ANÁLISE GEOESTATÍSTICA PARA PREDIÇÃO DO OZÔNIO NA REGIÃO NORTE DO MUNICIPIO DE SÃO PAULO

Camila Bosco da Silva, Alexander Sérgio Evaso

Resumo


O ozônio é considerado um poluente secundário, formado na troposfera e que resulta de reações fotoquímicas envolvendo hidrocarbonetos, óxidos de nitrogênio e radiação solar. Ficar exposto ao ozônio poluente pode provocar irritação nos olhos e nas vias respiratórias, agravando doenças pré-existentes, como asma e bronquite. Esta pesquisa baseou-se na predição geoestatística do ozônio poluente em regiões da zona norte da cidade de São Paulo, onde há pouca cobertura de estações de monitoramento. Assim, com base na alta correlação entre ozônio e temperatura encontrada nos postos da área de Santana, construiu-se uma equação ajustada, o que permitiu o uso de dados de monitoramento da temperatura do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) para enriquecer a predição com ozônio calculado com base na temperatura. Finalmente, após a elaboração de camadas (layers) geoestatísticas, os mapas permitiram demonstrar a variação espacial e o possível comportamento do ozônio poluente em toda a região norte do município de São Paulo, especificamente nos períodos de verão e inverno entre 2013 e 2015.


Palavras-chave


Poluição Atmosférica; Ozônio; Poluente Secundário; Geoestatística.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, DEBORA S., GATTI, L. V, SANTOS,H.M, ; Yamazaki, A, Estudo dos compostos orgânicos voláteis precursores de ozônio na cidade de São Paulo, Studies of the volátil e organic compounds precursors of ozone in São Paulo city, Artigo Técnico, Eng. Sanit. Ambient. vol.16 no.2, 189-196, Rio de Janeiro Apr./June 2011.

Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – CETESB, Abrangência Espacial das Estações de Monitoramento de Ozônio (referente ao item I do Artigo 14° do Decreto Estadual n° 59.113/2013. Disponível em: Acesso em março de 2017.

FREITAS, E. D. et.al. A simple photochemical module implemented in RAMS for tropospheric ozone concentration forecast in the metropolitan area of São Paulo, Brazil: Coupling and validation. Atmospheric Environment. Vol. 39, p; 6352-6361. 2005.

MELO, TADEU C, LOUREIRO, LUCIANA N, VICENTINI, P. C., MOREIRA, E, ALMEIDA, J, C. Fator de Reatividade dos Gases de Escapamento para Formação de Ozônio – Metodologia e Resultados de Veículos Nacionais com Gasolina e GNV. p. 569-574. In: In Anais do XXI Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva — SIMEA 2013. São Paulo. Blucher, 2014.

ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-simea-PAP81.

MINISTÉRIO DA SAÚDE – Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Poluição Atmosférica – VIGIAR. Instrumento de Identificação dos Municípios de Risco, IIMR, 2012. Situação dos Estados Brasileiros. Brasília. 2013.

NEVES, NEUZA. Formação e Dispersão de Ozônio na Região do Recôncavo Baiano, Salvador, 2010.

NOVAIS, D. L. V. Ozônio: Aliado e Inimigo. São Paulo: Spicione, 1998.

SÃO PAULO, Decreto n° 59.113, de 23 de abril de 2013. Estabelece novos padrões de qualidade do ar e das providências correlatas, Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, São Paulo, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INOVAE  -  ISSN 2357-7797