PERCEPÇÃO DOS MORADORES SOBRE OS IMPACTOS DO LIXO NA SAÚDE PÚBLICA, GUANAMBI- BA

Adson Conceição Virgens, Cinoélia Leal de Souza, Jader Silva Ramos, Ane Carilline Donato Vianna, Gabriella Pimentel Marques, Jaqueline Lopes Prates, Daniela Teixeira de Souza, Jayne Santos Silva, Denise Lima Magalhães, Leandro Silva Paudarco, Elaine Santos da Silva

Resumo


O estudo objetivou compreender a percepção de uma comunidade do semiárido baiano sobre os impactos do lixo para saúde. A pesquisa teve abordagem qualitativa exploratória, realizado por meio de entrevistas individuais com 25 participantes de Guanambi-BA. Os dados foram organizados, identificados, transcritos e analisados para posterior análise, sendo divididos em duas categorias: O conhecimento da população sobre a coleta do lixono território de vivência, e as consequências do acúmulo do lixo para a saúde pública. Dentre os achados da pesquisa, notou-se que a população entrevistada relata dúvidas quanto ao processo de coleta de lixo da cidade. É válido ressaltarque a população percebe que o lixo exposto a céu aberto implica em doenças, mas não identificam os cuidados necessários para minimizar e impedir esse processo. Diante disso, há uma necessidade de formular e fortalecer as políticas públicas de cunho municipal para a coleta, destinação e educação da população quanto aos riscos do lixo e suas repercussões para a saúde pública.


Palavras-chave


coleta de resíduos sólidos, saúde ambiental, conservação dos recursos naturais

Texto completo:

PDF

Referências


ABRELPE. Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos

Especiais. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil: 2017. Brasília: ABRELPE, 2017.

ASSAD, L; SIQUEIRA, T. Lixões continuam por toda parte. Ciência e Cultura, v. 68, n. 2, p., 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3ed. São Paulo: Edições 70, 2011. 229p.

BERNARDO, M.; SILVA, L. R. Planejamento e implantação de um programa de coleta seletiva: utilização de um sistema de informação geográfica na elaboração das rotas. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 9, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília:

Ministério da Saúde, 2012.

__________. Ministério da Saúde. DATASUS. Disponível em: .Acesso em: 04 de março de 2019.

________. Presidência da República. Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Versão preliminar para consulta pública. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2011.

BRAVO, T. L. et al. Educação ambiental e percepção da implantação de coleta seletiva de lixo urbano em de alegre, es. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, v. 7, n. 1, p. 375-396, 2018.

BUSATO, M.A. et al. Reflexões sobre a relação saúde e ambiente: a percepção de uma comunidade. HOLOS, [S.l.], v. 6, p. 460-471, dez. 2015.

CARDOSO, F. C.I; CARDOSO, J. C. O problema do lixo e algumas perspectivas para redução de impactos. Ciência e Cultura, v. 68, n. 4, p. 25-29, 2016.

CARVALHO, C. D. S.; SOUZA, Z. H. Reflexão acerca da incidência dos casos de Dengue, Chikungunya e Zica no Brasil. Anais Colóquio Estadual de Pesquisa Multidisciplinar (ISSN-2527-2500), v. 1, n. 1, 2017.

COELHO M. G. et al. Estudo do processo fenton homogêneo no tratamento do chorume do aterro sanitário do município de contagem. Revista Iniciação Científica, v. 10, n. 21, 2016.

CONKE, L. S; NASCIMENTO, E. P. A coleta seletiva nas pesquisas brasileiras: uma avaliação metodológica. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 10, n. 1, p. 199-212, 2018.

COSTA, T. G. A. et al. Impactos ambientais de lixão a céu aberto no Município de Cristalândia, Estado do Piauí, Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 3, n. 4, p. 79-86, 2016.

DIAS, G.L. et al . Representações sociais sobre saúde e meio ambiente para equipes de Estratégia Saúde da Família. Saude soc., São Paulo , v. 27, n. 1, p. 163-174, Jan. 2018.

DUARTE, R.; MACHADO, R. M. Efeitos do tratamento de resíduos sólidos na saúde e na economia. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, v. 19, n. 2, 2015.

FAJERSZTAJN, L; VERAS, M; SALDIVA, P. H. N. Como as cidades podem favorecer ou dificultar a promoção da saúde de seus moradores?. Estudos Avançados, v. 30, n. 86, p. 7-27, 2016.

FILHO, O.S. et al. Projeto Estiva: uma iniciativa de gestão de resíduos sólidos urbanos em comunidades de baixa renda. Revista ELO – Diálogos em Extensão, Viçosa, MG, v. 6, n. 3, dez. 2017. ISSN 2317-5451.

GARCIA, M. B. et al. Resíduos sólidos: responsabilidade compartilhada. Semioses, v. 9, n. 2, p. 77-91, 2016.

GONÇALVES, C. A; SILVA, N. M. Análise da interação dos alimentos, do lixo e do consumo doméstico: uma revisão de literatura. ANAIS SIMPAC, v. 6, n. 1, 2016.

