SUSTENTABILIDADE, DO CONCEITO À ANÁLISE

André Chagas de Sousa, Klaus de Oliveira Abdala

Resumo


As discussões acerca do tema sustentabilidade têm se desenvolvido bastante nos últimos 30 anos. O mesmo ocorre com o conceito de sustentabilidade. Este artigo busca discutir o conceito de sustentabilidade, por meio de uma revisão conceitual, apontando convergências e divergências. Para tal, adotaremos uma perspectiva do pensamento sistêmico para indicar formas de lidar com a problemática, principalmente no campo da agropecuária e agroecologia. As discussões sobre o conceito mostram como a construção deste paradigma de pensamento de desenvolvimento sustentável necessita de mais ações práticas e avaliativas e apresentam um caráter normativo, pois o avanço no campo discursivo-teórico tem sido em torno de aspectos abstratos que podem tornar sua exequibilidade mais difícil. A direção a uma perspectiva mais holística e, por conseguinte, sistêmica pode ser considerada um ganho, bem como a elaboração de instrumento avaliativos baseados no pensamento sistêmico e que conduzem a execução dos princípios discutidos ao longo do artigo.

Palavras-chave


Conceito de Sustentabilidade; Desenvolvimento Sustentável; Ecodesenvolvimento.

Referências


Agenda 21 Brasileira. (2002). Agenda 21 Brasileira: Ações Prioritárias. CPDS – Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 Nacional, Brasília, MMA/PNUD.

Almeida, F. (2002). O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Almeida, J. (2005). Enfoque sistêmico: populismo metodológico ou caminho para uma melhor apreensão da complexidade do real? MOTA, D.M.; SCHMITZ, H.; VASCONCELOS, H. E.M. Agricultura familiar e abordagem sistêmica. Aracaju: Sociedade Brasileira de Sistemas de Produção.

Bakkes, J. A. et al. (1994). An overview of environmental indicators: state of the art and perspectives. Nairobi: UNEP. 82p.

Barbieri, J. C. (1997). Desenvolvimento e meio ambiente: as estratégias de mudanças da Agenda 21. 4a ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Boff, L. (1999). Ecologia, mundialização, espiritualidade. São Paulo: Ed. Ática.

Bossel, H. (1999). Indicators for Sustainable Development: Theory, Method, Applications: a report to the Balaton Group. Winnipeg: IISD.

Buschbacher, R. (2014). A teoria da resiliência e os sistemas socioecológicos: como se preparar para um futuro imprevisível? Boletim Regional, Urbano e Ambiental, v. 09, jan-jun.

Buarque, S. C. (2002). Construindo o Desenvolvimento Local Sustentável: metodologia de planejamento. Rio de Janeiro: Ed. Garamond.

Brügger, P. (1994). Educação ou adestramento ambiental? Florianópolis: Letras Contemporâneas.

Camargo, A. L. B. (2002). As dimensões e os desafios do desenvolvimento sustentável: concepções, entraves e implicações à sociedade humana. Florianópolis, 2002. 197f. Dissertação de mestrado em Engenharia de Produção, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal São Carlos, são Carlos, SP, Brasil.

Caporal, F. R. (2009). Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição a agriculturas mais sustentáveis. Brasília: [s. n.]. Recuperado em 13 janeiro, 2017, de http://www.fao.org/publications/sofi/en/

Caporal, F. R. & Costabeber, J. A. (2004). Agroecologia e extensão rural: contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. Brasília: MDA/SAF/DATER/IICA. v.1. 166 p. Recuperado em 24 fevereiro, 2017, de http://www.emater.tche.br/site/arquivos_pdf/teses/agroecologiaeExtensaoruralcontribuicoesparaapromocaodedesenvolvimentoruralsustentavel.pdf

Caporal, F. R. & Costabeber, J. A. (2002). Análise multidimensional da sustentabilidade: uma proposta metodológica a partir da Agroecologia. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v.3, n.3, p.70-85, jul./set.

Capra, F. (1996). A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix. 256p.

Deponti, C. M., Eckert, C. & Azambuja, J. L. B. (2002). Estratégia para Construção de Indicadores para Avaliação da Sustentabilidade e Monitoramento de Sistemas. Agroecol. e Desenvol. Rur. Sustent. Porto Alegre, v.3, n.4, out/dez.

Dresner, S. (2002). The principles of sustainability. London: Earthscan, 2002.

Eisenberg, N. (1986). Altruistic Emotion, Cognition and Behavior. Hillsdale - New Jersey (EUA): Lawrence Erlbaum.

Guimarães, M. (2003). Sustentabilidade e educação ambiental. CUNHA, S. B.; GUERRA, A. J. T. (Orgs.). A questão ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Lafer, C. (1996). Abertura do seminário: o projeto CIEDS. Definindo uma agenda de pesquisa sobre desenvolvimento sustentável: Rio de Janeiro, 28-29 de novembro de 1994. Brasília: Fundação Alexandre Gusmão.

Lima, G. F. C. (1997) O debate da sustentabilidade na sociedade insustentável. Política e Trabalho, Paraíba, n.13, p. 201-222.

López Ridaura, S., Masera, O. & Astier, M. (2000) Evaluating the sustainability of integrated peasantry systems: The MESMIS Framework. Revista ILEIA, p. 28-30. dez.

