PERCEPÇÃO DOS CONSUMIDORES SOBRE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO VAREJO: UMA ANÁLISE FATORIAL DOS CLIENTES DO SUPERMERCADO WALMART EM CAMPO GRANDE/MS

Arthur Caldeira SANCHES, Naira Denise Kalb, Leonardo Francisco Figueiredo Neto

Resumo


Um dos assuntos que vem ganhando destaque no ramo dos negócios é a gestão ambiental sustentável, em decorrência da preocupação cada vez maior com a escassez dos recursos naturais. Assim, a preocupação crescente em relação ao meio ambiente passa a se tornar obrigatória em missões empresariais e estratégias de gestão do meio ambiente. Certos consumidores necessitam de informações com mais precisão sobre os impactos causados pelos produtos ao meio ambiente. Como método utilizou-se a análise fatorial para se determinar quais fatores possuíam correlações significantes entre a gestão ambiental do Walmart da cidade de Campo Grande/MS e a percepção dos consumidores. Os resultados mostraram que, do conjunto de variáveis estudadas, obtém-se cinco fatores principais, sendo eles: percepção do consumidor, fornecedores, comunicação, ações internas e perfil. Destaca-se a observação no fator perfil de que a escolaridade influencia positivamente na percepção dos clientes sobre medidas ambientalmente sustentáveis adotadas pela empresa.


Palavras-chave


Gestão ambiental; análise fatorial; percepção dos consumidores

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ANDERSON, D. R; SWEENEY, D. J; WILLIAMS, T. A. (2011). Estatística Aplicada à Administração e Economia. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning.

BARBIERI, J. C. (2007). Gestão ambiental: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

BARBIERI, J. C.; CAJAZEIRA, J. E. R. (2009). Responsabilidade social empresarial sustentável: da teoria à prática, São Paulo: Saraiva.

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM VAREJO (GVcev) (2007). 5º Seminário de Responsabilidade Social no Varejo: Sustentabilidade na Cadeia de Valor. São Paulo: FGV-EAESP.

CHURCHILL, G. A. e PETER J. P. (2000). Marketing: criando valor para o cliente. São Paulo: Saraiva.

DIAS, R. (2008). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas.

DIAS, S. R. (2003). Gestão de marketing. São Paulo: Saraiva.

EPELBAUM, M. (2004). A influência da gestão ambiental na competitividade e no sucesso empresarial. 190f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

FARAH, O. E. (2006). Empreendedorismo estratégico no terceiro setor: experiências e parcerias em diferentes segmentos de atuação. In: CAVALCANTI, Marly (organizadora). Gestão social, estratégias e parcerias: redescobrindo a essência da administração brasileira de comunidades para o terceiro setor. São Paulo: Saraiva.

FURRIELA, R. B. (2001). Educação para o consumo sustentável. Ciclo de palestras sobre o meio ambiente: Programa conheça a educação do Cibec/Inep – MEC/SEF/COEA, 2001. Disponível em http://download.inep.gov.br/download/cibec/pce/2001/47-55.pdf. Acesso em: 08 jan. 2011.

HAIR, J. F. et al. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração, Porto Alegre: Bookman.

INSTITUTO AKATU. (2005). Descobrindo o consumidor consciente?. Disponível em: http://www.akatu.org.br/Content/Akatu/Arquivos/file/Publicacoes/10-consum.pdf. Acesso em 02 jan. 2011.

LEITE, P. R. (2000) Canais de distribuição reversos: fatores de influência sobre as quantidades recicladas de materiais. In: III Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais – SIMPOI, 4, 2000, São Paulo/SP. Anais... [DVD]. São Paulo: FGV-EAESP, SIMPOI.

MOWEN, J. C.; MINOR, M. S. (2002) Comportamento do consumidor. São Paulo: Prentice Hall.

PARENTE, J. (2000). Varejo no Brasil: gestão e estratégia. São Paulo: Atlas.

PLAMBECK, E. L. (2007). The greening of Wal-Mart’s supply chain. Supply Chain Management Review, v. 11,n. 5, p. 18-25, July.

PNUD - PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. (1998). Consumo sustentável. Trad. Admond Ben Meir. São Paulo: Secretaria do MeioAmbiente/IDEC/Consumers International.

PORTER, M. E. (1999). Competição, estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

PORTILHO, M. F. (2003). O discurso internacional sobre consumo sustentável: possibilidades de ambientalização e politização da esfera privada. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

RAVALD, A.; GRÖNROOS, C. (1996). The value concept and relationship marketing. European Journal of Marketing, vol. 30, n. 2, p. 19-30.

ROGERS, D.; TIBBEN-LEMBKE, R. (2001). An examination of reverse logistics practices. Journal of Business Logistics; v. 22, n. 2, p.129–48.

STERN, P. (1999). Information, incentives, and proenvironmental consumer behavior. Journal of Consumer Policy, Dordrecht, v. 22, n.4, 461-478.

SUPERHIPER. (2009). Revista da Associação Brasileira de Supermercados. São Paulo, n.402, outubro.

¬___________. (2011). Revista da Associação Brasileira de Supermercados. São Paulo: Abras, n. 418, abril.

TACHIZAWA, T.; ANDRADE, R. O.B. (2008). Gestão socioambiental: estratégias na nova era de sustentabilidade. Rio de Janeiro: Elsevier.

VACHON, S.; KLASSEN, R. D. (2006). Extending green practices across the supply chain: The impact of upstream and downstream integration, International Journal of Operations & Production Management , v. 26, n. 7.

YIN, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman.

ZEITHAML, V. A. (1988). Consumer perceptions of price, quality, and value: A means-end model and synthesis of evidence. Journal of Marketing, v. 52, n. 3, p. 2-22, jul.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015