CONCENTRAÇÃO DE FÓSFORO TOTAL EM SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO POR LAGOA FACULTATIVA

ARISTON SILVA MELO JÚNIOR

Resumo


O crescimento da zona urbana e o aumento populacional levaram ao impacto dos recursos hídricos. A crescente demanda por água para abastecimento, processos industriais e a agricultura, também levaram a deterioração da água no planeta. O desenvolvimento da engenharia civil no ramo sanitarista possibilitou a introdução de novas tecnologias para tratamento do esgoto gerado pelos centros urbanos e agrícolas. Houve a introdução de uma gama de sistemas, tais como: aeradores, decantadores, reatores, leitos cultivados, entre outros. A proposta de pesquisa atual resultou no monitoramento e analise das concentrações de fósforo em uma lagoa facultativa. As lagoas facultativas são grandes reservatórios onde, através de tempos de detenção hidráulicos distintos, pode-se resultar em uma melhora nos parâmetros de potabilidade. A presente pesquisa estudou um sistema de lagoa desenvolvido num município do estado de São Paulo, Brasil. O projeto foi desenvolvido no período de 02 de julho a 03 de setembro de 2018, que nos possibilitou avaliar os índices de fósforo. As analises foram realizadas semanalmente, pelo método AOAC Official Method 973.55 – Phosphorus in water e permitiram constatar numa concentração de fósforo médio de 10,76 mg.L-1.


Palavras-chave


Saneamento Básico, Engenharia Civil, Meio Ambiente, Bioma, Fósforo.

Texto completo:

PDF

Referências


MÉTODO OFICIAL 973.55 da AOAC para Fósforo em Água. Método Oficial para analises de fósforo da AOAC Internacional. 2000.

ALBANO, P. V. Utilização de ácido tricloroisocianúrico (ATCI) na desinfecção de efluente sanitário de lagoa facultativa: avaliação da formação de trialometanos (TAMs). Dissertação. UNICAMP. Campinas, SP, 2014.

ARAÚJO, L. P. F. Reuso com lagoas de estabilização: Potencialidade no Ceará. 1 ed. Fortaleza, Ceará: Superintendência estadual de meio ambiente, 2000

CAMPOS, J. A. Desinfecção de efluente de lagoa facultativa com ácido ricloroisocianúrico: Avaliação da inativação de coliformes. Dissertação. UNICAMP. Campinas, SP, 2014.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE (CONAMA). RESOLUÇÃO No 357. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. 17 de março de 2005.

CORAUCCI FILHO, B. et al. Cloração e descloração. In: GONÇALVES, R.F. Desinfecção de efluentes sanitários, Prosab - Edital 3. Rio de Janeiro: ABES, RiMa, 2003. Capítulo 4. p.113-168.

DIAS, D. L. Demanda Bioquímica de Oxigênio. Brasil Escola. Disponível em . Acesso em 13 de outubro de 2018.

MELO JÚNIOR, A. S. Dinâmica da remoção de nutrientes em alagados construídos com Typha sp. Dissertação de Mestrado. UNICAMP. 2003.

MONTEIRO, A. J. Eutrofização. Instituto Superior Técnico. 2004.

PERÍGOLO, R. A. Avaliação do Emprego de Lagoas de Estabilização em Escala Piloto para Pesquisa de Tratamento de Esgoto Doméstico. Dissertação. UNB. [Distrito Federal] 2004.

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIRAPUÃ. Plano de saneamento municipal: água e esgoto. Itirapuã, 2011.

PORTO, R. M. Hidráulica Básica, 2 edição, EESC – USP, 1999.

VON SPERLING, M. Princípios do tratamento biológico de águas residuárias: Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. 2 ed. Minas Gerais: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, UFMG, 1996. v. 1, 243 p.

YÁNEZ C. F. Lagunas de Estabilización. Cuenca, Ecuador: Monsalve, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________