Evidenciação Voluntária de Boas Práticas de Governança Corporativa em Fundações Privadas, à Luz do IBGC

Renícia Maria Innocenti, Ernesto Fernando Rodrigues Vicente, Valdirene Gasparetto

Resumo


Objetivo: identificar o nível de evidenciação voluntária de boas práticas de governança corporativa em fundações privadas, à luz dos princípios estabelecidos pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC): transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa.

Método: pesquisa qualitativa, descritiva e de natureza aplicada. Para aferir o nível de evidenciação voluntária foi elaborado um checklist com 27 boas práticas de governança corporativa recomendadas pelo IBGC e adaptadas às fundações privadas.

Resultados: o nível médio de evidenciação voluntária de práticas de governança foi de 1,2, na escala de 0 a 2, empregada no estudo, o que indica disponibilidade dos dados na ordem de 62%, e reflete a adequação parcial aos princípios propostos pelo IBGC para esse segmento social.

Contribuições: o estudo contribui com a literatura acerca da evidenciação voluntária de governança corporativa no terceiro setor brasileiro, tema pouco explorado em estudos similares. Como contribuição social, tem-se o aperfeiçoamento dos modelos de gestão das organizações do terceiro setor, por meio da implementação de boas práticas de governança, para alcançar maior transparência e desenvolvimento sustentável.


Palavras-chave


Evidenciação Voluntária; Governança Corporativa; Terceiro Setor; Fundações Privadas.

Referências


Aguilera, R. V., & Jackson, G. (2010). Comparative and international corporate governance. The academy of management annals, 4(1), 485-556. https://doi.org/10.1080/19416520.2010.495525

Angonese, R., Fank, O. L., Oliveira, C. R. de, & Bezerra, F. A. (2013). Divulgação de informações voluntárias na internet como determinante do custo do capital de terceiros. Enfoque: Reflexão Contábil, 32(3), 57-71. Recuperado de http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Enfoque/article/view/18948

Ávila, L. A. C., & Bertero, C. O. (2016). Third sector governance: a case study in a university support foundation. Revista Brasileira de Gestão de Negócios-RBGN, 18(59), 125-144. https://doi.org/10.7819/rbgn.v18i59.2107

Baller, E. A., Ramos, F. M., Silva, I. S. T., & Soares, S. V. (2018). Evidenciação das práticas de Governança Corporativa nas Instituições de Ensino Superior (IES) Fundacionais Catarinenses. Revista Brasileira de Contabilidade, 233(1), 62-75. Recuperado de http://www.informef.com.br/paginas/mef33914.htm

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. (3a ed.). Lisboa: Edições 70.

Bevilaqua, S., & Peleias, I. R. (2015). Transparência para gerar confiança: as fundações empresariais e suas práticas de governança. Gestão. Org-Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 13(2), 140-153. Recuperado de https://periodicos.ufpe.br/revistas/gestaoorg/article/viewFile/22040/18456

Borges, G. M. C. (2017). Determinantes dos impedimentos de concessões e transferências de recursos públicos às entidades privadas sem fins lucrativos no Brasil (Tese de doutorado). Universidade de Brasília, Universidade Federal da Paraíba, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil. Recuperado de http://repositorio.unb.br/handle/10482/22366

Campos, G., Moreira, R., & Scalzer, R. (2015). Financial Reporting: Reflection On Transparency In The Third Sector. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 9(3), 130-142. Retrieved from http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-06/index.php/ufrj/article/view/2439/2106

da Silva, L. C., Soares, S. V., & Casagrande, M. D. H. (2019). Evidenciação contábil de entidades do terceiro setor: uma análise da conformidade das demonstrações contábeis da universidade do sul de santa catarina-unisul. ConTexto, 19(43), 13-26. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/ConTexto/article/view/79754

Dumont, G. E. (2013). Nonprofit virtual accountability: An index and its application. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, 42(5), 1049-1067. https://doi.org/10.1177/0899764013481285

Ferreira, R. M., de Lima, S. L. L., Gomes, A. R. V., & de Mello, G. R. (2019). Governança Corporativa: Um estudo bibliométrico da produção científica entre 2010 a 2016. Revista Organizações em Contexto, 15(29), 323-342. http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v15n29p323-342

Forte, L. M., Santos Neto, J. B., Nobre, F. C., Nobre, L. H. N., & Queiroz, D. B. (2015). Determinants Of Voluntary Disclosure: A Study in the Brazilian Banking Sector. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 5(2), 23-37. http://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004