Lutzenberger, J. A. (1978). Fim do Futuro? Manifesto Ecológico Brasileiro. Porto Alegre: URGS.

Maimon, D. (1992). Ensaios sobre Economia do Meio Ambiental. Rio de Janeiro: Aped - Associação de Pesquisa e Ensino em Ecologia e Desenvolvimento.

Marzall, K. & Almeida, J. (2000). Indicadores de Sustentabilidade para Agroecossistemas - Estado da arte, limites e potencialidades de uma nova ferramenta para avaliar o desenvolvimento sustentável. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v.17, n.1, p.41- 59, jan./abr.

Masera, O., Astier, M. & López-Ridaura, S. (2000). Sustentabilidad y manejo de recursos naturales: el marco de evaluación MESMIS. México: Mundi-Prensa.

Mazoyer, M. & Roudart, L. (2010). História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea; [tradução de Cláudia F. FalluhBalduino Ferreira]. – São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: NEAD.568p.

Menezes, U. G. et al. (2011). Inovação sustentável: estratégia em empresas do setor químico. Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, São Paulo, v. 5, n. 2, p. 96-111, mai/ago.

Montibeller Filho, G. (1999). O Mito do Desenvolvimento Sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. Tese de doutorado, Programa Interdisciplinar de Doutorado em Ciências Humanas: Sociedade e Meio Ambiente, Universidade Federal São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Oliveira, L. R., Martins, E. F & Lima, G. B. A. (2010). Evolução do conceito de sustentabilidade: um ensaio bibliométrico. Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção, V. 10, n. 04, p. 1-17.

Philippi Jr., A. (2000). Interdisciplinaridade em Ciências Ambientais. São Paulo: Signus Editora.

Pinheiro, S. L. G. (2000). O enfoque sistêmico e o desenvolvimento rural sustentável: uma oportunidade de mudança da abordagem hard-systems para experiências com soft-systems. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 1, n. 2, p. 17-25.

Rattner, H. (1999). Sustentabilidade – Uma visão mais humanista. Ambiente & Sociedade, Ano II, Nº 5, 2º Semestre, 1999, p. 233-240.

Renn, O., Goble, R. & Kastenholz, H. (1999). How to apply the concept of sustainability to a region. Tecnological Forecasting and Social Change, n.58, p. 63-81.

Romeiro, A. R. (2001). Economia ou economia política da sustentabilidade? Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 102, set.

Sachs, I. (1986). Ecodesenvolvimento crescer sem destruir. Terra dos Homens. 1ª ed. São Paulo: Editora Vértice, 207p.

Sachs, I. (1993). Estratégias de Transição para o Século XXI: Desenvolvimento e Meio Ambiente. São Paulo: Studio Nobel, Fundap.

Sanches, G. F.; Matos, M. M. Marcos metodológicos para sistematização de indicadores de sustentabilidade da agricultura. (Syn)thesis, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 255-267, 2012.

Schlindwein, S. L. & Ison, R. (2004). Human knowing and perceived complexity: implicationsfor systems practice. Emergence: Complexity and Organization, v.6, n.3, p. 27–32.

Schwartzman, S. (1999). Consciência ambiental e desenvolvimento sustentável. Palestra proferida abertura do Curso de Educação Ambiental, Semana do Meio Ambiente, 7 de junho de 1999. Recuperado em 12 janeiro, 2017, de http://www.schwartzman.org.br/simon/ambiente.htm

Silva, S. R M. (2000). Indicadores de sustentabilidade urbana: as perspectivas e as limitações da operacionalização de um referencial sustentável. São Carlos, 2000. 260 p. Dissertação de mestrado em Engenharia Urbana - Programa de Pós Graduação em Engenharia Urbana do Dep. de Engenharia Civil, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Silva, C. L. & Mendes, J.T.G. (orgs.). (2005). Reflexões sobre o desenvolvimento sustentável: agentes e interações sob a ótica multidisciplinar. Petrópolis: Vozes.

Silveira, J. H. P. (2017). Apresentação. SILVEIRA, José Henrique Porto (Org.). Sustentabilidade e Responsabilidade Social. Volume 3. Belo Horizonte (MG): Poisson, 255 p.

Speelman, E. N., Lópes-Ridaurí, S., Colomer, N. A., Astier, M. & Masera, O.R. (2007). Ten Years of Sustainability Evaluation Using the MESMIS Framework: Lessons learned from its application in 28 Latin American case studies. International Journal of Sustainable Development & World Ecology, v.14, n.4, p. 345-361.

Tachizawa, T.; De Andrade, R. O. B.; Carvalho, A. B. (2002). Gestão ambiental: enfoque estratégico aplicado ao desenvolvimento sustentável. 2. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 232 p.

Ultramari, C. (2003). A respeito do conceito de sustentabilidade. Curitiba: Ipardes/IEL-PR.

Van Bellen, H. M. (2005). Indicadores de Sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Verona, L. A. F. (2008). Avaliação de sustentabilidade em agroecossistemas de base familiar e em transição agroecológica na região sul do Rio Grando do Sul. 192p. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Agronomia. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Zampieri, S. L. (2003). Método para seleção de indicadores de sustentabilidade e avaliação dos sistemas agrícolas do Estado de Santa Catarina. 227 f. Tese de doutorado em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015