ESTUDO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS E PROPENSÕES REMEDIATIVAS A AMBIENTES POLUÍDOS POR DIOXINAS E FURANOS

Daniela Sallai Moura Luna, Érica de Oliveira Barreto, Fernanda Mineiro Gonçalez, Lívia Fernanda De Ribeiro Santana, Leticia De Oliveira Paulino Rodrigues, Jeferson Santos Santana

Resumo


As dioxinas e furanos são organoclorados pertencentes ao grupo de poluentes orgânicos persistentes participantes da lista de poluentes da Convenção de Estocolmo. Sendo quimicamente estáveis, persistem no ambiente na parte superficial dos solos, no meio aquático e como podem se acumular nos tecidos adiposos da biota local podem participar dos processos de biomagnificação, prosseguindo na cadeia alimentar. Tornam-se poluentes quando liberadas por fontes fixas ou difusas sem controle ou por processos de combustão e sistemas de controle de emissão de má qualidade ou mal operados. Dentre as diversas técnicas de remediação ambiental de dioxinas e furanos os processos de fotodegradação aparecem como proposta graças à capacidade de interação das moléculas e radiações eletromagnéticas. O artigo aborda os principais impactos ambientais causados por dioxinas e furanos e propõe uma simulação do processo de fotodegradação em moléculas análogas sintéticas para verificação do efeito degradativo.


Palavras-chave


dioxinas; furanos; contaminação; remediação; meio ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


Assunção, J., Pesquero, C. R. (1999). Dioxinas e furanos: origens e riscos. Revista de Saúde Pública, v.33, n.5.

Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (2017). Decisão de diretoria nº 256/2016/e, de 22 de novembro de 2016. Disponível em < http://www.cetesb.sp.gov.br/wp-content/uploads/sites/11/2014/12/DD-256-2016-E-Valores-Orientadores-Dioxinas-e-Furanos-2016-Intranet.pdf>. Acessado em 30/10/2017.

Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (2017). Ficha da Informação Toxicológica – Dioxinas e Furanos. Disponível em: . Acessado em: 20/03/2017.

Fiuza & Rohlfs (2011). Dioxinas: causas e efeitos de um poluente orgânico persistente (POP). 2011 (Congresso). _6 Mostra de Produção Científica da Pós-Graduação Lato Sensu da PUC Goiás

Francisco (2017). Toxidade equivalente da atmosfera por dioxinas, furanos e bifenilas policloradas, com o uso de duas técnicas de coleta, passiva e ativa. _Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Instituto nutrição com ciência (2017). Como reduzir a contaminação por dioxinas. Disponível em: https://incciencia.com.br/2014/11/26/como-reduzir-a-contaminacao-por-dioxinas/>. Acessado em: 09/08/2017.

Lattuada, R. M.(2003). Avaliação da metodologia de detecção de massas de baixa resolução associado ao modo MS/MS na determinação de dioxinas e furanos. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Lemos, M. A., et. al.. (2009). Espectroscopia Visível E Ultravioleta. 2009. 10 f. Trabalho acadêmico – Centro de Ciências Naturais e Exatas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

Ministério do Meio Ambiente (2009) . RESOLUÇÃO CONAMA N° 420, de 28 de Dezembro de 2009. Disponível em < http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res09/res42009.pdf>. Acessado em 15/02/2017.

Ministério do Meio Ambiente. Inventário Nacional de Fontes e Estimativas de Emissões de Dioxinas e Furanos. Disponível em . Acessado em 20/11/2016.

Penteado, P. C. J., Vaz, M. J. (2001). Química Nova, v.24, n.3.

Pesatori, A. C., Consonni D., Rubagotti, M., Grillo, P. & BertazzI, P. A. (2009). Cancer incidence in the population exposed to dioxin after the "Seveso accident": twenty years of follow up. Enviromental Health, v.8, n.39, 2009.

Quinete, N. S. (2005). Extração de poluentes organoclorados persistentes em fragmentos remanescentes da mata atlântica, RJ: comparação de métodos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Ribeiro, P. R., Carvalho, J. R. M. & Geris, R. (2012). Furfural Da Biomassa Ao Laboratório De Química Orgânica. Química Nova, v.35, n.5.

Rocha, R. P. F. & Teixeira, S. G. L. (2004). Estratégias Para Aumento De Sensibilidade Em Espectrofotometria Uv-Vis. Química Nova, Vol. 27, No. 5, 807-812.

Sardiglia, S. M., Cunha, F. B., Sardiglia, C. U. & Dulllius, J. L. (2014). Liberação de Dioxinas por Fontes Difusas e Suas Consequências à Saúde Humana. Revista Eletrônica de Biologia, v.7, n.1.

Silveira, J. R., Loghin, S. R. (2014). Identificação da presença de substâncias químicas geradoras de dioxinas em resíduos laboratoriais. Enciclopédia Biosfera, v.10, n.18.

Silva, S. S., Carvalho, R. R., Fonseca, J. L. & Garcia, R. B. (1998). Extração e caracterização de xilanas de sabugos de milho. Polímeros: Ciência e Tecnologia, abr-jun.

Spiro, G. T. & Steliani, M. W. Química Ambiental. Editora Pearson. 2º Edição. São Paulo, 2009.

United Nations Enviroment Program - UNEP. (2001).. Standardized Toolkit for Identification and Qualification for Dioxin and Furan Releases. Disponível em: < https://web.fe.up.pt/~jotace/legislacao/toolkit.pdf>. Acesso em: 01/07/2017.

Wilson, K., Walker, J. (2010). Principles and Techniques of Biochemistry and Molecular Biology. Editora Cambridge University Press. 7ª edição, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INOVAE  -  ISSN 2357-7797