A POLUIÇÃO COMO IMPACTO AMBIENTAL NA SAÚDE PÚBLICA SOB O OLHAR DOS ENFERMEIROS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA

Adson da Conceição Virgens, Jaqueline Lopes Prates, Gabriella Pimentel Marques, Cinoélia Leal de Souza, Elaine Santos da Silva, Ane Carolline Donato Vianna, Leandro da Silva Paudarco

Resumo


O estudo objetivou identificar a percepção dos enfermeiros sobre os impactos da poluição na saúde pública no contexto da atenção primária. Pesquisa com abordagem qualitativa descritiva, na qual os dados foram coletados por meio de entrevistas individuais semiestruturadas com 11 enfermeiros na Estratégia de Saúde da Família da cidade de Guanambi-Bahia. Foram levantadas três categorias temáticas para discussão: percepção dos enfermeiros sobre as questões ambientais e a poluição na saúde pública; atuação do enfermeiro na atenção primária e sua contribuição na redução dos efeitos da poluição; relevância da capacitação do enfermeiro frente aos impactos ambientais à saúde. Com os resultados foi possível notar um distanciamento entre as questões ambientais e a poluição nas ações dos enfermeiros da atenção primária, pois ao serem questionados sobre como a poluição atmosférica poderia estar relacionada com problemas respiratórios as respostas foram vagas e pouco específicas, sendo que a capacitação na área ambiental foi inexistente e percebeu-se o pouco conhecimento sobre barreiras ambientais na área de atuação. Assim, percebe-se que os enfermeiros abordam de forma superficial sobre a poluição na saúde pública. Isso demonstra a necessidade de a equipe de enfermagem problematizar essa realidade visando ampliar ações de promoção da saúde para que os impactos ambientais, bem como a poluição sejam reduzidos.


Palavras-chave


educação ambiental; educação em saúde; poluição ambiental; saúde; saúde pública.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALMEIDA, E. R; MOUTINHO, C. B; LEITE, M.T.S. Prática pedagógica de enfermeiros de Saúde da Família no desenvolvimento da Educação em Saúde. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 20, p. 389-402, 2016.

ARAÚJO, J. L. et al. Brazilian Unified Health System and democracy: nursing in the context of crisis. Rev. Bras. Enferm. [Internet], v.71, n.4, P.2187-92,2018.

ARGENTON, I. S. et al. The AnalysisofCriticalPathways as a Tool for IntegratingTeachingand Service in Health. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 42, n. 4, p. 184-190, 2018.

BESERRA, E.P et al. Educação ambiental e enfermagem: uma integração necessária. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 63, n. 5, 2010.

BRASIL. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). 2017.

BRUZOS, G. A. S et al. Meio ambiente e enfermagem: suas interfaces e inserção no ensino de graduação. Saúde e Sociedade, v. 20, p. 462-469, 2011.

CANUT, L. Uma breve introdução ao SUS para compreensão do direito à saúde no Brasil. Revista Direitos Fundamentais & Democracia, v. 12, n. 12, p. 186-214, 2012.

CARRAPATO, P; CORREIA, P; GARCIA, B. Determinante da saúde no Brasil: a procura da equidade na saúde. Saúde e Sociedade, v. 26, p. 676-689, 2017.

DAPPER, S. N; SPOHR, C; ZANINI, R. R. Poluição do ar como fator de risco para a saúde: uma revisão sistemática no estado de São Paulo. Estudos Avançados, v. 30, n. 86, p. 83-97, 2016.

DIAS, G.L et al. Representações sociais sobre saúde e meio ambiente para equipes de

Estratégia Saúde da Família. Saúde e Sociedade, v. 27, p. 163-174, 2018.

DITTZ, A. S et al. A percepção dos profissionais da Estratégia da Saúde da Família sobre o conceito de família. Enfermagem Revista, v. 16, n. 2, p. 111-122, 2016.

