TECNOLOGIA INOVADORA DE APOIO AO GERENCIAMENTO DE EMPRESAS: O CASO DO CROWDSOURCING

PEDRO VIEIRA SOUZA SANTOS, MONICA FERREIRA DE BRITO ROCHA

Resumo


Com a rápida popularização das ferramentas da Web 2.0, que, em sua maioria, são gratuitas e de fácil acessibilidade por parte dos internautas, nota-se um cenário em que conteúdo publicado por pessoas comuns se expande continuamente pela rede. Tal material, que pode ser do tipo texto, imagen, som e vídeos, é facilmente acessível por outros usuários, via plataformas de busca ou outros sistemas de compartilhamento de sites. Associado a este fato, as formas de colaboração presentes na Web 2.0 também se desenvolvem, proporcionando o aparecimento de outras ferramentas, como o crowdsourcing. Esse fenômeno pode tornar qualquer membro da sociedade, em colaboradore ativo das organizações que participam de modo a propor desafios a serem solucionados. A proposta deste artigo foi identificar, por meio de levantamento bibliográfico, o cenário do crowdsourcing do surgimento à condição atual, assim como apresentar aos leitores e gestores atuantes da economia criativa o conceito, as características, as finalidades e as vantagens de se empregar o crowdsourcing para ganhar em competitividade, bem como exemplos de empresas que se beneficiam dessa técnica no Brasil. O trabalho pretende colaborar para o fomento da produção coletiva, assim como para o fortalecimento da ferramenta e ampliação da área de atuação desse conceito.


Palavras-chave


Crowdsourcing; economia; era digital;

Texto completo:

PDF

Referências


BITTENCOURT, L. Colaboração em Massa (Crowdsourcing) na comunicação corporativa. 2016.

BRABHAM, D. C. Crowdsourcing as a model for problem solving an introduction and cases. Convergence: The International Journal Of Research Into New Media Technologies v. 14, n. 1, p. 75-90, 2008.

CAMARGO, A. A. B. DE, KHOURI, L. H. EL; GIAROLA, P. C. O Uso de Sistemas Colaborativos na Gestão de Projetos: Fatores Relevantes para o Sucesso. Trabalho de Conclusão de Curso, Fundação Instituto de Administração – FIA. 2005.

CASTRO, M. Colaboração online: a Internet a serviço da criação. Revista Exame, São Paulo, fev. 2011.

ESTELLÉS, A.; GONZÁLES, E. LADRON-DE-GUEVARA, F. Towards an integrated crowdsourcing definition. Journal of Information Science. 2012.

FABIAN, F. E. A utilização do crowdsourcing na comunicação organizacional: um estudo exploratório. Artigo. Universidade Rio dos Sinos. São Leopoldo. 2012.

GIARDELLI, G. Você é o que você compartilha: e-agora: como aproveitar as oportunidades da vida e trabalho na sociedade em rede. São Paulo: Gente, 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008. HOWE, HOWE, J. The rise of crowdsourcing. Wired Magazine. 2006.

HOWE, J. O poder das multidões: porque a força da coletividade está remodelando o futuro dos negócios. Editora Campus/Elsevier. 2008.

KLEEMANN, F., VOß, G.G.; RIEDER, K. Un(der)paid Innovators: The Commercial Utilization of Consumer Work through Crowdsourcing. Science, Technology & Innovation Studies, v. 4, n. 1, p. 5-26, 2008.

LEMOS, A. A comunicação das coisas. Teoria ator-rede e cibercultura. SP, Annablume, 2013.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2000.

LIMEIRA, T. M. V. E-Marketing: o marketing na internet com casos brasileiros. São Paulo: Saraiva, 2003.

OLIVEIRA, V, O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática: uma perspectiva cidadã para Web 2.0. Universidade Federal de Santa Catarina, 2012.

ORDANINI, A. ORDANINI, L. MICELI, M. PIZZETTI, A. Parasuraman. Crowd- funding: transforming customers into investors through innovative service platforms. Journal of Service Management, v. 22, n. 4, p. 443–470, 2011.

O’REILLY, T. What Is Web 2.0. Sebastopol: O’Reilly media, 2005.

PINTADO, D. H. Crowdfunding e a cultura de participação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2011.

RECUERO, R. Redes Sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SANTAELLA, L. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SANTOS, P. V. S.; LIMA, N. V. M.; OLIVEIRA, T. C. T.; PINHEIRO, F. A. A metodologia design thinking: estratégia gerencial para empreendimentos. Revista Latino-Americana de Inovação e Engenharia de Produção, v. 5, p. 25-43, 2017.

SANTOS, P. V. S. Aplicação do indicador overall equipment effectiveness (oee): um estudo de caso numa retífica e oficina mecânica. Brazilian Journal of Production Engineering, v. 4, n. 3, p. 1-18, 2018.

SANTOS, P. V. S.; SANTOS, L. D. P. G. Dos.Gestão de indicadores: um estudo de caso no setor de serviços. Brazilian Journal of Production Engineering, v. 4, n. 4, p. 115-133. 2018.

SPRADLIN, D. Are you solving the right problem? Harvard Business Review. 2012, Edição R1209F.

TAPSCOTT, D.; WILLIAMS, A. Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

WEINBERGER, D. A nova desordem digital: os novos princípios que estão reinventando os negócios, a educação, a política, a ciência e a cultura. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INOVAE  -  ISSN 2357-7797