Entendimento da governança corporativa nas entidades esportivas, sob a óptica dos Stakeholders

Henrique César Melo Ribeiro, Benny Kramer Costa

Resumo


O objetivo deste estudo foi observar o entendimento da governança corporativa nas entidades esportivas, sob a óptica dos stakeholders. Para isso, trabalhou-se oito entidades esportivas, por meio do método de estudo de caso múltiplo, entrevistando no total de 13 stakeholders, ou seja, dirigentes. Para a análise dos dados, utilizou-se primeiramente a análise intra-casos e a posteriori a análise inter-casos. Observando o ponto de vista dos dirigentes, das entidades esportivas estudadas, sobre o que vem a ser governança corporativa, observou-se uma miscelânea de ideias que se confirmavam e, ao mesmo tempo, se complementavam, gerando um conceito único sobre governança corporativa, que é corroborado pelos teóricos da área. Esta informação mostra que os dirigentes das entidades esportivas estudadas, mesmo que não tenham em seus respectivos sites, áreas exclusivas para acomodar e evidenciar suas boas práticas de governança corporativa, têm noção e conhecem a importância que esta temática representa em todas as suas nuances para a melhor performance de suas respectivas entidades esportivas.

Palavras-chave


Governança corporativa; Stakeholders; Entidades esportivas

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Aguilera, R. V., & Cuervo-Cazurra, A. (2009). Codes of good governance. Corporate Governance, 17(3), 376-387.

Almeida, M. A., Santos, J. F. dos, Ferreira, L. F. V. de M., & Torres, F. J. V. (2010). Evolução da qualidade das práticas de governança corporativa: um estudo das empresas brasileiras de capital aberto não listadas em bolsa. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 907-924.

Andrade, A., & Rossetti, J. P. (2009). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas.

Andrade, L. P. de. et al. (2009). Governança corporativa: uma análise da relação do Conselho de Administração com o valor de mercado e desempenho das empresas brasileiras. Revista de Administração Mackenzie, 10(4), 4-31.

Arruda, G. S. de, Madruga, S. R., & Freitas Junior, N. I. de. (2008)> A governança corporativa e a teoria da agência em consonância com a controladoria. Revista de Administração da UFSM, 1(1), 71-84.

Azevedo, H. de, De Luca, M. M. M., Holanda, A. P., Ponte, V. M. R., & Santos, S. M. dos. Código de conduta: grau de adesão às recomendações do IBGC pelas empresas listadas na BM&FBovespa. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, EnANPAD, 35, 2011. Anais Eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2011. Recuperado em: .

Alves, A. B., & Pieranti, O. P. (2007). O estado e a formulação de uma política nacional de esporte no Brasil. RAE eletrônica, 6(1), 1-20.

Bertucci, J. L. de O., Bernardes, P., & Brandão, M. M. (2006). Políticas e práticas de governança corporativa em empresas brasileiras de capital aberto. Revista de Administração da USP, 41(2), 183-196.

Bogoni, N. M., Zonatto, V. C. da S., Ishikura, E. R., & Fernandes, F. C. (2010). Proposta de um modelo de relatório de administração para o setor público baseado no parecer de orientação n. 15/87 da Comissão de Valores Mobiliários: um instrumento de governança corporativa para a administração pública. Revista de Administração Pública, 44(1), 119-142.

Bressan, F. (2000). O método do estudo de caso. Administração On Line, 1(1).

Brey, N. K., Camilo, S. P. O., Marcon, R., & Bandeira-De-Mello, R. (2014). Conexões políticas em estruturas de propriedade: o governo como acionista em uma análise descritiva. Revista de Administração Mackenzie, 15(1), 98-124.

Bruton, G. D., Filatotchev, I., Chahine, S., & Wright, M. (2010). Governance, ownership structure, and performance of IPO firms: the impact of different types of private equity investors and institutional environments. Strategic Management Journal, 31, 491-509.

Camilo, S. P. O., Marcon, R., & Bandeira-de-Mello, R. (2012). Conexões políticas e desempenho: um estudo das firmas listadas na BM&F Bovespa. Revista de Administração Contemporânea, 16(6), 784-805.

Campanário, M. de A., Muritiba, S. N., Muritiba, P. M., & Ribeiro, H. C. M. (2014). Governança corporativa em empresas públicas. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 13(2), 689-718.

campomar, M. C. (1991). Do uso de “estudo de caso” em pesquisas para dissertações e teses em Administração. Revista de Administração da USP, 26(3), 95-97.

