Implementação de práticas de sustentabilidade ambiental em uma empresa do setor mecânico

Lorimar Francisco Munaretto, Jéssica Thalheimer de Aguiar, João Paulo Vieira

Resumo


O estudo teve por objetivo identificar as práticas de sustentabilidade ambiental realizadas em uma empresa do setor metal mecânico e ainda verificar quais os fatores que motivam a empresa a realizar essas práticas. A pesquisa possui abordagem metodológica qualitativa, e quanto aos objetivos propostos, à pesquisa é do tipo exploratória. Os dados foram coletados por meio de pesquisa não estruturada, realizada com o proprietário da empresa. Os resultados demonstram que a empresa em análise desenvolve diversas práticas sustentáveis. A empresa produz soda cáustica no decorrer das atividades, esse resíduo é revendido para uma indústria da própria região garantindo com que o mesmo não seja lançado no meio ambiente. No corte das caixas metálicas restam sobras de chapas que são revendidos para outra empresa, que utilizam os retalhos em seu processo de produção. O recebimento de insumos dos seus fornecedores para o processo de produção se dá por meio de caixas de papelão e recipientes de vidro, essas embalagens são vendidas a empresas de reciclagem. O pavilhão utilizado para o desenvolvimento das atividades da empresa possui em sua cobertura telas translucidas permitindo a utilização da iluminação natural. Por fim, a empresa possui sistema de captação de água da chuva, em que toda a água utilizada no processo de produção e serviços em gerais são providos da captação. Verificou-se que a motivação da realização das práticas sustentáveis se dá por fatores externos (atendimento à legislação ambiental, consumidores e prevenção de acidentes ecológicos) como também por fatores internos (redução de custos e despesas).


Palavras-chave


Sustentabilidade ambiental; setor metal mecânico.

Texto completo:

HTML PDF

Referências


Ageron, B.; Gunasekaran, A.; Spalanzani, A. (2011). Sustainable supply management: an empirical study. International Journal of Economics, in press.

Amaral, S. (2003) “Estabelecimento de Indicadores e Modelo de Relatório de Sustentabilidade Ambiental, Social e Econômica: Uma Proposta para a Indústria de Petróleo Brasileira”, Tese de DSc., PPE/COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro.

Assis, J.(2000). 21: Uma Nova Ética para o Desenvolvimento. São Paulo, 3ª Edição.

Barbieri, J. C. (1997). Desenvolvimento em meio ambiente: as estratégias de mudanças da Agenda 21. Petrópolis: Vozes.

Barbieiri, J. C.; Cajazeira, J. E. R. (2009). Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável: da teoria à prática. São Paulo: Saraiva.

Binswahger, H. C. (1997). Fazendo a sustentabilidade funcionar. In: Clóvis Cavalcanti. Meio ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Políticas Públicas São Paulo: CORTEZ. Recife: Fundação Joaquim Nabuco.

Bleischwitz, R. (2003) Cognitive and institutional perspectives of eco-efficiency Ecological Economics n. 46, p. 453-467.

Buainain, A. M. (2006) Agricultura familiar, agroecologia e desenvolvimento sustentável: questões para debate. Brasília: IICA.

Cavalcanti, Clóvis. (org.). (2003) Desenvolvimento e Natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez.

Coutinho, R.B.G; Macedo-Soares, T. D. L. V. A. (2002). Gestão Estratégica com Responsabilidade Social: Arcabouço Analítico para auxiliar sua implementação em empresas no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, v.6, n. 3, p. 75-96 set./dez.

Dias, R. (2009) Gestão Ambiental: Responsabilidade Social e Sustentabilidade. 1. Edição, São Paulo: Atlas.

Dionysio, R. C. C.; Santos, F. C. A. (2008) Evolução da informação apoiadora da gestão ambiental: uma análise centrada em seus estágios evolutivos e nos agentes decisórios. Informação & Informação, v. 12, n. 2.

Donato, V. (2008) Logística Verde - Uma abordagem Socioambiental. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda.

Ehlers, E. (2008). O que é agricultura sustentável. São Paulo: Brasiliense.

