OTIMIZAÇÃO DE REUSO DE ÁGUA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

Adilson Cuadro, Aline Custódio da Silva, Gilmara Rocha, Larissa Almeida, Vanessa Freitas

Resumo


O objetivo deste estudo é apresentar alternativas de reuso de águas tratadas em uma Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), de esgoto sanitário e industrial geradas em uma indústria farmacêutica. Foi constatada a possibilidade de redução de captação de aproximadamente 4.000 m³ de água por mês, buscando desta forma diminuir o consumo de água da concessionária, e ainda diminuir a captação de águas subterrâneas dos poços artesianos. A água de reuso gerada no sistema de tratamento estudado possui resultados baseados em padrões de qualidade recomendados no Manual de Conservação e Reuso de Água na Indústria (2006) e aos padrões estabelecidos pela Resolução nº 430 do Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Artigo 16, uma vez que, no Brasil não há qualquer Legislação pertinente ao reuso de água. Considera-se definitivamente eficiente o sistema apresentado, de forma que, o reuso de águas em descargas de vasos sanitários, lavagem de pisos entre outras situações referenciadas, a indústria farmacêutica economizará e deixará de utilizar recursos hídricos naturais de uma forma impactante, cuja utilização de águas para estes fins, representa de redução de captação de 1.198 m3/mês, que representa aproximadamente 15% de toda a água consumida nesta indústria.


Palavras-chave


efluentes; parâmetros de tratamento; tratamento de esgoto.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Agência Nacional de Águas, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Sindicato da Indústria da Construção do Estado de São Paulo. Conservação e Reúso da Água em Edificações. São Paulo; 2005.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 12209. Elaboração de projetos hidráulico-sanitário de tratamento de esgostos sanitários. Rio de Janeiro; 2011.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 13969. Tanques sépticos – Unidades de Tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos – Projeto, construção e operação. Rio de Janeiro; 1997.

Brasil. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 430, de 13 de Maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução nº 357, de 17 de Março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente. Seção II. Art. 16. p.4-5.

Costa DMA, Barros Junior AC. Avaliação da Necessidade do Reúso de Águas Residuais. Rio Grande do Norte; 2005. p.82.

Estado de São Paulo. Decreto nº 8468 de 08 de setembro de 1979. Aprova o Regulamento da Lei nº 997, de 31/05/1976, que dispõe sobre a Prevenção e Controle da Poluição do Meio Ambiente. Diário Oficial do Estado de São Paulo. São Paulo. Seção II. Art. 18. p.6-7.

Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. Manual de Conservação e Reuso de Água na Indústria. Rio de Janeiro, 1. ed. ; 2006.

Metcalf L, Eddy HP. Tratamento de Efluentes e Recuperação de Recursos. 5. ed. ; 2016. p. 256.

Rebouças AC, Braga B, Tundisi JG. Águas Doces no Brasil: Capital Ecológico, Uso e Conservação. 4. ed. São Paulo: Escrituras; 2008. p. 1-35.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Atas de Saúde Ambiental - ASA, ISSN 2357-7614