Carioca, K. J. F., De Luca, M. M. M., & Ponte, V. M. R. (2010). Implementação da Lei Sarbanes-Oxley e seus impactos nos controles internos e nas práticas de governança corporativa: um estudo na companhia energética do Ceará – Coelce. Revista Universo Contábil, 6(4), 50-67.

Carver, J. (2010). A case for global governance theory: practitioners avoid it, academics narrow it, the world needs it. Corporate Governance: An International Review, 18(2), 149-157.

Chen, W. P., Chung, H., Lee, C., & Liao, W. L. (2007). Corporate governance and equity liquidity: analysis of s&p transparency and disclosure rankings. Corporate Governance: An International Review, 15(4), 644-660.

Cheung, Y., Connelly, J. T., Jiang, P., & Limpaphayom, P. (2011). Does corporate governance predict future performance? Evidence from Hong Kong. Financial Management, 40(1), 159-197.

Clarke, T., & Klettner, A. (2009). Governance issues for SMEs. Journal of Business Systems, Governance and Ethics, 4(4).

Del Favero, M. (2003). Faculty-administrator relationships as integral tohith-performing governance systems. The American Behavioral Scientist, 46(7), 902-922.

Erfurth, A. E., & Bezerra, F. A. (2013). Gerenciamento de resultados nos diferentes níveis de governança corporativa. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 10(1), 32-42.

Faleye, O., & Trahan, E. A. (2011). Labor-friendly corporate practices: is what is good for employees good for shareholders? Journal of Business Ethics, 101(1), 1-27.

Ferkins, L., Mcdonald, G., & Shilbury, D. (2010). A model for improving board performance: the case of a national sport organisation. Journal of Management & Organization, 16(4), 601-621.

Ferkins, L., & Shilbury, D. (2012). Good boards are strategic: what does that mean for sport governance? Journal of Sport Management, 26(1), 67-80.

Ferkins, L., Shilbury, D., & Mcdonald, G. (2009). Board involvement in strategy: advancing the governance of sport organizations. Journal of Sport Management, 23(3), 245-277.

Ferkins, L., Shilbury, D., & Mcdonald, G. (2005). The role of the board in building strategic capability: towards an integrated model of sport governance research. Sport Management Review, 8, 195-225.

Filho, J. R., & Picolin, L. M. (2008). Governança corporativa em empresas estatais: avanços, propostas e limitações. Revista de Administração Pública, 42(6), 1163-1188.

Girioli, L. S., Souza, E. F. da S. De, Nogueira, I. V., & Calil, J. F. (2014). Análise da criação de valor de empresas listadas na BM&FBovespa nos diferentes níveis de governança corporativa no período de 2008 a 2012. Revista de Administração da UNIMEP, 12(1), 178-203.

Groeneveld, M. (2009). European sport governance, citizens, and the state: finding a (co-) producive balance for the twenty-first century. Public Management Review, 11(4), 421-440.

Grün, R. (2005). Convergência das elites e inovações financeiras: a governança corporativa no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 20(58).

Hamann, R., Kragram, S., & Rohan, S. (2008). South Africa´s charter approach to post-apartheid economic transformation: collaborative governance or hardball bargainin? Journal of Southern African Studies, 34(1), 21-37.

Hamil, S., Holt, M., Michie, J., Oughton, C., & Shailer, L. (2004). The corporate governance of professional football clubs. Corporate Governance, 4(2), 44-51.

Healey, D. (2012). Governance in sport: outside the box? Economic and Labour Relations Review, 23(3), 39-60.

Hendry, K., & Kiel, G. C. (2004). The Role of the Board in Firm Strategy: integrating agency and organisational control perspectives. Corporate Governance: An International Review, 12(4), 500-520.

Himmelberg, C. P., Hubbard, R. G., & Palia, D. (1999). Understanding the determinants of managerial ownership and the link between ownership and performance. Journal of Financial Economics, 53, 353-384.

Holt, M. (2009). UEFA, governance, and the control of club competition in european football. Birkbeck Sport Business Centre, 2(1), 1-191.

Holtz, L., & Sarlo Neto, A. (2014). Efeitos das Características do Conselho de Administração sobre a Qualidade da Informação Contábil no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 25(66), 255-266.

Hoskisson, R. E., Eden, L., Lau, C. M., & Wright, M. (2000). Strategy in emerging economies. Academy of Management Journal, 43(3), 249-267.

