DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL-TEMPORAL DAS INTERNAÇÕES POR DOENÇAS INFECCIOSAS INTESTINAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO, PARA A FAIXA ETÁRIA DE 5 A 14 ANOS, ENTRE 2001 E 2010

Paulo Eduardo Alves Camargo-Cruz

Resumo


As doenças infecciosas intestinais têm um peso importante na morbimortalidade infantil no Brasil: na primeira década do século XXI, foram responsáveis por 22.610 óbitos de crianças entre 0 e 14 anos de idade - conforme dados do Ministério da Saúde -, equivalendo a 42,6% do total de mortes registradas, do Capítulo I da CID-10, para esta faixa etária. Objetivo: Estudar a distribuição espacial e a variação temporal das internações por doenças infecciosas intestinais em crianças na faixa etária de 5 a 14 anos, no Estado de São Paulo, entre 2001 e 2010. Método: Estudo ecológico de séries temporais, utilizando dados de internações de crianças. Cálculo da morbidade hospitalar proporcional anual por Diarréias e Gastroenterites (CID A00-A09), segundo local de residência e idade. Resultados: A análise espacial auxilia na identificação dos territórios com as maiores taxas de internação, localizadas no Noroeste (2001) e no Oeste (2010) do Estado de São Paulo. O padrão da distribuição das internações, representados pela taxa de incidência nos anos estudados, mostra predomínio da doença em algumas regiões do Estado de São Paulo. Em um espaço de dez anos, as maiores taxas ocorreram nas mesmas regiões, o que denota uma provável falta de atenção nas ações de saúde. Conclusão: Os dados encontrados demonstram que, a despeito do investimento em saneamento ambiental, existiam ainda áreas endêmicas para as diarreias e gastroenterites, na faixa etária e no período, que deveriam ter sido alvos de ações de atenção básica em saúde e de políticas públicas em saneamento e educação ambiental, para minorar estes impactos.


Palavras-chave


Diarréias; São Paulo; Saneamento Ambiental; Internação por diarréia.

Texto completo:

PDF

Referências


DATASUS - Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde/Ministério da Saúde. Informações de Saúde. Indicadores de Saúde. Morbidade Hospitalar por residência da CID-10. 2016. Disponível em:

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: agregado de Setores Censitários dos Resultados do Universo. Rio de Janeiro, 2016.

Heller L, Colosimo EA, Antunes CMF. Environmental sanitation conditions and health impact: a case-control study. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2003;36(1):41-50.

Prado T, Migostovich MP. Virologia ambiental e saneamento no Brasil: uma revisão narrativa. Cad. Saúde Pública. 2014;30(7):1367-1378.

Murray CJL, Lopez AD, Nagahvi M, Wang H et al. Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015. Lancet. 2016;388(10053):1459-1544.

Buchalla CM, Waldman EA, Laurenti R. A mortalidade por doenças infecciosas no início e no final do século XX no Município de São Paulo. Rev. Bras. Epidemiol. 2003;6(4):335-344.

Martins RS, Eduardo MBP, Nascimento AF. Tendência temporal da mortalidade por doenças infecciosas intestinais em crianças menores de cinco anos de idade, no estado de São Paulo, 2000-2012. Epidemiol. Serv. Saúde. 2016;25(3):541-552.

Razzolini MTP, Günther WMR. Impactos na saúde das deficiências de acesso a água. Saúde Soc. 2008;17(1):21-32.

Paulo RLP, Rodrigues ABD, Machado BM, GILIO AE. The impact of rotavirus vaccination on emergency department visits and hospital admissions for acute diarrhea in children under 5 years. Rev. Assoc. Med. Bras. 2016;62(6):506-512.

Barcellos C, Bastos FI. Geoprocessamento, ambiente e saúde: uma união possível? Cad. Saúde Pública. 1996;12(3):389-397.

Lucena KDT, Silva ATMC, Moraes RM, Silva CC, Bezerra IMP. Análise espacial da violência doméstica contra a mulher entre os anos de 2002 e 2005 em João Pessoa, Paraíba, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2012;28(6):1111-1121.

SNIS. Sistema Nacional de Informação de Saneamento. Diagnósticos dos serviços de água e esgoto 2016. Brasília: Ministério das Cidades, 2016.

Masukawa MLT, Moriwaki AM, SANTANA RGU, Uchimura NS, UCHIMURA TT. Impacto da vacina oral de rotavírus humano nas taxas de hospitalizações em crianças. Acta Paul. Enferm. 2015;28(3):243-249.

Masukawa MLT, Souza EM, Gimenes E, Uchimura NS, Moriwaki, AM, Uchimura TT. Time series investigation of changes in seasonality of acute diarrhea hospitalizations before and after rotavirus vaccine in Southern Brazil. Cad. Saúde Pública. 2016;32(10):1-10.

Venâncio SI, Rosa TEC, Sanches MTC, Shigeno EY, Souza JMP. Efetividade da Estratégia Saúde da Família sobre indicadores de saúde da criança no Estado de São Paulo. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. 2016;16(3):271-281.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Atas de Saúde Ambiental - ASA, ISSN 2357-7614