DUARTE, M. L. C; BOECK, J. N. O Trabalho em equipe na enfermagem e os limites e possibilidades da Estratégia da Saúde da Família. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 13 n. 3, p. 709-720,set./dez. 2015.

FACCHINI, L. A; TOMASI, E; DILÉLIO, A. S. Qualidade da Atenção Primária à Saúde no Brasil: avanços, desafios e perspectivas. Saúde em Debate, v. 42, p. 208-223, 2018.

FILHO et al. Distribuição espacial de queimadas e mortalidade em idosos em região da Amazônia Brasileira, 2001–2012. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 245-253, 2017.

FIRMINO, A. A. et al. Atuação de enfermeiros na estratégia de saúde da família em um município de minas gerais. Saúde (Santa Maria), v. 42, n.1, p. 49-58, 2016.

MARQUES, A. D. B et al. Pesquisa-ação na perspectiva da enfermagem em educação ambiental: da teoria à prática. Rev. enferm. UFPE online, v. 10, n. 3, p. 1155-1161, 2016.

MERCÊS, J. C; MORAIS, B. E; OLIVEIRA, S. R.F. A importância do enfermeiro enquanto coordenador na equipe de estratégia de saúde da família. Psicologia e Saúde em debate, v. 4, n. 3, p. 72-83, 2018.

MORENO, C. A. et al. Atribuições dos Profissionais de Enfermagem na Estratégia de Saúde da Família, uma Revisão das Normas e Práticas. Ciência da Saúde, v. 19, n. 3, p. 233-240, 2015.

OLIVEIRA, M. J. I; SANTO, E.E. A relação entre os determinantes sociais da saúde e a questão social. Caderno Saúde e Desenvolvimento, v. 2, n. 2, p. 07-24, 2013.

PERES, R. R et al. Saúde e ambiente:(in) visibilidades e (des) continuidade na formação profissional em enfermagem. Escola Anna Nery, v. 20, n. 1, p. 25-32, 2016.

PERES, R. R et al. As contribuições das produções científicas na temática “enfermagem e meio ambiente”: uma revisão narrativa. Revista de Atenção à Saúde (antiga Rev. Bras. Ciên. Saúde), v. 13, n. 44, p. 85-93, 2015.

RAFAEL, E.T; GOUVEIA, J.M; SANTOS, R.C.S. Inter-relação saúde meio ambiente: análise do conhecimento de profissionais que atuam na rede pública de saúde. Acta ScientiaeBiologicalResearch, v. 2, n. 1, 2017.

RIBEIRO, M. C.S; BERTOLOZZI, M. R. Reflexões Sobre a Participação da Enfermagem nas Questões Ecológicas, RevEscEnferm, São Paulo, 36(4): 300-308, 2002.

SANTOS, D.A; SILVA, M.S; AZEVEDO, J.V.V. A saúde e o meio ambiente na visão do enfermeiro na atenção primária à saúde. InterfacEHS, v. 10, n. 2, 2015.

SANTOS, D. A et al. A relação das variáveis climáticas na prevalência de infecção respiratória aguda em crianças menores de dois anos em Rondonópolis-MT, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, n. 11, p. 3711-3721, 2017.

SENA, J; CEZAR-VAZ, M. R. A relação saúde/ambiente nos processos de formação do profissional enfermeiro: um ensaio teórico. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 24, 2010.

SILVA, E. L. P.; MACHADO, D. Q.; LEOPOLDINO, C. B.; FARIAS, P. P. M. Barreiras e ações para a sustentabilidade ambiental: um estudo de caso no IBAMA/CE. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, v. 3, n. 4, p. 51-89, jul-ago, 2018.

SOUZA, C.L; ANDRADE, C.S. Saúde, meio ambiente e território: uma discussão necessária na formação em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, p. 4113-4122, 2014.

TUFIK, S et al. Revisão sistemática sobre a epidemiologia das doenças cardiovasculares e respiratórias e suas associações com a poluição do ar em Vitória/ES. Clinical&BiomedicalResearch, v. 37, n. 2, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

____________________________________________________________________________________________________________________________________