Hoye, R., & Cuskelly, G. (2007). Sport governance. Sydney: Elsevier.

Jansson, E. (2005). The stakeholder model: the influence of the ownership and governance structures. Journal of Business Ethics, 56, 1-13.

Kassinis, G., & Vafeas, N. (2002). Corporate boards and outside stakeholders as determinants of environmental litigation. Strategic Management Journal, 23(5), 399-415.

Kikulis, L. M. (2000). Continuity and change in governance and decision making in national sport organizations: Institutional explanations. Journal of Sport Management, 14(4), 293-320.

Lameira, V. de. J., Jr. Ness, W. L., & Macedo-Soares, T. D. L. van A. de. (2007). Governança corporativa: impactos no valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração da USP, 42(1), 64-73.

Larcker, D. F., Richardson, S. A., & Tuna, I. (2007). Corporate governance, accounting outcomes, and organizational performance. The Accounting Review, 82(4), 963-1008.

Leal, R. P. C., & Saito, R. (2003). Finanças corporativas no Brasil. RAE eletrônica, 2(2), 1-15.

Leopkey, B., & Parent, M. M. (2012). The (Neo) institutionalization of legacy and its sustainable governance within the olympic movement. European Sport Management Quarterly, 12(5), 437-455.

Lima, G. A. S. F. de, Barbosa, A., Marzal, J. L. S., Lima, I. S., & Corrar, L. J. (2006). El estúdio del anuncio de la adhesión a los niveles diferenciados de gobierno corporativo con lautilización de estudio de evento. Revista Contabilidade & Finanças, 17(spe), 92-104.

Machado Filho, C. A. P., Fischmann, A., Mendonça, L. R. de, & Guerra, S. (2007). The mechanisms of governance in nonprofit organizations. Corporate Ownership & Control, 4(2), 83-88.

Malacrida, M. J. C., & Yamamoto, M. M. (2006). Governança corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. Revista Contabilidade & Finanças, 17(spe), 65-79.

Marques, D. S. P., & Costa, A. L. (2009). Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. Revista de Administração da USP, 44(2), 118-130.

Marques, M. da C. da C. (2007). Aplicação dos princípios da governança corporativa ao setor público. Revista de Administração Contemporânea, 11(2), 11-26.

Martin, G., & Gollan, P. J. (2012). Corporate governance and strategic human resources management in the UK financial services sector: the case of the RBS. International Journal of Human Resource Management, 23(16), 3295-3314.

Mcnamee, M. J., & Fleming, S. (2007). Ethics audits and corporate governance: The case of public sector sports organizations. Journal of Business Ethics, 73(4), 425-437.

Medeiros, A. K. de, Crantschaninov, T. I., & Silva, F. C. da. (2013). Estudos sobre accountability no Brasil: meta-análise de periódicos brasileiros das áreas de Administração, Administração Pública, Ciência Política e Ciências Sociais. Revista de Administração Pública, 47(3), 745-775.

Mendonça, C. M. C. de, Guerra, L. C. B., Souza Neto, M. V. de, & Araújo, A. G. de. (2013). Governança de tecnologia da informação: um estudo do processo decisório em organizações públicas e privadas. Revista de Administração Pública, 47(2), 443-468.

Mendonça, L. R. D., & Filho, C. A. P. M. (2004). Governança nas organizações do terceiro setor: considerações teóricas. Revista de Administração da USP, 39(4), 302-308.

Michie, J., & Oughton, C. (2005). The corporate governance of professional football clubs in England. Corporate Governance: An International Review, 13(4), 517-531.

Miles, M. B., & Huberman, M. A. (1994). Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. Sabe: Thousand Oaks.

Miranda, R. A. de, & Amaral, H. F. (2011). Governança corporativa e gestão socialmente responsável em empresas estatais. Revista de Administração Pública, 45(4).

Newland, K. (2010). The governance of international migration: mechanisms, processes, and institutions. Global Governance, 16, 331-343.

Nikoloyuk, J., Burns, T. R., & Man, R. de. (2010). The promise and limitations of partnered governance: the case of sustainable palm oil. Corporate Governance, 10(1), 59-72.

Nordberg, D. (2012). Rules of the game: whose value is served when the board fires the owners? Business Ethics: A European Review, 21(3), 298-309.