Gandía, J. L. (2011). Internet disclosure by nonprofit organizations: Empirical evidence of nongovernmental organizations for development in Spain. Nonprofit and voluntary sector quarterly, 40(1), 57-78. https://doi.org/10.1177/0899764009343782

Gollo, V., Schulz, S. J., & Da Rosa, F. S. (2014). Evidenciação contábil em entidades brasileiras de terceiro setor: adequação às normas brasileiras de contabilidade. ConTexto, 14(27), 104-116. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/ConTexto/article/view/41595/pdf_30

Ingenhoff, D., & Koelling, A. M. (2009). The potential of Web sites as a relationship building tool for charitable fundraising NPOs. Public Relations Review, 35(1), 66-73. https://doi.org/10.1016/j.pubrev.2008.09.023

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. (5a ed). Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. São Paulo: IBGC.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2016). Guia das Melhores Práticas para Organizações do Terceiro Setor: Associações e Fundações. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. São Paulo: IBGC.

Kang, S., & Norton, H. E. (2004). Nonprofit organizations’ use of the World Wide Web: are they sufficiently fulfilling organizational goals?. Public relations review, 30(3), 279-284. https://doi.org/10.1016/j.pubrev.2004.04.002

Lima, E., & Pereira, C. (2011). Associação entre índices de disclosure e características corporativas das Instituições de Ensino Superior Filantrópicas do Brasil - IESFB . Revista De Contabilidade E Organizações, 5(11), 23-48. https://doi.org/10.11606/rco.v5i11.34784

Lopez, F., & Bueno, N. (2012). Transferências federais a entidades privadas sem fins lucrativos (1999-2010). doi: http://hdl.handle.net/10419/91131

Marques, B. A., Rody, P. H. A., Campos, G. M., & Reina, D. (2015). Terceiro Setor: panorama das tendências de 1998 a 2013 por meio de um estudo bibliométrico. Enfoque: Reflexão Contábil, 34(2), 71- 89. Recuperado de http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Enfoque/article/view/23439

Mário, P. D. C., Paula, C. L. S. D., & Alves, A. D. D. F. (2013). Evidenciação das Fundações Privadas de Belo Horizonte: Prestação de Contas e Qualidade da Informação1. Pensar Contábil, 15(56), 29-41. Recuperado de http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-06/index.php/pensarcontabil/article/viewFile/1542/1379

Martins, M., & Martins, V. F. (2014). Governança Corporativa no Terceiro Setor: um estudo de caso em fundação de serviços hospitalares. Revista Mineira de Contabilidade, 15(54), 6-13. Recuperado de https://pdfs.semanticscholar.org/944f/1c53c5dd7661cba5b2d83a65571d75bf63ae.pdf

Mac Lennan, M. L. F., Semensato, B. I., & Oliva, F. L. (2015). Responsabilidade Social Empresarial: classificação das instituições de ensino superior em reativas ou estratégicas sob a ótica da governança corporativa. REGE-Revista de Gestão, 22(4), 457-472. https://doi.org/10.5700/rege572

Mendes-da-Silva, W., Ferraz-Andrade, J. M., Famá, R., & Filho, J. A. M. (2009). Disclosure via website corporativo: um exame de informações financeiras e de governança no mercado brasileiro. RAE-Revista de Administração de Empresa, 49(2), 190-205. https://doi.org/10.1590/S0034-75902009000200006

Mendes-Da-Silva, W., & Onusic, L. M. (2014). Corporate e-disclosure determinants: Evidence from the Brazilian market. International Journal of Disclosure and Governance, 11(1), 54-73. https://doi.org/10.1057/jdg.2012.14

Milani Filho, M. A. F., & Milani, A. M. M. (2011). Governança no terceiro setor: estudo sobre uma organização francesa do século XIX. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa – RECADM, 10(1), 32-46. https://doi.org/10.5329/RECADM.20111001003

Milani Filho, M., Dayane, S., & Tatiane, G. (2015). Grau de evidenciação das informações voluntárias das Instituições de Ensino Superior confessionais e não confessionais. Revista Contabilidade e Controladoria, 7(3), 38-52. http://dx.doi.org/10.5380/rcc.v7i3.37176

Pacheco, R. R., Macagnan, C. B., Seibert, R. M. (2016). Fatores Explicativos do Nível de Evidenciação de Informações de Organizações do Terceiro Setor. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 6(2), 72-93. http://dx.doi.org/10.18028/2238-5320/rgfc.v6n2p72-93

