UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS (CLUSTER ANALYSIS) NOS SERVIÇOS PORTUÁRIOS: UM ESTUDO DOS SERVIÇOS DE PRATICAGEM NO BRASIL E NOS ESTADOS UNIDOS

Rafael Mozart Silva, Ana Maria Volkmer Azambuja, Rodrigo Javier Tapia, Guilherme Bergmann Borges Vieira, Luiz Afonso Santos Senna

Resumo


Os preços dos serviços de praticagem no Brasil, diferentemente de países em que há regulação econômica, não são fixados por uma autoridade, mas negociados diretamente entre as associações de práticos e os armadores. Esse modelo vem sendo criticado há alguns anos, baseado na argumentação de que, sob o ponto de vista econômico, a obrigatoriedade do uso dos serviços e a oferta limitada caracterizam um mercado com características monopolísticas, situação que motivou a criação da Comissão Nacional para Assuntos de Praticagem (CNAP), com vistas a estabelecer uma regulação econômica para o setor. Nesse contexto, o objetivo desta pesquisa foi, a partir da publicação de Dibner (2012) sobre as associações de praticagem dos Estados Unidos, verificar se as mesmas eram comparáveis às brasileiras. Para tanto, foi aplicado o método estatístico denominado ‘análise de agrupamentos’ ou cluster analysis. Os resultados indicam que as zonas de praticagem americanas e brasileiras são comparáveis e, dessa forma as praticagens americanas podem ser tomadas como referência (benchmark) para as brasileiras, com vistas a aumentar sua eficiência e economicidade.


Palavras-chave


cluster analysis; DEA; Logística Portuária; Praticagem.

Texto completo:

PDF

Referências


Beamon, B. M. (1998) Supply chain design and analysis: Models and methods. International Journal of Production Economics, v. 55, n. 3, p. 281–294.

Bonde, B. H. M.; Hans-Michael, T. (2000) Market Principles and Efficiency in Maritime Pilotage: an Assessment of Reorganisation Debates in Germany. The International Pilot – IMPA.

Brito, P. (2007). Entrevista realizada ao jornal “O Globo” em 28 de dezembro de 2007. Disponível em: . Acesso em: 26.mai.2015.

Brooks, M. R.; Cullinane, K. (2006) Governance models defined. Research in Transportation Economics, v. 17, n. 1, p. 405-435.

CEGN - Centro de Estudos em Gestão Naval da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2008) – Análise de Estrutura Operacional de Custos e Recursos de uma Associação de Praticagem no Brasil e Comparação de Desempenho e dos Modelos com Casos Internacionais, seguindo sugestão da Secretaria Especial de Portos (SEP), USP. Disponível em: . Acesso em: 04.abr.2015.

Conapra – Conselho Nacional de Praticagem. Disponível em: . Acesso em: 04.jul.2012.

Creswell, J. W. (2007) Projetos de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed.

Dibner, B. (2012) Review and Analysis of Harbor Pilot Net Incomes. Louisiana, Pilot Fee Commission, Expert Report.

Gil, A. C. (2010) Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Iannone, F. (2012) The private and social cost efficiency of port hinterland container distribution through a regional logistics system. Transportation Research Part A: Policy and Practice, vol. 46, n. 9, p. 1424-1448.

Kirchner, P. G; Diamond, C. L (2010) Unique Institutions, Indispensable Cogs, and Hoary Figures: Understanding Pilotage Regulation in the United States. U.S.F. Maritime Law Journal, v. 23, n. 1, p. 168-205.

Manly, B. F. J. (2008) Métodos Estatísticos Multivariados: uma introdução. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Marconi, M. A.; Lakatos, E. M. (2010) Técnicas de pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Mingoti, S. A. (2007). Análise de Dados através de Métodos de Estatística Multivariada: uma abordagem aplicada. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Monfort Mulinas, A.; Monterde Higuero, N.; Sapiña García, R.; Martín Soberón, A. M; Calduch Verduch, D.; Souza, P V. G. (2012) La terminal portuaria de contenedores como sistema nodal en la cadena logística. 2. ed. Valência: FundaciónValenciaport.

Silva, E. L.; Menezes, E. M. (2005) Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC.

United Nations Conference on Trade and Development (2011) World Investment Report – 2011. Non equity modes of International Production and Development. New York and Geneve: UNCTAD.

World Trade Organization.(2011) Understanding the World Trade Organization. Geneva: WTO.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INOVAE  -  ISSN 2357-7797