filtration and separation wilth non-woven synthetic fabrics. In: Filtration and separation, vol. 24.1987.

-MELO JÚNIOR, A. S. Projeto de Filtro Lento. Apostila. UNICAMP. 2005.

-METCALF e EDDY, Wasterwater engineering – treatment, disposal and reuse.New York: McGraw Hill Inc, 3aedição, 1991.

-NTS 012 – OD: Análise de Oxigênio Dissolvido (OD) – Método Eletrométrico. Norma Técnica Interna SABESP, 2001.

-PATERNIANI, J.E.S. Utilização de mantas sintéticas não tecidas na filtração lenta em areia de águas de abastecimento. Tese de doutoramento, EESC - USP, 1991.

-PATERNIANI, J.E.S.; CONCEIÇÃO, C.H.Z. Eficiência da pré-filtração e filtração lenta no tratamento de água para pequenas comunidades. Revista de Engenharia Ambiental, Espírito Santo do Pinhal, v.1, n.1, p.000-000, jan./dez., 2002.

-PORTO, R. M. Hidráulica Básica, 2 edição, EESC – USP, 1999.

-Portaria 1469. NORMA DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. 29/12/2000.

-PROGRAMA DE PESQUISA EM SANEAMENTO BÁSICO (PROSAB). Tratamento de águas de abastecimento por filtração em múltiplas etapas. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, 1999.

-PIVELI. R. P. QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS. Apostila. Curso: OXIGÊNIO DISSOLVIDO E MATÉRIA ORGÂNICA EM ÁGUAS. 2010.

-RICHTER, C. A.; AZEVEDO NETTO, J. M.; Tratamento de água – Tecnologia atualizada, São Paulo, p. 24-8, 286-7, 1991.

-SPERLING, M.V., Introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos, DESA/UFMG, Belo Horizonte, vol.1, 243p, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________