O Sistema Nacional de Gestão de Informações Territoriais (SINTER) como ferramenta de transparência e organização do território nacional

DEBORAH VALANDRO DE SOUZA, Diógenes Cortijo Costa, Henrique Cândido de Oliveira

Resumo


O objetivo deste estudo consiste em descrever como será o desempenho do Sistema Nacional de Gestão de Informações Territoriais (SINTER), como ferramenta de transparência e organização do território nacional, relacionando-o ao Land Administration Domain Model (LADM). Optou-se, metodologicamente, por uma revisão bibliográfica exploratória e qualitativa, de publicações e legislação relativas ao tema. Com a pesquisa realizada, foi possível depreender que, apesar de ser uma boa proposta, ainda existem muitos desafios para que o SINTER de fato venha a ser eficiente e eficaz, como a implementação de um cadastro técnico multifinalitario efetivo, principalmente, no âmbito urbano.


Palavras-chave


SINTER. LADM; Gestão Territorial; Cadastro Multifinalitário

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, F. A. (2014). Cadastro territorial multifinalitário (CTM), planejamento e gestão urbanos na Amazônia: a multifinalidade dos modelos de CTM de Belém e do Ministério das Cidades. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia Universidade Federal do Pará, Belém. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2019.

Brasil. (1973). Lei nº 6.015/1973, de 31 de dezembro de 1973. Dispõe sobre os registros públicos, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União (Suplemento).

Brasil. (2001). Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Estatuto da Cidade e legislação correlata: estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Brasília, Câmara dos Deputados.

Brasil. (2009). Portaria nº 511, de 7 de dezembro de 2009. Diretrizes para a criação, instituição e atualização do Cadastro Territorial Multifinalitário (CTM) nos municípios brasileiros. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1.

Brasil. (2016). Decreto n. 8.764, de 10 de maio de 2016. Institui o Sistema Nacional de Gestão de Informações Territoriais e regulamenta o disposto no art. 41 da Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009.s. Brasília: Diário Oficial da União.

Carneiro, A. F. (2003). Cadastro imobiliário e registro de imóveis. Porto Alegre: Instituto de Registro Imobiliário do Brasil.

Confea – Conselho Federal de Engenharia e Agronomia. (2019). Norma de Engenharia para georreferenciamento urbano no Brasil: normas e procedimentos recomendados de engenharia ao Cadastro urbano no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2019.

Dale, P. F., & Mclaughlin, J. D. (1999). Land administration. Oxford: Oxford University Press.

FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations. (1995). The state of food and agriculture. FAO Agriculture Series, 28. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2018,

Fassa. O. R. C. (2006). Registrador de imóveis responsabilidade patrimonial. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira.

FIG. (1995). Statement on the Cadastre. Report prepared for the International Federation of Surveyors (FIG) by Commission 7, Cadastre and Land Management.

Frederico, L. N. S., & Carneiro, A. F. T. (2014). Considerações sobre a aplicação do Land Administration Domain Model (LADM) na modelagem do cadastro territorial brasileiro. In: V Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação. Recife. Disponível em: . Acesso em:7 abr. 2019.

Gogolou, C., & Dimipoulou, E. (2015). Land administration standardization for the integration of cultural heritage in land use policies. Land Use Policy. v. 49, pp. 617 – 625. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2019.

ISO – International Organization for Standardization. (2012). ISO 19152:2012 Geographic Information: Land Administration Domain Model (LADM). Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2019.

Lemmen, C., Van Oosterom, P., & Bennett, R. (2015). The Land Administration Domain Model. Land Use Policy, v. 49, pp. 535–545. Disponível em:

Lima, L. A. (2011). A atividade notarial e registral e sua natureza jurídica. Âmbito Jurídico. Rio Grande, ano XIV, n. 92, set.

Loch, C., & Erba, A. (2007). Cadastro técnico multifinalitário: rural e urbano. Cambridge: Lincoln Institute of Land Policy.