GONÇALVES, R. P. et al. Contribuições recentes sobre conhecimentos, atitudes e práticas da população brasileira acerca da dengue. Saúde e Sociedade, v. 24, p. 578-593, 2015.

GONÇALVES, N. V. et al. Distribuição espaço-temporal da leptospirose e fatores de risco em Belém, Pará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 3947-3955, 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Panorama da cidade de Guanambi,

Bahia. Disponível em: . Acessoem: 26 de fevereiro de 2019.

MAIELLO, A; BRITTO, A. L. N; VALLE, T. F. Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Revista de Administração Pública, v. 52, n. 1, p. 24-51, 2018.

MENDONÇA, D. S. M; FONSECA-ZANG, W A; ZANG, J. W. Efeitos e danos ambientais da disposição de resíduos sólidos na área do lixão e aterro controlado no município de Inhumas-GO. Caderno de Geografia, v. 27, n. 50, p. 486-499, 2017.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 29 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

OLIVEIRA, R. R. Resíduos sólidos urbanos: o processo de incineração e seus impactos na saúde humana.2016.

PEREIRA, S.S.; MELO, J. A. B. Gestão dos resíduos sólidos urbanos em Campina Grande/PB e seus reflexos socioeconômicos. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 4, n. 4, 2008.

PICCOLI, A. L.; SOUZA, A. E.; TOCCHETTO, M. R.L. Compostagem de resíduos: ação complementar à coleta seletiva solidária UFSM. Revista Brasileira de Iniciação Científica, v. 5, n. 6, p. 62-75, 2018.

QUERINO, L. A. L.; PEREIRA, J. P. G. Geração de resíduos sólidos: a percepção da população de São Sebastião de lagoa de roça, Paraíba. Revista Monografias Ambientais, [S.l.], p. 404-415, jan. 2016. ISSN 2236-1308

QUINTO, W. A. S et al. Educação ambiental mediada por tecnologias digitais para a solução da problemática de resíduos sólidos urbanos da cidade de Altamira-PA. In: Forum Internacional de Resíduos Sólidos-Anais. 2017.

ROCHA, K.A. et al. Sustentabilidade das famílias que sobrevivem da coleta de resíduos recicláveis no contexto da sociedade moderna. Revista Ciência & Saberes-Facema, v. 3, n. 4, p. 664-670, 2018.

SALDANHA, A. N. et al. A percepção de moradores acerca do sistema de coleta de resíduos sólidos no município de macapá-ap. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, v. 7, n. 2, p. 44-66, 2018.

SANTOS, A. B. et al. Panorama do gerenciamento de resíduos sólidos urbanos dos municípios de Salvador-BA e Curitiba-PR e seus impactos na saúde pública. In: Fórum Internacional de Resíduos Sólido-Anais. 2017.

SANTOS, E. A. et al. Fatores socioambientais e ocorrência dos casos de dengue em Guanambi-Bahia. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 5, n. 3, p. 552-562, 2015.

SCHIO, S. S. Estudo de Caso Acerca da destinação do lixo doméstico e conscientização ambiental em Restinga Sêca-RS. Boletim Geográfico do Rio Grande do Sul, n. 27, p. 9-29, 2016.

SILVA, A. R.S. et al. Impactos ambientais referentes à não coleta de lixo e reciclagem. Caderno de Graduação-Ciências Exatas e Tecnológicas-UNIT ALAGOAS, v. 2, n. 3, p. 63-76, 2015.

SILVA, F. M. Diagnóstico e tratamento por compostagem dos resíduos sólidos orgânicos provenientes do mercado público do município de Pombal-PB. 2017.

SOUZA, S. A. R. et al. Impactos ambientais referentes à não coleta de lixo e reciclagem. Caderno de Graduação-Ciências Exatas e Tecnológicas-UNIT-ALAGOAS, v. 2, n. 3, p. 63-76, 2015.

SOUZA, C.L; ANDRADE, C.S. Saúde, meio ambiente e território: uma discussão necessária na formação em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n.10, p. 4113-4122, 2014.

SILVA, A. M. S. O destino do lixo: percepção ambiental dos moradores do distrito de Riacho Cruz, Januária/MG. Revista Multitexto, v. 4, n. 01, 2016.

SILVA, L. A. et al. O impacto das questões ambientais na saúde. Semioses, v. 9, n. 2, p. 59-67, 2016.

SOUSA, J. et al. Análise espaço-temporal da doença de Chagas e seus fatores de risco ambientais e demográficos no município de Barcarena, Pará, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 20, p. 742-755, 2017.

TADEU et al. Estudo sobre a percepção do cidadão lavrense em relação ao descarte de lixo. BrazilianJournalofProductionEngineering-BJPE, v. 4, n. 1, p. 99-115, 2018.

VALENTE, B.S. et al. Impactos ambientais dos resíduos sólidos no município de Pelotas/RS: Um olhar fotográfico. Electronic Journal of Management, Education and Environmental Technology (REGET), v. 20, n. 1, p. 97-104, 2016.

VIRGENS, A. C. et al. A poluição como impacto ambiental na saúde pública sob o olhar dos enfermeiros da atenção primária. Atas de Saúde Ambiental-ASA (ISSN 2357-7614), v. 7, n. 1, p. 42-60, 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________