SERVIÇOS AMBIENTAIS APLICADOS AO CONCEITO DE JARDIM COMESTÍVEL

Ana Paula Souza Santos, Felipe Silva Trindade, Victoria Caroline Silveira Santos, Juliana Campos Maia, Elisangela Ronconi Rodrigues

Resumo


Resíduos sólidos são gerados todos os dias na cidade de São Paulo e em todo o mundo, e a sua disposição final é algo complicado devido a grande quantidade gerada. Quando separados por tipo, tem-se que mais de 50% de todo resíduo gerado nas cidades brasileiras são orgânicos e a grande maioria desse material ainda vai para aterros sanitários, apesar de poderem ser reaproveitados. São conhecidas algumas formas de destinação para resíduos orgânicos, as quais não é necessário o envio para aterro, e a principal é a compostagem (um processo natural onde os micro-organismos, como fungos e bactérias, são responsáveis pela decomposição da matéria orgânica) e o resultado desse processo é o adubo de alta qualidade. Esse projeto tem como principal objetivo analisar os principais serviços ambientais pelo método da Valoração Econômica dos Recursos Ambientais (VERA) que uma composteira e um jardim comestível podem trazer para um pequeno condomínio, pensando na destinação adequada de resíduos orgânicos e os benefícios para a saúde da comunidade, visto que alimentos orgânicos são ideais para que se tenha uma alimentação mais saudável e livre de agrotóxicos.

Palavras-chave


agricultura urbana; compostagem; valoração econômica

Texto completo:

PDF

Referências


ABRELPE (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS). Estimativas dos custos para viabilizar a universalização da destinação adequada de resíduos sólidos no Brasil. 2015. Disponível em: http://www.abrelpe.org.br/arquivos/pub_estudofinal_2015.pdf (Acesso em: 07/05/2017).

ABRELPE (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. 2014. Disponível em: http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2014.pdf (Acesso em 07/05/2017).

CEAGESP. Cotações – Preços no Atacado. Preços na capital. Disponível em: http://www.ceagesp.gov.br/entrepostos/servicos/cotacoes/#cotacao (Acesso em: 08/05/2017).

CEMPRE (COMPROMISSO EMPRESARIAL PARA A RECICLAGEM). Radiografando a Coleta Seletiva. 2016. Disponível em: http://cempre.org.br/ciclosoft/id/8 (Acesso em: 08/05/2017).

CETESB (COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO) Inventário De Resíduos Sólidos Urbanos. 2015. Disponível em: http://residuossolidos.cetesb.sp.gov.br/wp-content/uploads/sites/36/2013/11/inventario-RSD-2015.pdf (Acesso 28/04/2017).

COSTA, M. R. P. Florestas Comestíveis Urbanas - Uma Rede Viva Que Podemos Cultivar. (Dissertação) Mestrado em Arquitetura Paisagista. Faculdade de Ciências da Unversidade do Porto, Portugal, 2012. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/66671/2/24149.pdf (Acesso em 05/05/2017).

FGV (FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS) Estudos sobre os aspectos econômicos e financeiros da implantação e operação de aterros sanitários.2009 Disponível em: http://www.abetre.org.br/estudos-e-publicacoes/publicacoes/publicacoes-abetre/FGV%20-%20Aterros%20Sanitarios%20-%20Estudo.pdf (Acesso em: 28/04/2017).

IBGE (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA). Censo 2016 do município de Osasco. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/v4/brasil/sp/osasco/panorama (Acesso em 01/05/2017).

IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Diagnóstico dos resíduos sólidos urbanos. Relatório de pesquisa. Brasília, 2012. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/121009_relatorio_residuos_solidos_urbanos.pdf (Acesso em 20/04/2017).

MARTINS, V. A. et. al. Preços de frutas e hortaliças da agricultura orgânica no mercado varejista da cidade de São Paulo. Revista Informações econômicas. v. 36, n.9, 2006. Disponível em: ftp://ftp.sp.gov.br/ftpiea/publicacoes/tec4-0906.pdf (Acesso em 17/05/2017).

MOTTA, R. S. Manual para Valoração Econômica de Recursos Ambientais. Rio de Janiero: IPEA/MMA/PNUD/CNPQ, 1997. Disponível em: http://www.terrabrasilis.org.br/ecotecadigital/pdf/manual-para-valoracao-economica-de-recursos-ambientais.pdf (Acesso em: 16/03/2017)

PIGNATI, W. et. al. Vigilância aos agrotóxicos: quantificação do uso e previsão de impactos na saúde-trabalho-ambiente para os municípios brasileiros. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 12, 2014. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v19n12/1413-8123-csc-19-12-04669.pdf (Acesso em: 07/05/2017).

PMO (PREFEITURA MUNICIPAL DE OSASCO). Plano Municipal de Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Município de Osasco. 2016. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/sp/o/osasco/lei-ordinaria/2016/477/4763/lei-ordinaria-n-4763-2016-institui-o-plano-municipal-de-gestao-integrada-de-residuos-solidos (acesso em 09/10/2017).

SEBOLD, S; SILVA, A.. Uma aplicação do método dos custos de viagem para a valoração de um parque ambiental. Revista Produção Online. V. 4, n. 3, Agosto de 2004. Disponível em: https://www.producaoonline.org.br/rpo/article/view/312/412 (Acesso em 16/06/2017).

SILVA, R. B. et. al. Hortas Domésticas: uma análise dos motivos para o cultivo de hortaliças em Cáceres- MT, Brasil. Revista de Ciências Agro-Ambientais. v. 8, n. 1, p. 69-81, 2010.

SIQUEIRA, T. M. O; ASSAD, M. L. R. C. L. Compostagem de resíduos sólidos no estado de São Paulo (Brasil). Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. XVIII, n. 4, out-dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2015000400014〈=pt . (Acesso em: 28/04/2017).

SPERB, P. Epidemia de câncer'? Alto índice de agricultores gaúchos doentes põe agrotóxicos em xeque. 2016. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/brasil-37041324 (Acesso em: 10/05/2017).

WHATELY, M.; HERCOWITZ, M. Serviços ambientais : conhecer, valorizar e cuidar : subsídios para a proteção dos mananciais de São Paulo /. -- São Paulo : Instituto Socioambiental, 2008.Disponível em: https://site-antigo.socioambiental.org/banco_imagens/pdfs/10366.pdf (Acesso em 09/10/2017).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Atas de Saúde Ambiental - ASA, ISSN 2357-7614