NA TRILHA DO PAMPA: UM JOGO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO DO PAMPA GAÚCHO

Fernanda de Lima Pinheiro, Murilo Ricardo Sigal Carriço, Mateus Cristofari Gayer, Ailton Jesus Dinardi

Resumo


Esse trabalho trata-se da criação de um jogo didático como proposta de ensino de Educação Ambiental no contexto do Bioma Pampa. Tal jogo foi criado como forma de simplificar o ensino em Educação Ambiental. Os Jogos didáticos estão sendo cada vez mais usados e, quando em equilíbrio, podem divertir e ensinar alunos de qualquer faixa etária. O jogo foi criado para ser aplicado em diferentes idades, podendo ser trabalhado do ensino fundamental ao ensino superior. É um jogo simples e de baixo custo. Possui perguntas simples e de fácil resolução que ajudarão os alunos a fixar o conteúdo estudado. O objetivo central deste trabalho foi construir um jogo para ser aplicado em uma turma de ensino fundamental, analisar a aplicação e refletir sobre a mesma, e buscar contribuições com os próprios alunos, buscando saber se a utilização de um jogo didático motiva e mobiliza os alunos para a construção do seu próprio conhecimento acerca da Educação Ambiental, Bioma Pampa e Rio Uruguai, ambos presentes em seu contexto regional. Instigar os alunos a conhecer suas raízes e locais onde vivem, são partes fundamentais do processo de ensino e aprendizagem. Quando proporcionamos espaços como esse, trazemos o aluno para o lugar de sujeito do seu conhecimento, deixando de ser um mero objeto de um plano de aula tradicional.


Palavras-chave


Educação Ambiental; Jogos Didáticos; Bioma Pampa; Rio Uruguai.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABÍLIO, F. J. P.; FLORENTINO, H. S.; RUFFO, T. L. M. Educação Ambiental no Bioma Caatinga: formação continuada de professores de escolas públicas de São João do Cariri, Paraíba. Pesquisa em Educação Ambiental, vol. 5, n. 1. p. 171-193, 2010.

BILENCA, D. e MIÑARRO, F. Identificación de áreas valiosas de pastizal (APVs) en las Pampas y Campos de Argentina, Uruguay y sur de Brasil. Fundación Vida Silvestre Argentina. Buenos Aires. 2008.

BRASIL. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, 2006. 135 p.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF 1998 (1997): 2000.

BROUGÈRE, G. A criança e a cultura lúdica. Revista da Faculdade de Educação. vol.24, n.2, São Paulo, 1998.

CAMPOS, L. M. L.; BORTOLOTO, T. M.; FELICIO, A. K. C. A produção de jogos didáticos para o ensino de Ciências e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Caderno dos Núcleos de Ensino, p.35-48, 2003.

CUNHA, M.B. Jogos no Ensino de Química: Considerações Teóricas para sua Utilização em Sala de Aula. Química Nova na Escola. Vol. 34, N° 2, p. 92-98, 2012. Disponível em: . Acesso em dez. de 2016.

DEVELEY, P. F.; SETUBAL, R. B.; DIAS, R. A.; BENCKE, G. A. Conservação das aves e da biodiversidade no bioma Pampa aliada a sistemas de produção animal. Revista Brasileira de Ornitologia, v. 16. n. 4. p. 308-315. 2008.

DIAS, G. F. Um grande desafio: dimensões humanas das alterações globais. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo. p.243-254. 2003.

HASENACK, H.; CORDEIRO, J.L.P. & COSTA, B.S.C. 2007. Cobertura vegetal atual do Rio Grande do Sul. In: DALL’AGNOL, M.; NABINGER, C.; SANT’ANNA, D.M. & SANTOS, R.J. II Simpósio de Forrageiras e Produção Animal. Depto. Forrageiras e Agrometeorologia/UFRGS, Porto Alegre. Pp. 15-21.

IBGE. Censo agropecuário 1995-1996. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2006.

KISHIMOTO, T.M. O Jogo e a Educação Infantil. São Paulo: Pioneira. 1998.

LORIAUX, M. Populations et développements: une approche globale et systémique. Louvain-la Neuve/Paris: Academia-Bruylant/L’Harmattan, p. 199-230, 1999.

MANZANO, M. A.; DINIZ, R. E. S. A temática ambiental nas séries iniciais do Ensino Fundamental: concepções reveladas no discurso de professoras sobre sua prática. Pesquisas em Ensino de Ciências: contribuições para a formação de professores. Escrituras. São Paulo. 2004.

MEDEIROS, A. B. et al. A Importância da Educação Ambiental na escola nas séries iniciais. Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, 2011. Disponível em: . Acesso em nov. de 2016.

MENEZES, L. C. Características convergentes no ensino de ciências nos países ibero-americanos e na formação de seus professores. NUPES. p.45-58. Campinas. 2001.

MMA. Biodiversidade brasileira –avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. MMA/SBF. Brasília. 2002.

OVERBECK, G. E.; MÜLLER, S. C.; FIDELIS, A.; PFADENHAUER, J.; PILLAR, V. D.; BLANCO, C. C.; BOLDRINI, I. I.; BOTH, R. e FORNECK, E. D. Brazil’s neglected biome: The South Brazilian Campos. Perspectives in Plant Ecology, Evolution and Systematics. p. 101 116. 2007.

PATRIARCHA-GRACIOLLI, S. R.; ZANON, A. M.; DE SOUZA, P. R.. Jogo dos predadores: uma proposta lúdica para favorecer a aprendizagem em ensino de ciências e Educação Ambiental. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 20, 2013.

PEDROSO, C. V. Jogos Didáticos no ensino de Biologia: Uma proposta metodológica baseada em módulo didático. IX Congresso Nacional de Educação - EDUCERE. III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. PUCRS, 2009.

PESSANO, E. F. C., et al. Percepções socioambientais de estudantes concluintes do ensino fundamental sobre o rio Uruguai. Revista Ciências & Ideias. ISSN: 2176-1477 4.2 (2014): 61-84.

RESSURREIÇÃO, S. B. Coração de Professor: O (des) encanto do trabalho sob uma visão sócio-histórica e lúdica. Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA. Salvador. 2005.

SANTOS, T.; TREVISAN, R. Eucaliptos versus bioma Pampa: compreendendo as diferenças entre lavouras de arbóreas e o campo nativo. Lavouras de Destruição: a (im) posição do consenso. p. 299-332, 2009.

UNESCO. Década da Educação das Nações Unidas para um Desenvolvimento Sustentável, 2005-2014: documento final do esquema internacional de implementação, Brasília, Brasil, 2005.

ZANON, D. A. V.; GUERREIRO, M. A. S.; OLIVEIRA, R. C. Jogo didático Ludo Químico para o ensino de nomenclatura dos compostos orgânicos: projeto, produção, aplicação e avaliação. Ciências & Cognição, 2008, Vol. 13. Disponível em: . Acesso em nov. de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015