AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO EFLUENTE DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NOS CORPOS HÍDRICOS: Estudo de caso da ETE-Vinhais sobre o rio Anil, São Luís – MA

Marlon Michel Ferreira Carvalho, Claudemir Gomes de Santana, Danielle Cristina dos Santos Lisboa, Lucas Nadler Rocha, Alberto Nunes Rangel, Renata Medeiros Lobo Muller

Resumo


A utilização dos recursos hídricos para fins de transporte ou diluição de efluentes exige um conhecimento adequado dos processos para assegurar a qualidade da água do corpo receptor. Este trabalho teve como objetivo avaliar o impacto do lançamento do efluente da Estação de Tratamento de Esgoto Vinhais (ETE-Vinhais) sobre a qualidade da água do Rio Anil. Foram realizadas coletas de campo e análises laboratoriais no sistema de tratamento por reatores anaeróbios de fluxo ascendente com manta de lodo ativado (RAFA) e nos pontos a montante e a jusante do lançamento do efluente. A eficiência do tratamento de esgoto apresentou valores típicos para o sistema de RAFA e atendeu aos requisitos de qualidade para a descarga de efluentes. O tratamento anaeróbio apresentou boa remoção DBO com valor médio 78,36%, porém, ineficiente na remoção de nutrientes e organismos patogênicos. A Escherichia coli apresentou valores em desacordo com os requisitos de qualidade no período monitorado. A remoção de nitrogênio amoniacal e fósforo também se mostrou ineficiente para satisfazer os requisitos de qualidade do corpo hídrico, sendo a poluição difusa o principal aspecto na degradação da qualidade do rio Anil.


Palavras-chave


Saneamento ; Tratamento de Esgoto

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.NBR 9897: Planejamento de amostragem de efluentes líquidos e corpos receptores. Rio de Janeiro, 1987.

BITTENCOURT, Claudia; PAULA, Maria Aparecida Silva de. Tratamento de água e efluentes: fundamentos de saneamento ambiental e gestão de recursos hídricos. 1. ed. São Paulo: Érica, 2014.

BRASIL. Lei Federal nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11445.htm >. Acesso em 8 out. 2018.

CAEMA. Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão. Histórico da CAEMA. 2011. Disponívelem:http://www.caema.ma.gov.br/portalcaema/index.php?option=com_content&view=article&id=677&Itemid=241. Acesso em: 5 set. 2019.

CETESB. Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Significado ambiental e sanitário das variáveis de qualidade das águas. São Paulo. 2014. 46 p. Disponível em:< https://cetesb.sp.gov.br/aguas-interiores/wp-content/uploads/sites/12/2013/11/Ap%C3%AAndice-D-Significado-Ambiental-e-Sanit%C3%A1rio-das-Vari%C3%A1veis-de-Qualidade-29-04-2014.pdf>

Acesso em: 16 set. 2019.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n.º 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Maranhão. Disponível em:< http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459>. Acesso em: 15 set. 2018.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução n.º 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n.º 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Diário Oficial da União, Maranhão. Disponível em:< http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=646>. Acesso em: 22 set. 2018.

GERCOV, I.G; JOLY, M.T. Estudo da utilização de lodo de Estação de Tratamento de Água para polimento de efluentes de Estação de Tratamento de Esgoto com vistas à sustentabilidade. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do ABC, Santo André, 2011.

GOOGLE EARTH. Imagem de satélite da área da ETE-Vinhais São Luís-MA. Disponível em: https://www.google.com/earth/. Acesso em: 08.set.2019.

INSTITUTO TRATA BRASIL. O que é Saneamento? Disponível em: http://www.tratabrasil.org.br/saneamento/o-que-e-saneamento.Acesso em: 04 set. 2019

INSTITUTO TRATA BRASIL. Ranking do Saneamento 2019. 2019. Disponível em: http://www.tratabrasil.org.br/images/estudos/itb/ranking-2019/Relat%C3%B3rio_-_Ranking_Trata_Brasil_2019_v11_NOVO_1.pdf. Acesso em: 12 set. 2019.

JORDÃO, Eduardo Pacheco; PESSÔA, Constantino Arruda. Tratamento de Esgotos Domésticos. 7. ed. Rio de Janeiro: ABES, 2014. 1050 p.

Laércio L. Santos; Timóteo H. S. Barros; Jaime J. S. P. Cabral; Roberto T. Melo. A aplicação da tecnologia de filtração em margens para redução ou eliminação de contaminantes físico-químicos na região semi-árida de Pernambuco. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, 2015.

LEME, Edson José de Arruda. Manual prático de tratamento e águas residuárias. São Carlos: Edufscar, 2010. 595 p.

MARANHÃO. Governo do Estado. Governador entrega ETE Vinhais, responsável pelo tratamento de 40% dos esgotos da capital. 2016. Disponível em: < https://www.ma.gov.br/governador-entrega-ete-vinhais-responsavel-pelo-tratamento-de-40-dos-esgotos-da-capital/>. Acesso em: 15 set. 2018.

NUVOLARI, Ariovaldo. Esgoto sanitário: coleta, transporte, tratamento e reuso agrícola. Blucher: São Paulo, 2011.

SANTOS, L. L; BARROS, T.H. S; CABRAL, J.J.S. P; MELO, R.T. Aplicação da tecnologia de filtração em margens para redução ou eliminação de contaminantes físico-químicos na região semi-árida de Pernambuco. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, 2015.

SNIS. Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento. Instituto Trata Brasil. Benefícios econômicos e sociais da expansão do saneamento no Brasil. 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2018

VON SPERLING, Marcos. Introdução a qualidade das águas e ao tratamento de esgoto: Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. v.1. 4 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017. 472 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INOVAE  -  ISSN 2357-7797