Miranda, M. A. (2010). A importância da atividade notarial e de registro no processo de desjudicialização das relações sociais. Âmbito Jurídico, Rio Grande, ano XIII, n. 73, fev.

Nascimento, I. C. S. Q. (2017). Serviços notariais e de registro na simplificação do estado brasileiro. Dissertação (Mestrado) Centro Universitário de Brasília, Brasília.

Oliani, L. O. (2016). Noções de Cadastro Territorial Multifinalitário – CTM. Crea-PR, Série de Cadernos Técnicos.

Paiva, C. A., Antunes, A. F. B., & Camboim, S. (2018). Proposta de integração entre os dados do registro de imóveis e do cadastro imobiliário urbano. Boletim de Ciências Geodésicas. v. 24, n. 4, Curitiba, out./dez. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2019.

Paixão, S. K. S., Nichols, S., & Carneiro, A. F. T. (2012). Cadastro Territorial Multifinalitário: dados e problemas de implementação do convencional ao 3D e 4D. Boletim de Ciências Geodésicas. v. 18, n. 1.

Pessoa, L. C., Reis Filho, A. A., & Rocha, J. V. V. (2018). O cadastro territorial multifinalitário como ferramenta no planejamento urbano/The multifinalitary territorial registry as a tool for urbanplanning. Brazilian Journalof Development. v. 5, n. 1, pp. 915-926

Prefeitura Municipal de Cáceres. (2018). Prefeitura e Unemat iniciam coleta de dados para Cadastro Multifinalitário. Disponível em: . Acesso em: 11 mar. 2019.

Prefeitura Municipal de Hortolândia. (2008) Lei nº 2.092. Dispõe sobre o Plano Diretor do Município de Hortolândia. 4 jul. Disponível em: http://wrrengenharia.com.br/downloads/Lei_2092_04-05.pdf>. Acesso em: 30 mar. 2019.

Prefeitura Municipal de Vinhedo. (2016). Prefeitura dá o primeiro passo para interligar dados habitacionais ao Cadastro Técnico Municipal. Disponível em: . Acesso em: 20 mar., 2019.

Reydon, B. P. et al. (Org.). (2017). Governança de terras: da teoria à realidade brasileira. Brasília: FAO, .Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2019.

Scarassatti, D. F., Ramirez, E. J., Costa, D. C., & Trabanco, J. L. A. (2014). Cadastro multifinalitário e a estruturação de sistemas de informações territoriais. In: Congresso Cadastro Técnico Multifinalitário. Florianópolis.

SINTER – Sistema Nacional de Gestão de Informações Territoriais. (2013). Texto base do seminário. In: I Seminário SINTER Rede de Gestão Integrada de informações Territoriais. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2019.

Souza, C. H. G., & Gali, B. (2007). Geoprocessamento aplicado no município de São José do Rio Preto: do cadastro ao plano diretor. In: II Simpósio Brasileiro de Geomática. Presidente Prudente, jul.. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2019.

Steudler, D., Rajabifard, A., & Williamson, I. P. (2004). Evaluation of land administration systems. Land use policy, 21. Disponível em: . Acesso em: 4 jun. 2018.

Universidade Federal de Ouro Preto. (2010). Departamento de Comunicação. SIGHabitar – Cadastro Técnico Multifinalitário da Cidade Ouro Preto em Minas Gerais. Disponível em: http://www.decom.ufop.br/terralab/sighabitar-cadastro-tecnico-multifinalitario-da-cidade-ouro-preto-em-minas-gerais/>. Acesso em: 14 mar. 2019.

Varella, M. D.; Oliveira, C. G.; Moesch, F. (2007). Salto digital nas políticas públicas: oportunidades e desafios. Revista Brasileira de Políticas Públicas, v. 7, n. 3, dez., Brasília: Uniceub. Disponível em: https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/RBPP>. Acesso em: 17 mar. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INOVAE  -  ISSN 2357-7797