INFLUÊNCIA DA INTERNACIONALIZAÇÃO NO ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL

Maria Regina Martinazzo, Lucas Antônio Vargas, Cleunice Zanella, Claudio Jacoski, Rodrigo Barichello

Resumo


Estudos reconhecem que a internacionalização, pode ser vista como um fator chave para a competitividade industrial e crescimento econômico na era da globalização. O objetivo do estudo é verificar como a internacionalização das empresas brasileiras influência na adesão ao índice de sustentabilidade empresarial no período de 2010 a 2018. Realizou-se uma pesquisa descritiva, documental e quantitativa. Os dados foram obtidos no website da B3, no site da Fundação Dom Cabral e no banco de dados Economatica®. As análises foram feitas com o auxílio da técnica de regressão logística. Os resultados evidenciam que as empresas com maiores níveis de internacionalização, detêm maior probabilidade de adesão a carteira ISE de sustentabilidade empresarial. As variáveis de controle utilizadas no estudo, rentabilidade dos ativos, tamanho das empresas, ebitda e lucro por ação, não apresentaram significância no modelo proposto. As empresas transnacionais, ao aderirem a práticas sustentáveis, podem distinguir-se das demais, incrementando sua força tecnológica e inovadora, bem como, sua competitividade frente ao mercado global. Neste cenário, os stakeholders tanto nacionais, quanto internacionais, possuem papel fundamental no que tange sua relação com o desempenho econômico, ambiental e social das organizações, corroborando a internacionalização.


Palavras-chave


Sustentabilidade empresarial; Internacionalização; Empresas brasileiras;

Referências


Alimadadi, S., Bengtson, A., & Hadjikhani, A. (2018). How does uncertainty impact opportunity development in internationalization? International Business Review, 27(1), 161-172. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ibusrev.2017.06.002.

Andrade, L. P., Bressan, A. A., Iquiapaza, R. A., & de Melo Moreira, B. C. (2013). Determinantes de adesão ao Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBOVESPA e sua relação com o valor da empresa. Revista Brasileira de Finanças, 11(2), 181-213.

Belloque, M. C. M.; Romaro, P.; Belloque, G. G. BM&F BOVESPA (2019). Recuperado em: http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/indices/indices-de-sustentabilidade/indice-de-sustentabilidade-empresarial-ise.htm . Acesso em: 10 jul. 2019.

Bonfim, M. P., Padovani, F., & Duque, A. P. O. (2015). O Impacto do Câmbio nas Ações das Empresas Brasileiras Internacionalizadas. Pensar Contábil, 17(62).

Borges, A. D., Rosa, F. D., & Ensslin, S. R. (2010). Evidenciação voluntária das práticas ambientais: um estudo nas grandes empresas brasileiras de papel e celulose. Produção On Line, 20(3), 404-417.

Castro, L. A. (2017). Análise de diferenças de desempenho entre empresas participantes e não participantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBOVESPA. Revista Ciências Administrativas, 23(1), 128-155.

Cuervo‐Cazurra, A. (2012). Extending theory by analyzing developing country multinational companies: Solving the Goldilocks debate. Global Strategy Journal, 2(3), 153-167.

DOI: https://doi.org/10.1111/j.2042-5805.2012.01039.

Elkington, J. (2001). Canibais com garfo e faca (p. 444). São Paulo: Makron Books.

Chen, P. H., Ong, C. F., & Hsu, S. C. (2016). The linkages between internationalization and environmental strategies of multinational construction firms. Journal of cleaner production, 116, 207-216. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2015.12.105.

Contractor, F. J., Kundu, S. K., & Hsu, C. C. (2003). A three-stage theory of international expansion: The link between multinationality and performance in the service sector. Journal of international business studies, 34(1), 5-18.

Costa, L. P. D. S., & Figueira, A. C. R. (2017). Risco político e internacionalização de empresas: uma revisão bibliográfica. Cadernos EBAPE. BR, 15(1), 63-87.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1679-395156933.

Cruz, C. O.; Gaspar, P.; Brito, J. D. (2019). On the concept of sustainable sustainability: An application to the Portuguese construction sector. Journal of Building Engineering, p. 100836, 2019.

Engelman, R., & Fracasso, E. M. (2013). Contribuição das incubadoras tecnológicas na internacionalização das empresas incubadas. Revista de Administração, 48(1), 165-178.

DOI: https://doi.org/10.5700/rausp1080.

