ADOÇÃO DE PRÁTICAS DE GREEN SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: ESTUDO DE CASO DO CLUSTER DE CERAMICA DE CRICIUMA

Marcio Aparecido Lucio, Leomar dos Santos

Resumo


Este trabalho tem como objetivo identificar a adoção de práticas de Green Supply Chain Management (GSCM) nas empresas do Cluster Cerâmico de Criciúma. Trata-se de uma  pesquisa qualitativa e exploratória. O método de pesquisa é o estudo de múltiplos casos, com a triangulação dos dados, provenientes de entrevistas, observações diretas e obtenção de dados secundários. Participaram do estudo quatro empresas produtoras de cerâmicas de revestimentos da região de Criciúma/SC, sendo estas divididas em grandes (duas), média (uma) e pequena (uma). Apurou-se que as grandes empresas são as que têm práticas de GSCM mais consolidadas, e a pequena trabalha apenas para atender a legislação ambiental. A prática mais utilizada pelas empresas é a gestão ambiental interna. As práticas de compras verdes e eco design também foram constatadas, principalmente nas que vendem para grandes clientes ou para clientes que buscam a certificação de edificação verde. Concluiu-se que as empresas do Cluster Cerâmico de Criciúma utilizam as práticas de GSCM inicialmente para atender a legislação ambiental. Quando há interesse da alta gestão e capital para investir, a empresa busca aprimorar seus processos e assim ter mais efetividade em suas práticas de Gestão Verde da Cadeia de Suprimentos e por conseqüência conquistando novos mercados.


Palavras-chave


Green Supply Chain Management; Indústria de Revestimento Cerâmico, Cluster Cerâmico de Criciúma.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Alperstedt, G. D., Quintella, R. H., Martignago, G. & Bulgacov, S.( 2013). A atuação no mercado externo influencia a estratégia de gestão ambiental das empresas brasileiras? Um estudo multicaso na indústria cerâmica de Santa Catarina. Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, 7(2), 3-19. doi:10.5773/rgsa.v7i2.726

Arantes, A. F., Jabbour, A. B. L. D. S. & Jabbour, C. J. C. (2014). Adoção de práticas de Green Supply Chain Management: mecanismos de indução e a importância das empresas focais. Production, 24(4), 725-734. doi:10.1590/S0103-65132014005000007

Arimura, T. H., Darnall, N. & Katayama, H. (2011). Is ISO 14001 a gateway to more advanced voluntary action? The case of green supply chain management. Journal of Environmental Economics and Management, 61(2), 170-182, doi:10.1016/j.jeem.2010.11.003

Azevedo, S. G., Govindan, K., Carvalho, H. & Cruz-Machado, V. (2013). Ecosilient Index to assess the greenness and resilience of the upstream automotive supply chain. Journal of Cleaner Production, 56, 131-146. doi:10.1016/j.jclepro.2012.04.011

Beamon, B. M. (1999). Designing the Green supply chain. Logistics Information Management, 12(4), 332–342. doi:10.1108/09576059910284159

Benveniste, G., Gazulla, C., Fullana, P. & Celades, I. (2012). Análise do Ciclo de Vida Setorial de Placas Cerâmicas. Cerâmica Industrial, 17(1), 7-13. doi:10.4322/cerind.2014.001

Bianchini, C. (2001). Indicadores de qualidade ambiental para a indústria cerâmica. Dissertação de Mestrado em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,SC,Brasil

Cario, S. A. F., Pinto, C. C. G. J. & Fernandes, R. L.(2008). Análise do arranjo produtivo cerâmico de revestimento da região sul de Santa Catarina: dinâmicas Produtivas, inovativa, comercial e institucional. A economia em Revista AERE, 16(1), 6-23. doi:10.4025/aere.v16i1.12823

Cario, S. A. F., Vazquez, F. F. & Enderle, R. A. (2007). Estrutura e padrão de concorrência da indústria de cerâmica de revestimento brasileira: características competitivas e desafios ao desenvolvimento. Revista Paranaense de Desenvolvimento-RPD, 112, 7-30. Recuperado em 24 jan, 2015 de http://www.ipardes.pr.gov.br/ojs/index.php/revistaparanaense/article/view/35

Darnall, N., Jolley, J. & Handfield, R.(2008). Environmental management systems and green supply chain management: complements for sustainability? Business Strategy and the Environment, 7(1), 30-45. doi:10.1002/bse.557

