AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO EM FILTRO LENTO QUANTO A MELHORIA NO pH E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ESGOTO DOMÉSTICO

ARISTON SILVA MELO JÚNIOR, PATRICIA CACHO NASCIMENTO, KLBER ARISTIDES RIBEIRO, RUBENS CAMPOS, LUAN SARAIVA LUCENA, LETICIA RUFO SILVA, REGIANE OLIVEIRA

Resumo


Com o aumento do processo industrial e a urbanização, cada vez mais se tem utilizado água para os processos industriais e para consumo humano. De modo a sanar a problemática foi desenvolvido novos tratamentos de esgoto. Entre eles: wetlands, filtros lentos, lagoas de estabilização, entre outros. Tais sistemas tornam-se interessantes pela sua fácil implementação e custos baixos. Nesse estudo foi utilizado em parceria um sistema de tratamento por filtro lento desenvolvido na UNICAMP, em que possui um pré-filtro e dois filtros lentos com e sem carvão ativado. A pesquisa monitorou e analisou os parâmetros pH e condutividade elétrica por 10 semanas, começando em 03 de janeiro de 2018 e finalizando em 05 de março de 2018. Os testes das amostras mostraram uma melhora na alcalinidade com valores de 9,0 para o sistema sem carvão ativado e 8,5 para o sistema com carvão ativado.


Palavras-chave


Saneamento, contaminação, Reuso, Engenharia.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO NETO, ROSSIN, MANFRINI. Tratamento de água. 2a Edição. CETESB, São Paulo, 1977.

Agência Nacional de Águas. Portal da Qualidade das Águas: Indicadores de Qualidade da Água – Índice de Qualidade das Águas (IQA). Disponível em: http://portalpnqa.ana.gov.br/indicadores-indice-aguas.aspx Acesso em: 02 fev. 2018.

CONAMA Nº 357. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Data da legislação: 17/03/2005 - Publicação DOU nº 053, de 18/03/2005, págs. 58-63.

DI BERNARDO, L. Filtração lenta e pré-filtração de águas de abastecimento. Apostila, Escola de Engenharia de São Carlos - USP,1989.

DI BERNARDO, L. Métodos e técnicas de tratamento de água. Vol. 2 Rio de Janeiro: ABES, 1993.

HESPANHOL, I. Filtração lenta. In: Técnicas de abastecimento e tratamento de água, vol. 2. 3a ed. São Paulo, CETESB, 1987.

HUISMAN, L & WOOD, W.E. Slow sand filtration. Geneva, World Health Organization, 1974.

MBWETTE, T.S.A. e GRAHAM, N.J.D. Improving the efficiency of slow sand filtration and separation wilth non-woven synthetic fabrics. In: Filtration and separation, vol. 24.1987.

MELO JÚNIOR, A. S. Projeto de Filtro Lento. Apostila. UNICAMP. 2005.

PATERNIANI, J.E.S. Utilização de mantas sintéticas não tecidas na filtração lenta em areia de águas de abastecimento. Tese de doutoramento, EESC - USP, 1991.

PROSAB – Programa de Pesquisa em Saneamento Básico, Tratamento de águas de abastecimento por filtração em múltiplas etapas. Rio de Janeiro, ABES, 1999. 114p.

SPERLING, M.V., Introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos, DESA/UFMG, Belo Horizonte, vol.1, 243p, 1996.

TATE, C.H. et al. Health and aesthetic of water quality. In: Water quality treatment, 4th ed., AWWA, McGraw-Hill Book Co. 1990.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INOVAE  -  ISSN 2357-7797