Fávero, L. P., & Belfiore, P. (2017). Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel®, SPSS® e Stata®. Elsevier Brasil.

Gaur, A. S., & Kumar, V. (2009). International diversification, business group affiliation and firm performance: Empirical evidence from India. British Journal of Management, 20(2), 172-186.

Gomes, C. M., Kruglianskas, I., Júnior, F. H., & Scherer, F. L. (2009). Gestão da inovação tecnológica para o desenvolvimento sustentável em empresas internacionalizadas. Gestão & Regionalidade, 25(73), 35-47.

Gomes, L., & Ramaswamy, K. (1999). An empirical examination of the form of the relationship between multinationality and performance. Journal of international business studies, 30(1), 173-187.

Geringer, J. M., Beamish, P. W., & DaCosta, R. C. (1989). Diversification strategy and internationalization: Implications for MNE performance. Strategic management journal, 10(2), 109-119. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.4250100202.

Guimarães, T. M., Peixoto, F. M., & Carvalho, L. (2017). Sustentabilidade empresarial e governança corporativa: uma analise da relação do ISE da BM&FBOVESPA com a Compensação dos Gestores de Empresas Brasileiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 11(2), 134-149.

Hrdlicka, H. A., & Kruglianskas, I. (2010). Influência das práticas de gestão socioambiental na internacionalização de empresas brasileiras. Gestão empresarial para a internacionalização das empresas brasileiras. São Paulo: Editora Atlas, 1, 253-289.

Jain, N. K., Celo, S., & Kumar, V. (2019). Internationalization speed, resources and performance: Evidence from Indian software industry. Journal of Business Research, 95, 26-37. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2018.09.019.

Lameira, V. J., Ness Jr, W. L., Quelhas, O. L. G., & Pereira, R. G. (2013). Sustainability, value, performance and risk in the Brazilian capital markets. Review of Business Management, 15(46), 76-90. DOI: https://doi.org/10.7819/rbgn.v15i46.1302.

Luo, X., & Zheng, Q. (2018). How firm internationalization is recognized by outsiders: The response of financial analysts. Journal of Business Research, 90, 87-106. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2018.04.030.

Macedo, F., Barbosa, H., Callegari, I., Monzoni, M., & Simonetti, R. (2012). O Valor do ISE: principais estudos e a perspectiva dos investidores. São Paulo: BM&fbovespa.

Masullo, D. G., & Lemme, C. F. (2009). Um exame da relação entre o nível de internacionalização e a comunicação ambiental nas grandes empresas brasileiras de capital aberto. REAd-Revista Eletrônica de Administração, 15(3), 257-280.

Monteiro, H. A. R. (2006). Mercado ético: a força do novo paradigma empresarial. Editora Cultrix.

Nunes, J. G., Teixeira, A. J., Nossa, V., & Galdi, F. C. (2010). Análise das variáveis que influenciam a adesão das empresas ao índice BM&F Bovespa de sustentabilidade empresarial. Revista Base (Administração E Contabilidade) da UNISINOS, 7(4), 328-340.

Petry, J. F., Brizolla, M. M. B., de Azevedo Herculano, H., & Hein, N. (2014). Influência da internacionalização das empresas brasileiras na criação de valor. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 7(1), 158-180.

Ramamurti, R. (2012). What is really different about emerging market multinationals? Global Strategy Journal, 2(1), 41-47.

Rosati, F., & Faria, L. G. (2019). Addressing the SDGs in sustainability reports: The relationship with institutional factors. Journal of cleaner production, 215, 1312-1326. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2018.12.107.

Ruigrok, W., & Wagner, H. (2003). Internationalization and performance: An organizational learning perspective. Management International Review, 43(1), 63-84.

Silva, J. R. (2005). A internacionalização das empresas portuguesas: a experiência brasileira. Revista de Administração de Empresas, 45(SPE), 102-115. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902005000500008.

Souza, P. V. S., Passos, D. L., & Portugal, G. T. (2017). Fatores relacionados à internacionalização das companhias brasileiras de capital aberto. Revista de Administração da Unimep, 15(1), 155-180.

Stal, E. (2010). Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na construção de vantagens competitivas. INMR-Innovation & Management Review, 7(3), 120-149.

Tseng, J. Y., & Yu, C. M. J. (1991). Export of industrial goods to Europe: the case of large Taiwanese firms. European Journal of Marketing, 25(9), 51-63.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233

 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015