Oliveira, M. A. C. de, Oliveira, O. V. de, Stefe, R., & Moraes, P. A. B. Governança corporativa no setor bancário brasileiro: identificação das principais barreiras à adoção de melhores práticas de governança corporativa. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 37, EnANPAD. Anais Eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD, 2013. Recuperado em: .

Oman, C. P. (2001). Corporate governance and national development. OECD Development Centre.

Pires, G. (2009). O olimpismo hoje. De uma diplomacia do silêncio para uma diplomacia silenciosa. O caso das duas Chinas. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 9(2), 159-195.

Pozzebon, M., & Freitas, H. M. R. de. (1998). Pela aplicabilidade – com um maior rigor científico – dos estudos de caso em sistemas de informação. Revista de Administração Contemporânea, 2(2), 143-170.

Rasche, A. (2010). Collaborative governance 2.0. Corporate Governance, 10(4), 500-511.

Ribeiro, H. C. M. (2014). Produção acadêmica dos temas governança corporativa e sustentabilidade: uma análise dos últimos 14 anos nos periódicos internacionais. Revista Economia & Gestão, 14(35), 5-34.

Rodriguez-Dominguez, L., Gallego-Alvarez, I., & Garcia-Sanchez, I. M. (2009). Corporate governance and codes of ethics. Journal of Business Ethics, 90, 187-202.

Rossoni, L., & Machado-da-Silva, C. L. (2010). Institucionalismo organizacional e práticas de governança corporativa. Revista de Administração Contemporânea, spe, 173-198.

Rubio, K. (2006). O imaginário da derrota no esporte contemporâneo. Psicologia & Sociedade, 18(1), 86-91.

Sherry, E., Shilbury, D., & Wood, G. (2007). Wrestling with “conflict of interest” in sport management. Corporate Governance, 7(3), 267-277.

Shilbury, D., & Ferkins, L. (2011). Professionalisation, sport governance and strategic capability. Managing Leisure, 16, 108-127.

Silveira, A. D. M. da, Barros, L. A. B. de C., & Famá, R. (2003). Estrutura de governança e desempenho financeiro nas companhias abertas brasileiras: um estudo empírico. Caderno de Pesquisas em Administração, 10(1), 57-71.

silveira, A. D. M. da. (2005). Governança corporativa: desempenho e valor da empresa no Brasil. São Paulo: Saint Paul Editora.

Sonza, I. B., & Kloeckner, G. de O. (2014). Governança em estruturas proprietárias concentradas: novas evidências para o Brasil. Revista de Administração da USP, 49(2), 322-338.

Souza, F. C. de, & Borba, J. A. (2007). Governança corporativa e remuneração de executivos: uma revisão de artigos publicados no exterior. Contabilidade Vista & Revista, 18(2), 35-48.

Taylor, M., & O'sullivan, N. (2009). How should national governing bodies of sport be governed in the UK? An Exploratory study of board structure. Corporate Governance: An International Review, 17(6), 681-693.

Terra, P. R. S., & Lima, J. B. N. de. (2006). Governança corporativa e a reação do mercado de capitais à divulgação das informações contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 42, 35-49.

Thoma, J., & Chalip, L. (1996). Sport governance in the global community. Morgantown, WV: Fitness Inform Tech Inc.

Todeva, E. (2010). Theoretical tensions between regulation, governance, and strategic behaviour in a federated world order. International Journal of Social Economics, 37(10), 784-801.

Vieira, M. M. F. (1997). Poder, objetivos e instituições como determinantes da definição de qualidade em organizações brasileiras e escocesas. Revista de Administração Contemporânea, 1(1), 7-33.

Von Werder, A. (2011). Corporate governance and stakeholder opportunism. Organization Science, 22(5), 1345-1358.

Weitzner, D., & Peridis, T. (2011). Corporate governance as part of the strategic process: rethinking the role of the board. Journal of Business Ethics, 102, 33-42.

Yermack, D. (1996). Higher market valuation of companies with a small board of directors. Journal of Financial Economics, 40, 185-211.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zadek, S. (2008). Global collaborative governance: there is no alternative. Corporate Governance, 8(4), 374-388.

Zattoni, A. (2011). Who should control a corporation? Toward a contingency stakeholder model for allocating ownership rights. Journal of Business Ethics, 103(2), 255-274.

Zouain, D. M., Alves, J. A. B., & Pieranti, O. P. (2006). Relatório final de atividades do fórum de discussão permanente de políticas de esporte. Revista de Administração Pública, 40(4), 731-738.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015