Elkington, J. (1999). Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Oxford: Capstone Publishing Limited.

Elkington, J. (2012). Sustentabilidade, canibais com garfo e faca. Edição Especial, São Paulo: M. Books.

Fernandez, F. (2005). Aprendendo a lição de Chapo Canyon: do desenvolvimento a uma vida sustentável. Revista Reflexão, São Paulo, v. 6, n. 15, p. 13-19.

Flecha, B. (2007). Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável. Belo Horizonte: do autor.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas. 2002.

Glavic, P.; Lukman, R. (2007). Review of sustainability terms and their definitions. Journal of Cleaner Production, v. 15, p. 1875 – 1885.

Gore, A. (2006). An inconvenient truth: the planetary emergency of global warming and what we can do about it. New York: Rodale.

Hall, J. (2000) Environmental supply chain dynamics. Journal of Cleaner Production, v.8, p. 455-471.

Jacobi, P. (1997). Meio ambiente urbano e sustentabilidade: alguns elementos para a reflexão. In: Cavalcanti, C. (Org.). Meio ambiente, Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. desenvolvimento sustentável e políticas públicas. São desenvolvimento sustentável e políticas públicas. Paulo: Cortez Editora.

Kotler, P.; Armstrong, G. Apud Raful, N. F.; Juchem, D. M. (2007). Desempenho ambiental como fator de competitividade e responsabilidade social empresarial. Goiás: FacMais.

LD4. (1999). Livro do Desassossego: composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa. Richard Zenith (org.). São Paulo: Companhia das Letras.

Marcondes, A. W.; Bacarji, C. D. (2012). ISE: Sustentabilidade no Mercado de Capitais. São Paulo: Report.

Noogard, R. (1997). Valoração ambiental na busca de um futuro sustentável. In: Cavalcanti, C. (Org.). Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas. São sustentável e políticas públicas. Paulo: Cortez.

Porto, A.; Ramos, L.; Goulart, S. (1998). Terra - Planeta Vida, 3ª série. Expressão.

Savitz, A. W.; Weber, K. (2007). A empresa sustentável: o verdadeiro sucesso é lucro com responsabilidade social e ambiental. Rio de Janeiro: Elsevier.

Schenini, P. C. (2005). Gestão empresarial sócio ambiental. Florianópolis: Núcleo de Pesquisas e Estudos em Gestão do Meio Ambiente – NUPEGEMA, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC), p. 161-180.

Schroeder, J. T; Schroeder, I. (2004). Responsabilidade Social Corporativa:Limites e Possibilidades, RAE-eletrônica, v. 3, n. 1, Art. 1.

Secretaria do Meio Ambiente/Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais. Agricultura sustentável. (2001). São Paulo: SMA.

Sousa, J. (2011). Uso Eficiente de Água em Aeroportos", RIBEIRO, E. N. (ed.). RiMa, São Carlos – SP, Brasil.

Teodósio, A. S. S.; Barbieri, J. C; Csillag, J. M. (2006). Sustentabilidade e Competitividade: Novas Fronteiras a partir da Gestão Ambiental. Revistas Gerenciais, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 37-49.

The Kyoto Declaration. (1993). Disponível em: http://www.iisd.org/educate/declarat/kyoto.htm. Acesso: 27 nov 2016. 1993.

Walker, D.; Pitt, M.; Thaukur, U. J. (2007). Environmental management systems: Information management and corporate responsibility. Journal of Facilities Management, v. 5, n. 1, p. 49-61.

Walker, H.; Sisto, L.; Mcbain, D. (2008). Drivers and barriers to environmental supply chain management practices from the public and private sector. Journal of Publishing & Supply Chain Management, v. 14, p. 69-85.

WCED. (1987). Our common Future. Oxford: Oxford University Press.

Zhu, Q. H.; Sarkis, J. Geng, Y. (2005). 2005 Green supply chain management in china: pressures and performance. International Journal of Operations & Producions Management, v. 25, n.5-6, p. 449-468.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Metropolitana de Sustentabilidade - ISSN  2318-3233


 

 Impact Factor 1,362 - year 2015

  

 Quality Factor 2,000 - year 2015