FONTES DE INOVAÇÃO EM EMPRESAS DE SANEAMENTO BÁSICO BRASILEIRAS

Marcus Vinicius dos Reis Venditti

Resumo


As pesquisas sobre as fontes de inovação em saneamento têm grande relevância acadêmica, pois a comparação entre empresas, setores e países permite a evolução da ciência e tecnologia. A presente pesquisa respondeu a pergunta: Quais as principais fontes de inovação identificadas e os motivos de sua escolha em empresas de saneamento básico brasileiras? Foi realizada uma pesquisa exploratória, com a realização de estudo de caso múltiplos, de abordagem qualitativa, objetivando identificar as principais fontes de inovação e os motivos das escolhas entre cinco empresas de saneamento básico brasileiras. Estas foram selecionadas por conveniência com base no Ranking 1000 da Revista Valor Econômico.  Os dados foram levantados por meio de pesquisa documental, questionário fechado e aberto. Como resultado desta pesquisa destaca-se: o aprofundamento da discussão teórica recente relacionada à temática das fontes de inovação nas empresas; a identificação das principais fontes de inovação do setor de saneamento brasileiro como sendo P&D interno, fornecedores e universidades, estabelecendo os motivos de sua escolha, principais vantagens e desvantagens das principais fontes analisadas.


Palavras-chave


Inovação, Fontes de inovação, Saneamento Básico.

Texto completo:

PDF

Referências


ABES. Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. Entraves Ao Investimento Em Saneamento. Disponível em: http://abes-dn.org.br . Acesso em: 15 Mai. 2017.

AEGEA. A empresa – Relatório de Demonstração Financeira. Disponível em: http://www.aegea.com.br . Acesso em: 12 jun. 2017.

BARBIERI, José Carlos; ÁLVARES, Antônio Carlos Teixeira. O retorno dos sistemas de sugestão: abordagens, objetivos e um estudo de caso. Cadernos EBAPE. BR, v. 3, n. SPE, p. 01-17, 2005.

BARBOZA, Ricardo Augusto Bonotto; FONSECA, Sérgio Azevedo; RAMALHEIRO, Geralda Cristina Freitas. Inovação em micro e pequenas empresas por meio do serviço brasileiro de respostas técnicas. RAI: revista de administração e inovação, v. 12, n. 3, p. 329-349, 2015.

BITTENCOURT, Pablo Felipe; BRITTO, Jorge Nogueira de Paiva; GIGLIO, Ricardo. Formas de aprendizagem e graus de inovação de produto no Brasil: uma análise exploratória dos padrões setoriais de aprendizagem. Nova Economia, v. 26, n. 1, p. 263-300, 2016.

BNDES. Banco Nacional de Desenvolvimento. Perspectivas do investimento 2015-2018 e panoramas setoriais. 2015. Disponível em: www.bndes.gov.br/bibliotecadigital Acesso em: 12 jul. 2016, 175p.

CALLIGARIS, Aline B.; TORKOMIAN, Lucia V. Benefícios do desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica. Revista Produção. v. 13, n.2, p. 21-32, 2003.

CASSIMAN, Bruno; VEUGELERS, Reinhilde. In search of complementarity in innovation strategy: Internal R&D and external knowledge acquisition. Management science, v. 52, n. 1, p. 68-82, 2006.

CARTER, Richard C.; TYRREL, Sean F.; HOWSAM, Peter. The impact and sustainability of community water supply and sanitation programmes in developing countries. Water and Environment Journal, v. 13, n. 4, p. 292-296, 1999.

CENTURIÓN, Wanusa Campos; PAIVA Júnior , Fernando Gomes de; CORREIA Neto, Jorge da Silva; LUCENA, Rosivaldo de Lima. O processo de inovação tecnológica de empresas fornecedoras associadas à rede Petrogas/SE. RAI: revista de administração e inovação, v. 12, n. 1, p. 24, 2015

COPASA, A Copasa – Relatório de Demonstração Financeira e Relatório de sustentabilidade. Disponível em: http://www.copasa.com.br . Acesso em: 12 jun. 2017.

DENICOLAI, Stefano; RAMIREZ, Matias; TIDD, Joe. Creating and capturing value from external knowledge: the moderating role of knowledge intensity. R&D Management, v. 44, n. 3, p. 248-264, 2014.

EMBASA, Institucional - Relatório de Administração e Relatório de sustentabilidade. Disponível em: http://www.embasa.ba.gov.br/. Acesso em: 12 jun. 2017.

FERREIRA, Luciene Braz; SANTOS, Patrick Michel Finazzi. A relação entre os esforços inovativos de atividades econômicas e suas receitas de vendas. XXXVII encontro EnANPAD, 2016, 15 p.

FOSS, Nicolai J.; LYNGSIE, Jacob; ZAHRA, Shaker A. The role of external knowledge sources and organizational design in the process of opportunity exploitation. Strategic Management Journal, v. 34, n. 12, p. 1453-1471, 2013.

GAVA, Everson; ZILBER, Moisés Ari. Inovação aberta no setor de saneamento básico no Estado de São Paulo, III SINGEP, 2014, 14 p.

GOMES, Clandia Maffini; KRUGLIANSKAS, Isak; SCHERER, Flávia Luciane. Fatores que Explicam o Desempenho de Empresas Mais Inovadoras e Menos Inovadoras. Gestão & Produção, v. 18, n. 4, 17 p., 2012.

