Vamos Pedalar? A Sustentabilidade na Percepção de Usuários de Bicicletas Compartilhadas

Suzenny Teixeira Rechene, Minelle E. Silva

Resumo


A sustentabilidade está presente em debates de quase todos os campos da sociedade, e muitas têm sido as críticas sobre as contradições encontradas nas proposições do desenvolvimento sustentável. Sob o argumento de que a economia compartilhada pode ser uma alternativa aliada à perspectiva de obtenção da sustentabilidade, objetivou-se neste estudo analisar a percepção dos usuários de bicicletas compartilhas sobre sustentabilidade. Para tanto, buscou-se compreender o contexto das bicicletas compartilhadas, de um projeto voltado para mobilidade urbana sustentável, denominado Projeto Bicicletar, em Fortaleza-CE. A pesquisa baseou-se na abordagem qualitativa do tipo descritiva e foi conduzida por meio de entrevistas semiestruturadas com ciclistas em processo de coletar a bicicleta na estação de compartilhamento. A análise dos dados se baseia na análise de conteúdo. Os resultados demonstram que a sustentabilidade ainda é fortemente associada às questões ambientais, apesar do destaque as três dimensões da sustentabilidade: econômica, social e ambiental. Além disso, são variados os significados atribuídos a esta prática, demonstrando engajamento do consumidor no projeto. A pesquisa contribui no sentido de compreender o contexto de mobilidade sustentável a partir dos consumidores, que por diversas questões podem assumir papel secundário na construção de transição para sustentabilidade neste contexto.

 

Palavras-chave


Bicicletas compartilhadas. Sustentabilidade. Percepções. Mobilidade sustentável. Economia compartilhada.

Referências


Abramovay, R. (2015). A Economia Híbrida do Século XXI. Recuperado de http://www.livro.debaixoparacima.com.br/a-economia-hibrida-do-seculo-xxi/

Aguilhar, L. (2014). Startups bilionárias impulsionam a “economia compartilhada” na internet. Recuperado de http://blogs.estadao.com.br/link/startups-bilionarias-impulsionam-a-economia-compartilhada-na-internet/

Akyelken, N., Banister, D., & Givoni, M. (2018). The Sustainability of Shared Mobility in London: The Dilemma for Governance. Sustainability, 10(2), 420.

Banerjee, S. B. (2003). Who sustains whose development? Sustainable Development and the reinvention of nature. Organization Studies, 24(1), 143-180.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Baumgartner, R. J. (2011). Critical perspectives of sustainable development research and practice. Journal of Cleaner Production, 19(8), 783-786.

Belk, R. (2010). Sharing. Journal of Consumer Research, 36(5), 715-734.

Belk, R. (2014). You are what you can access: Sharing and collaborative consumption online. Journal of Business Research, 67(8), 1595-1600.

Bicicletar. (2016). Recuperado de http://www.bicicletar.com.br/

Bó, G. J. D., & Petrini, M. (2019). Empowering and resisting in a sharing economy: Two sides of the same coin. BAR-Brazilian Administration Review, 16(3).

Botsman, R., & Rogers, R. (2011). O Que é Meu é Seu: como o consumo colaborativo vai mudar o nosso mundo. Porto Alegre: Bookman.

Carvalho, I. C. M. (1991). Os mitos do desenvolvimento sustentável. Revista PG, Rio de Janeiro, 75, 17-21.

Chang, H.-J. (2004). Chutando a Escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: UNESP.

Chase, R. (2015). Economia Compartilhada: como pessoas e plataformas da Peers Inc. estão reinventando o capitalismo. São Paulo: HSM do Brasil.

Claro, P. B. O., Claro, D. P., & Amâncio, R. (2008). Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações. Revista de Administração, 43(4), 289-300.

CMMAD, Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1991). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Cohen, A., & Shaheen, S. (2016). Planning for shared mobility. American Planning Association. 1-106.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração – um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Porto Alegre: Bookman.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2016). Métodos de Pesquisa em Administração.12ª Edição. McGraw Hill Brasil.

Dias, D. J. C. (2019). Mortalidade e migração no período da seca de 1877-1879 na freguesia de São José (Fortaleza/CE). Revista Interdisciplinar De Cultura, 27(2), 175-194.

Elkington, J. (1994). Towards the sustainable corporation: Win-win-win business strategies for sustainable development. California Management Review, v. 36(2), 90-100.

Fontoura, W. B., Chaves, G. d. L. D., & Ribeiro, G. M. (2019). The Brazilian urban mobility policy: The impact in São Paulo transport system using system dynamics. Transport Policy, 73, 51-61.

Fortaleza. (2016). Plano Fortaleza 2040. Recuperado de http://fortaleza2040.fortaleza.ce.gov.br/site/

Fraser, M., & Gondim, S. M. (2004). Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paidéia, 14(28), 139-152.

Freitas, R. de C. M., Nélsis, C. M., & Nunes, L. S. (2012). A crítica marxista ao desenvolvimento (in)sustentável. Katálysis, 15(1), 41-51.

Gansky, L. (2011). Mesh: porque o futuro dos negócios é compartilhar. Rio de Janeiro: Alta Books Editora.