Dües, C. M., Tan, K. H. & Lim, M. (2013). Green as the new Lean: how to use lean practices as a catalyst to greening your supply chain. Journal of Cleaner Production, 40, 93-100. doi:10.1016/j.jclepro.2011.12.023

Eisenhardt, K. M. (1989). Building Theories from Case Study Research. Academy of Management Review. 14(4), 532-550. doi:10.5465/AMR.1989.4308385

Eltayeb, T. K., Zailani, S. & Ramayah, T. (2011). Green supply chain initiatives among certified companies in Malaysia and environmental sustainability: investigating the outcomes. Resources, Conservation and Recycling, 55(5), 495-506. doi:10.1016/j.resconrec.2010.09.003

EXPOREVESTIR (2016). Relatório de atividades 2014/ 2016. São Paulo: Anfacer. Recuperado em 24 maio, 2016, de http://www.exporevestir.com.br/transf/ Relat%C3%B3rio%20de%20Atividades% 202014 -2016.pdf.

Ferrari, K. R. (2000). Aspectos ambientais do processo de fabricação de placas de revestimentos cerâmicos (via úmida), com ênfase nos efluentes líquidos. Tese de Doutorado em Ciências ,Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Fiorini, P. de C. & Jabbour, C. J. C. (2014). Análise do apoio dos sistemas de informação para as práticas de gestão ambiental em empresas com ISO 14001- estudo de múltiplos casos. Perspectivas em Ciência da Informação, 19(1), 51-74.

doi:10.1590/S1413-99362014000100005

GBC – GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL. (2016). Recuperado em 08 janeiro , 2016, de http://gbcbrasil.org.br/sobre-certificado.php

Gilbert, S. (2001). Greening Supply Chain: Enhancing Competitiveness Through Green Productivity. Tapei, Taiwan,16,1-6. Recuperado em 23 outubro, 2015, de http://www.apo-tokyo.org/00e-books/GP-09_GreenSupplyChain.htm.

Gonçalves-Dias, S. L. F., Guimarães, L. F. & Santos, M. C. L.(2012). Inovação do desenvolvimento de produtos “verdes”: integrando competências ao longo da cadeia produtiva. Revista de Administração e Inovação, 9(3), 129-153. doi:10.5773/rai.v9i3.782

Gonzáles-Benito, J. & Gonzáles-Benito, O. (2006). A review of determinant factors of environmental proactivity. Business Strategy and The Enviroment, 15, 87-102. doi:10.1002/bse.450

Gorini, A. P. F. & Correa, A. R. (1999). Cerâmica para revestimentos. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, 10, 201-251. Recuperado em 23 outubro, 2015, de http://www.bndes.gov.br/ SiteBNDES/export/sites /default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/bnset/set1005.pdf

Green, K. W. Jr., Zelbst, P. J., Meacham, J. & Bhadauria, V. S.(2012). Green supply chain management practices: impact on performance. Supply Chain Management: An International Journal, 17(3), 290-305.doi:10.1108/13598541211227126.

ISO 13006. (2012) Segunda edição 05.03.2012. Válida a partir de 06.03.2012. Cerâmicas de Revestimento - Definições , classificação , características e marcação. Número de referência. ABNT NBR ISO 13006:2012, 52 páginas. Rio de Janeiro: ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

Jabbour, A. B. L. S., Azevedo, F. S., Arantes, A. F. & Jabbour, C. J. C. (2013). Esverdeando a cadeia de suprimentos: algumas evidências de empresas localizadas no Brasil. Gestão e Produção, 20(4), 953-962. doi:10.1590/S0104-530X2013000400014

Jabbour, A. B. L. S., Jabbour, C. J. C., Govindan, K., Kannan, D., Salgado, M.H. & Zanon, C.J. (2013). Factors affecting the adoption of green supply chain management practices in Brazil: empirical evidence. International Journal of Environmental Studies, 70(2), 302-315. doi:10.1080/00207233.2013.774774

Leite, P. R.(2009). Logística reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Prentice Hall.

Liu, K. H. & Wong, C. W. (2012) Green logistics management and performance: Some empirical evidence from Chinese manufacturing exporters. Omega, 40(3), 267-282, 2012. doi:10.1016/j.omega.2011.07.002

Marshall, A. (1996). Princípios de Economia: tratado introdutório. (R. Almeida & O. Strauch, Trad.).São Paulo: Nova Cultural.