KAUR, Verinder; MAHAJAN, Ritu. Water Crisis: Towards a Way to Improve the Situation. International Journal of Engineering Technology Science and Research, v. 3, p. 51-56, 2016.

LAURSEN, K. User–producer interaction as a driver of innovation: Costs and advantages in an open innovation model. Science and Public Policy, v. 38, p. 713-723, Nov. 2011.

LAURSEN, K; SALTER, A. Searching high and low: what types of firms use universities as a source of innovation? Strategic Management Journal , v27: 131–150, 2004

LEONETI, Alexandre Bevilacqua; PRADO, Eliana Leão do; OLIVEIRA, Sonia de Valle Walter Borges. Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 2, p. 331-348, 2011.

LHUILLERY, S. L’innovation technologique dans l’industrie. Paris: Sessi, 1996, 146 p.

LOVE, James H.; ROPER, Stephen; VAHTER, Priit. Learning from openness: The dynamics of breadth in external innovation linkages. Strategic management journal, v. 35, n. 11, p. 1703-1716, 2014.

MARTIN, Adriana Regina; TORKOMIAN, Ana Lúcia Vitale. A atividade de P&D na empresa: o caso da indústria petroquímica. Polímeros: Ciência e Tecnologia, v. 11, n. 2, p. E4-E9, 2001.

MCGUIRK, Helen; LENIHAN, Helena; HART, Mark.Measuring the impact of innovative human capital on small firms’ propensity to innovate. Research Policy, v. 44, n. 4, p. 965-976, 2015.

MILES, Matthew B.; HUBERMAN, A. Michael; Qualitative data analysis. Thousand Oaks: Sage Publications, Inc. 1994.

NASCIMENTO, Nilo de Oliveira; HELLER, Léo. Ciência, tecnologia e inovação na interface entre as áreas de recursos hídricos e saneamento. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 10, n. 1, p. 36-48, 2005.

TUROLLA, Frederico A., Política de saneamento básico: avanços recentes e opções futuras de políticas públicas. IPEA, 2012.

O'SULLIVAN, David; DOOLEY, Lawrence. Applying innovation. Califórnia: Sage publications, 1ª ed., 2008, 238p.

PAREDES, Breno José Burgos; SANTANA, Guilherme Alves de; CUNHA, Thiago Neves; AQUINO, Joás Tomaz de. Uma análise intrassetorial e intersetorial do grau de inovação de empresas de pequeno porte do estado de Pernambuco. RAI: revista de administração e inovação, v. 12, n. 4, p. 140-161, 2015.

PAULA, Helton Cristian de; STARLING, Debora Borlido; NASCIMENTO, Juliana Fontes; BARBOSA, Francisco Vidal. Mensuração da inovação em empresas de base tecnológica. RAI: revista de administração e inovação, v. 12, n. 4, p. 232-253, 2015.

SABESP - Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação: a nova estratégia da Sabesp – 2009. Disponível em: http://www.fapesp.br/pdf/sabesp/gesner.pdf. Acesso em: 15 Mai. 2017.

SABESP. Institucional - Relatório de Demonstração Financeira e Relatório de sustentabilidade. 2017. Disponível em: http://www.sabesp.com.br . Acesso em: 12 jun. 2017.

SALTER, A; GANN, D., Sources of ideas for innovation in engineering design. Science and Technology Policy Research, v. 32, p. 1309–1324, 2002.

SANEPAR. A Sanepar - Relatório de Demonstração Financeira e Relatório de sustentabilidade. 2017. Disponível em: http://www.sanepar.com.br . Acesso em: 12 jun. 2017.

SNIS, Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos – 2015. Brasília: SNSA/MCIDADES, 2017. 212p.

TIDD, Joe; BESSANT, Joe. Gestão da inovação-5. Porto Alegre:Bookman Editora, 2015, 633p.

TIGRE, Paulo Bastos. Gestão da inovação. Rio de Janeiro: Elselvier, 2006, 300p.

VALOR - Ranking 1000 da Revista Valor 2016 Disponível em: http://www.valor.com.br/empresas/2801254/ranking-das-1000-maiores

Acesso em: 01/nov/ 2016.

VEGA-JURADO, Jaider; GUTIÉRREZ-GRACIA, Antonio; FERNÁNDEZ-DE-LUCIO, Ignacio; MANJARRÉS-HENRÍQUEZ, Liney. The effect of external and internal factors on firms’ product innovation. Research policy, v. 37, n. 4, p. 616-632, 2008.

VEUGELERS, Reinhilde. Internal R & D expenditures and external technology sourcing. Research policy, v. 26, n. 3, p. 303-315, 1997.

VEUGELERS, Reinhilde; CASSIMAN, Bruno. R&D cooperation between firms and universities. Some empirical evidence from Belgian manufacturing. International Journal of Industrial Organization, v. 23, n. 5, p. 355-379, 2005.

ZAHRA, Shaker A.; NIELSEN, Anders P. Sources of capabilities, integration and technology commercialization. Strategic Management Journal, v. 23, n. 5, p. 377-398, 2002.

ZHANG, J. e XU, Y. Tecnological innovation surveys in six provinces of China and main results. OCDE Seminar, 26-28 November, 1998.

WANG, Yinglei; GRAY, Peter H.; MEISTER, Darren B. Task-driven learning: The antecedents and outcomes of internal and external knowledge sourcing. Information & Management, v. 51, n. 8, p. 939-951, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INOVAE  -  ISSN 2357-7797