Girardi, A. F., & Bosquetti, M. A. (2016). Economia compartilhada: um estudo de caso em uma startup de compartilhamento de veículos. International Conference on Information Systems & Technology Management – CONTECSI, São Paulo, SP, Brasil, 13. Recuperado de http://www.contecsi.fea.usp.br/envio/index.php/contecsi/13CONTECSI/paper/download/3861/2545

Godoy, A. A. (2006). Estudo de caso qualitativo. In A. Barbosa da Silva, C. K. Godoi, & R. Bandeira-De-Mello. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: Paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Heinrichs, H. (2013). Sharing Economy: A Potential New Pathway to Sustainability. GAIA, 228-231.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2015. Recuperado de

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2011). Produto Interno Bruto dos Municípios. Recuperado de

Lei 12.587, 03 de janeiro de 2012. Política Nacional da Mobilidade Urbana. (2012). Planalto. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm

Marquesan, F. F. S., & Figueiredo, M. D. D. (2018). From eco-environmentalism to sustainability: critical notes on the organization-nature relation on organization studies. Organizações & Sociedade, 25(85), 264-286.

Marzall, K. (1999). Indicadores de sustentabilidade para agroecossistemas. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Maurer, A. M., Figueiró, P. S., Campos, S. A. P., de, Silva, V. S., Barcellos, M. D., de. (2015). Yes, we also can! O desenvolvimento de iniciativas de consumo colaborativo no Brasil. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 12(1), 68-80.

Menezes, U. G. de. (2016). Desenvolvimento Sustentável e Economia Colaborativa: um estudo de múltiplos casos no Brasil. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Minãno, M. P., & Santos, A. dos. (2015). Contribuição dos serviços de Bicicleta Compartilhada na Mobilidade Sustentável no Brasil. Recuperado de http://files-server.antp.org.br/_5dotSystem/download/dcmDocument/2015/06/17/7E375856-BFA8-4AB0-9AEE-44E146DE6660.pdf

Mobilize. (2014). Giro das bicicletas compartilhadas pelo Brasil. Recuperado de http://www.mobilize.org.br/noticias/7185/giro-das-bicicletas-compartilhadas-pelo-brasil.html

Organização das Nações Unidas no Brasil. (2015). Conheça os novos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Recuperado de

Organização das Nações Unidas no Brasil. (2016). Agências da ONU discutem desenvolvimento das cidades na Habitat III. Recuperado de https://nacoesunidas.org/agencias-da-onu-discutem-desenvolvimento-das-cidades-na-habitat-iii/

Ornellas, R. (2013). Impactos do Consumo Colaborativo de Veículos Elétricos na Cidade de São Paulo. Future Studies Research Journal, São Paulo, 5(1), 33-62.

Pereira, C. H. T., & Silva, M. E. (2017). Contribuições do Marketing na Integração Economia Compartilhada e Estratégia. Future Studies Research Journal: Trends and Strategy, 9(3), 126-149.

Pereira, C. H. T., & Silva, M. E. (2018). A economia compartilhada como um movimento de transição para uma mobilidade sustentável. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade: GeAS, 7(3), 451-468.

Pizzol, H. O. D. (2015). Proposição de uma Escala para Mensuração do Consumo Colaborativo: compreendendo o compartilhamento de bens. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Rechene, S. T., Silva, M. E., & Campos, S. A. (2018). Sharing economy and sustainability logic: Analyzing the use of shared bikes. BAR-Brazilian Administration Review, 15(3).

Rifkin, J. (2016). Sociedade com custo marginal zero. São Paulo: M. Books.

Sena, A. M. C., Matos, F. R. N., Mesquita, R. F. de, & Machado, D. de Q. (2014). Desenvolvimento Sustentável e a Abordagem Grassroots: delineando caminhos convergentes. Anais do Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, São Paulo, SP, Brasil, 16.

Silva, S. S. (2014). Proposta de um Modelo de Análise do Comprometimento com a Sustentabilidade. Ambiente & Sociedade, São Paulo, 17(3), 35-54.

Silva, M. J. B., & Barbosa, M. D. L. A. (2016). Da posse à possibilidade do acesso? Compreendendo os conceitos de consumo colaborativo no marketing. Revista Interdisciplinar de Marketing, 6(2), 42-53.

Silva, M. J. B., Barbosa, M. D. L. A., Costa, M. F., & Gomes, J. P. (2020). Entre posse e acesso: compreendendo a extensão do self no consumo colaborativo. Organizações & Sociedade, 27(93).

Silva, M. E., de Oliveira, A. P. G., & Gómez, C. R. P. (2013). Can collaboration between firms and stakeholders stimulate sustainable consumption? Discussing roles in the Brazilian electricity sector. Journal of cleaner production, 47, 236-244.

Silveira, L. M., Petrini, M., & Santos, A. C. M. Z. (2016). Economia compartilhada e consumo colaborativo: o que estamos pesquisando?. REGE - Revista de Gestão, 23(4), 298-305.

Terrien, C., Maniak, R., Chen, B., & Shaheen, S. (2016). Good practices for advancing urban mobility innovation: A case study of one-way carsharing. Research in Transportation Business & Management, 20, 20-32.

Tomtomindex. (2015). Tomtom Traffic Index: Measuring congestion worldwide. Recuperado de http://www.tomtom.com/en_gb/trafficindex/list

Vergara, S. C. (2010). Métodos de pesquisa em administração (4a ed.) São Paulo: Atlas.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233

 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015