Mauricio, A. L. (2014). Fatores críticos de sucesso à adoção de práticas de Green Supply Chain Management: estudo de casos no setor de baterias automotivas. Dissertação de Mestrado em Engenharia da Produção, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, Bauru, SP, Brasil

Meyer-Stamer, J., Seibel, S.; Maggi, C. (2001). Globalização e os desafios para as indústrias italiana, espanhola e brasileira de revestimentos cerâmicos. Cerâmica Industrial, 6(6), 28-38.

Minatti, C. (2011). Green Supply Chain Management: O caso da indústria metal mecânica do Alto Vale do Itajaí. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, SC, Brasil

Muduli, K., Govindan, K., Barve, A. & Yong, G. (2013). Barriers to Green Supply Chain Management in Indian Mining Industries: A Graph Theoretic Approach. Journal of Cleaner Production , 47, 335-344. doi:10.1016/j.jclepro.2012.10.030

Nandi, V., Feltrin, J., Cataneo, M., Scremin, K., Montedo, O. & Oliveira, A.(2012). Caracterização de Resíduo Sólido de ETE da Indústria Cerâmica de Revestimento. Cerâmica Industrial, 17(2), 32-35. doi:10.4322/cerind.2014.011

Pereira, A. C., Melo, S. B., Slomski, V. G. & Weffort, E. F.(2013). Percepções de gestores sobre as contribuições do processo de certificação ISO 14001 nas práticas de gestão ambiental. Revista de Contabilidade e Organizações, 7(17), 69-88.

doi:10.11606/rco.v7i17.56665

Porter, M. E.(1998). Aglomerados e Competição: novas agendas para empresas, governos e instituições. In: ________, Michael E. (Org). Competição on Competition: estratégias competitivas essenciais. (7ª. ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Preuss, L.(2001). In Dirty Chains? Purchasing and Greener Manufacturing. Journal of Business Ethics, 34(3), 345-359. doi:10.1023/A:1012549318786.

Rogers, D. S. & Tibben-Lembke, R. S. (1999) Going backwards: reverse logistics trends and practices. Pittsburgh, PA: Reverse Logistics Executive Council.

Sarkis, J., Zhu, Q. & Lai, K. (2011) An organizational theoretic review of green supply chain management literature. International Journal of Production Economics, 130(1), 1-15. doi:10.1016/j.ijpe.2010.11.010

Sarkis, J. A. (2012) boundaries and flows perspective of green supply chain management. Supply Chain Management:An International Journal, 17(2), 202 – 216. doi:10.1108/13598541211212924

Seman, N. A. A., Zakuan, N., Jusoh, A., Arif, M. S. M. & Saman, M. Z. M. (2012). Green Supply Chain Management: A Review And Research Direction. International Journal Of Managing Value And Supply Chains, 3(1), 1–18. doi:10.5121/Ijmvsc.2012.3101

Seuring, S. & Muller, M.(2008). From a literature review to a conceptual framework for sustainable supply chain management. Journal of Clean Development, 16(15), 1699-1710. doi:10.1016/j.jclepro.2008.04.020

Shibao, F. Y., dos Santos, M. R. & Moori, R. G.(2015). Gestão da cadeia de suprimentos verde: uma comparação entre Brasil, China e Japão. Gestão Contemporânea, 16,72-90.

Soares, S. R., Pereira, S. W. & Breitenbach, F. E. (2002) Análise do ciclo de vida de produtos cerâmicos da indústria de construção civil. Congreso Interamericano de Ingeniería Sanitaria y Ambiental, Cancun, México, 28(pp. 1-8).

Souza, C; L. (2013). Barreiras e Motivações à Adoção de Práticas de Green Supply Chain Management: Estudo de Casos no Setor de Baterias Automotivas. Dissertação de Mestrado em Engenharia da Produção, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita, Bauru, SP, Brasil.

Srivastava, S. K. (2007). Green supply-chain management: A state-of-the-art literature review. International Journal of Management Reviews, 9(1), 53-80.Erro! A referência de hiperlink não é válida.

Wee, Y.S. & Quazi, H.A. (2005). Development and validation of critical factors of environmental management. Industrial Management & Data Systems, 105(1), 96-114. doi:10.1108/02635570510575216

Zhu, Q., Sarkis, J. & Lai, K. (2008). Green supply chain management implications for “closing the loop”. Transportation Research Part E: Logistics and Transportation Review, 44(1), 1-18. doi:10.1016/j.tre.2006.06.003

Zhu, Q. & Sarkis, J. (2006). An inter-sectorial comparison of green supply chain management in China: Drivers and practices. Journal of Cleaner Production, 14(5), 472-486. doi:10.1016/j.jclepro.2005.01.003


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015