Pacheco, L. O., Szuster, N., & da Silva Macedo, M. A. (2014). Evidenciação contábil em fundações privadas de saúde: Uma análise das prestações de contas de entidades do município de Belo Horizonte. Revista Ambiente Contábil, 6(2), 240-260. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4798215

Paim, J. D. Q. (2017). Contribuições das universidades comunitárias de Santa Catarina para o desenvolvimento regional na sociedade do conhecimento (Dissertação de mestrado). Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, SC, Brasil. Recuperado de http://repositorio.unesc.net/handle/1/5473

Ribeiro, H. C. M., Costa, B. K., Ferreira, M. A. S. P. V., & Serra, B. P. D. C. (2014). Produção científica sobre os temas governança corporativa e stakeholders em periódicos

internacionais. Contabilidade, Gestão e Governança, 17(1), 95-114. Recuperado de https://www.revistacgg.org/contabil/article/view/571

Ribeiro, H. C. M., & dos Santos, M. C. (2015). Perfil e evolução da produção científica do tema governança corporativa nos periódicos qualis/capes nacionais: uma análise bibliométrica e de redes sociais. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 18(3), 4-27. Recuperado de https://www.revistacgg.org/contabil/article/view/802

Rufino, M. A., & Monte, P. A. D. (2015). Fatores que explicam a divulgação voluntária das 100 empresas com ações mais negociadas na BM&FBovespa. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 9(3), 59-75. Recuperado de http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-06/index.php/ufrj/article/viewArticle/2435

Saxton, G. D., & Guo, C. (2011). Accountability Online: Understanding the Web-Based Accountability Practices of Nonprofit Organizations. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, 40(2), 270-295. https://doi.org/10.1177/0899764009341086

Schimith, P. F., & Chagas, P. B. (2010). A aplicação da governança corporativa no terceiro setor: um estudo de caso. Caderno de Administração, 17(2), 12-25. Recuperado de http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CadAdm/article/view/11613

Silveira, D., & Borba, J. A. (2010). Evidenciação Contábil de Fundações Privadas de Educação e Pesquisa: Uma Análise da Conformidade das Demonstrações Contábeis de Entidades de Santa Catarina. Contabilidade Vista & Revista, 21(1), 41-68. Recuperado de https://revistas.face.ufmg.br/index.php/contabilidadevistaerevista/article/view/815

Soares, S., Ramos, F., Casagrande, J., & Nunes, N. (2019). Revisão integrativa da literatura brasileira sobre Contabilidade Financeira e Gerencial de organizações do Terceiro Setor. Revista Brasileira de Contabilidade, 239(1). 68-89. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/336956915_Revisao_integrativa_da_literatura_brasileira_sobre_Contabilidade_Financeira_e_Gerencial_de_organizacoes_do_Terceiro_Setor

Van Hulle, C., & Dewaelheyns, N. (2014). Why do private non-profit organizations provide information on the Internet? Social Enterprise Journal, 10(1), 69-86. https://doi.org/10.1108/SEJ-12-2012-0047

Velloso-dos-Santos, C. M., Ohayon, P., & Pimenta, M. M. (2017). Disclosure Via Website e as Características das Empresas do Terceiro Setor: Estudo Empírico das Entidades Cariocas. Advances in Scientific and Applied Accounting, 10(1), 073-090. http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2017100105

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on disclosure. Journal of accounting and economics, 32(1-3), 97-180. http://dx.doi.org/10.1016/S0165-4101(01)00025-8

Vicente, E. F. R., & Scheffer, E. D. O. (2014). Governança e Internet: um estudo de caso sobre a divulgação de dados da Administração Pública sob a ótica dos princípios da governança pública. Universitas: Gestão e TI, 3(2). http://dx.doi.org/10.5102/un.gti.v3i2.2412

Vilela, J., Carvalho Neto, A., Bernardes, P., & Cardoso, M. (2015). Governança e Relações de Poder: Orientando as Boas Práticas em Cooperativas e outras Sociedades de Pessoas. Journal of Accounting, Management and Governance, 18(2), 69-84. Recuperado de https://www.revistacgg.org/contabil/article/view/758

Zittei, M. V. M., Politelo, L., & Scarpin, J. E. (2016). Nível de Evidenciação Contábil de Organizações do Terceiro Setor. Administração Pública E Gestão Social, 1(2), 85-94. http://dx.doi.org/10.21118/apgs.v1i2.892


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Indexadores:

   

Spell